Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 18 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Vendas do varejo têm na 1ª quinzena do mês o pior resultado do ano, diz ACSP

Marcelo Camargo/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


18/09/2018 | 10:29


O movimento no varejo paulistano teve um crescimento de 0,6% nos primeiros 15 dias deste mês em relação a igual período de 2017, conforme a Associação Comercial de São Paulo (ACSP). O resultado, informa, é o pior para o período em 2018. Na comparação com os primeiros 15 dias de agosto, houve declínio médio de 6,6%.

Na opinião do economista da ACSP Emílio Alfieri, o desempenho não indica uma tendência, mas sim uma parada momentânea do consumidor antes das eleições, "que definirão os novos rumos do País".

Alfieri admite que o setor varejista enfraqueceu, porém com descompasso entre as vendas a prazo e à vista. No primeiro caso, cita, houve avanço de 4,3% nos primeiros 15 dias de setembro, enquanto a segunda opção mostrou queda de 3,1%.

"A explicação pode estar nos eletroeletrônicos, em especial celulares, que estão tendo bom desempenho", comenta o economista, ao justificar o comportamento das vendas a crédito.

Com relação ao sistema à vista, que abrange bens não duráveis como vestuário, calçados e acessórios, Alfieri explica que as vendas dependem muito do clima e da estações. "O consumidor está compasso de espera: não compra mais moda artigos outono/inverno, já que o inverno termina logo (dia 22), enquanto espera a chegada da primavera para comprar itens da nova estação."

Na comparação com os 15 primeiros dias de agosto, quando houve queda de 6,6%, também foram notadas diferenças entre os sistemas a prazo (6,3%) e à vista (-19,4%). Os motivos, de acordo com Alfieri, são os mesmos da variação interanual, com um diferencial.

Ele explica que o forte recuo nos produtos de menor valor (sistema à vista) se deve também à base forte de comparação gerada pelo Dia dos Pais. "Esta data comemorativa foi impulsionada pelos presentes pessoais de menor valor. Como não há data comercial em setembro, essa queda é natural", diz.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vendas do varejo têm na 1ª quinzena do mês o pior resultado do ano, diz ACSP


18/09/2018 | 10:29


O movimento no varejo paulistano teve um crescimento de 0,6% nos primeiros 15 dias deste mês em relação a igual período de 2017, conforme a Associação Comercial de São Paulo (ACSP). O resultado, informa, é o pior para o período em 2018. Na comparação com os primeiros 15 dias de agosto, houve declínio médio de 6,6%.

Na opinião do economista da ACSP Emílio Alfieri, o desempenho não indica uma tendência, mas sim uma parada momentânea do consumidor antes das eleições, "que definirão os novos rumos do País".

Alfieri admite que o setor varejista enfraqueceu, porém com descompasso entre as vendas a prazo e à vista. No primeiro caso, cita, houve avanço de 4,3% nos primeiros 15 dias de setembro, enquanto a segunda opção mostrou queda de 3,1%.

"A explicação pode estar nos eletroeletrônicos, em especial celulares, que estão tendo bom desempenho", comenta o economista, ao justificar o comportamento das vendas a crédito.

Com relação ao sistema à vista, que abrange bens não duráveis como vestuário, calçados e acessórios, Alfieri explica que as vendas dependem muito do clima e da estações. "O consumidor está compasso de espera: não compra mais moda artigos outono/inverno, já que o inverno termina logo (dia 22), enquanto espera a chegada da primavera para comprar itens da nova estação."

Na comparação com os 15 primeiros dias de agosto, quando houve queda de 6,6%, também foram notadas diferenças entre os sistemas a prazo (6,3%) e à vista (-19,4%). Os motivos, de acordo com Alfieri, são os mesmos da variação interanual, com um diferencial.

Ele explica que o forte recuo nos produtos de menor valor (sistema à vista) se deve também à base forte de comparação gerada pelo Dia dos Pais. "Esta data comemorativa foi impulsionada pelos presentes pessoais de menor valor. Como não há data comercial em setembro, essa queda é natural", diz.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;