Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Justiça isenta IR em saque de previdência

Marcello Casal Jr/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Isenção para retirada integral do fundo para tratamento de doença grave não é prevista em lei


Flavia Kurotori
especial para o Diário

21/09/2018 | 07:07


A 2ª Vara Federal de Santo André foi favorável à solicitação de saque da previdência privada com isenção do IR (Imposto de Renda) para arcar com os custos do tratamento de doença grave. A decisão foi proferida, neste mês, a morador da região que possui câncer no cólon e que, ao retirar o valor, de R$ 170 mil, R$ 25,5 mil ficaram retidos. Isso aconteceu porque o investimento foi realizado na modalidade PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), em que o desconto do tributo incide sobre o valor total resgatado ou sobre a renda recebida, a depender do tipo de acordo.

Conforme a lei número 7.713/88, pessoas portadoras de doenças graves – tais como hanseníase, mal de Parkinson, alienação mental e Aids – estão isentas do imposto desde que o benefício seja utilizado como complemento à aposentadoria, ou seja, quando a quantia é paga mensalmente em adição à renda. Assim, em casos cuja necessidade é de sacar o valor integral investido, não há isenção, dado que é considerado quebra contratual.

“Esta decisão abre jurisprudência para que outros portadores de doenças graves solicitem esta isenção”, destacou Renato Falchet Guaracho, advogado do escritório Aith, Badari e Luchin e responsável pela ação. “A pessoa não sacou porque quis, foi uma necessidade para pagar o tratamento.”

“Casos como este já deveriam estar previstos na lei porque a pessoa já está debilitada, afastada do mercado de trabalho e, muitas vezes, do convívio social, e precisa sacar a quantia”, assinalou Jairo Guimarães, advogado especialista em Direito do Consumidor da OAB de Santo André. “Essa foi uma decisão muito relevante à sociedade”, acrescentou.

Segundo Guaracho, a Receita Federal discordou do pedido, informando que não havia “previsão legal para tanto e pleiteou a improcedência da ação”, entretanto, a Justiça Federal não acatou o pedido do órgão. Questionado pela equipe do Diário, o Fisco não se posicionou até o fechamento desta edição.

ORIENTAÇÃO
Guaracho assinalou que para pleitear a isenção ou devolução do IR, caso o saque já tenha sido feito, não é necessário que a pessoa seja aposentada pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), sendo único requisito laudo emitido por médico do SUS (Sistema Único de Saúde) que ateste doença sem controle.

Em seguida, a recomendação é entrar com pedido administrativo na Receita Federal. “A decisão não costuma demorar. Se for acionada a Ouvidoria em caráter de urgência, o veredicto pode vir em até 48 horas”, pontuou. Se o pedido for negado, a pessoa pode entrar com ação judicial.

Guaracho afirmou que nos casos em que, mesmo a doença sendo grave, não se enquadra nas previstas pela lei, as chances de a decisão ser favorável à isenção são menores. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;