Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

GM entra hoje em concordata nos EUA



01/06/2009 | 07:00


A General Motors deve entrar com um pedido de concordata no Tribunal de Falências de Nova York hoje, às 9h (de Brasília), e nomear Al Koch, 67 anos, como o executivo que conduzirá o processo de reestruturação da companhia, afirmou o Wall Street Journal, citando fontes familiarizadas com a questão que preferem não se identificar.

Koch, um dos diretores da consultoria AlixPartners e especialista em reestruturar empresas, supervisionará a divisão da montadora em duas partes - a "Nova GM", controlada majoritariamente pelo governo, e uma outra companhia que será liquidada.

Segundo as fontes, ele será subordinado ao executivo-chefe da GM, Frederick Fritz Henderson, mas também deve responder diretamente ao conselho de diretores da companhia. No caso de uma "Nova GM" ser criada após o pedido de concordata, Koch comandará uma equipe encarregada de vender ativos da "Velha GM" - incluindo as marcas Saturn, Hummer, Saab e Pontiac.

Koch, que foi um dos responsáveis pela reorganização do Kmart após a concordata, estaria reunindo-se regularmente com os diretores da GM desde dezembro. Ele ajudou a desenvolver os planos de viabilidade enviados pela montadora ao governo norte-americano, negociou com os acionistas e detentores de dívidas da companhia e preparou o esquema de venda dos ativos bons da empresa para a "Nova GM".

Como principal consultor da Alix para a GM, ele também preparou uma análise delineando as chances de recuperação para os credores caso a montadora fosse liquidada. A análise revelou que "não haveria recuperação para os credores que não possuem seguro", afirmou uma fonte.

No caso do Departamento do Tesouro dos EUA, a recuperação seria "significativamente prejudicada", segundo a fonte ouvida pelo Journal.

A equipe de Koch incluirá Ted Stenger, que trabalhou na Kmart e no colapso da fornecedora de autopeças Dana Automotive; Stefano Aversa, presidente das operações europeias da Alix, e John Hoffecker, especialista da indústria automobilística.

No entanto, Altman alerta que as condições econômicas desempenham um papel fundamental no sucesso de reestruturações corporativas após processos de concordata, o que pode trabalhar contra a reorganização da GM.

LUCRO - A concordata é vista por especialistas como a única maneira de a empresa voltar a ser lucrativa. A montadora pretende emergir da concordata no dia 1º de agosto. Até lá, a empresa espera ter se livrado da maioria de suas dívidas, de suas marcas fracas como Hummer, Saturn, Pontiac e Saab, e de milhares de concessionárias que se canibalizavam.

A GM também vai fechar entre 12 e 20 fábricas. Com os custos trabalhistas reduzidos após negociações com o sindicato, a GM prepara-se para investir na produção de carros menores e mais econômicos. E a montadora também terá se livrado do passivo de assistência médica com o sindicato, que inviabilizou a montadora por anos. Após a concordata, esse passivo de US$ 20 bilhões com o sindicato United Auto Workers transforma-se em participação na ‘Nova GM'.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;