Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Ministro francês diz que al-Assad venceu guerra, mas não a paz

Mario Salerno/ European External Action Service Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


02/09/2018 | 10:09


O ministro de Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, disse que o presidente sírio, Bashar al-Assad, "venceu a guerra, mas não venceu a paz" e ameaçou retaliar caso al-Assad ceda à "tentação" de usar armas químicas em uma iminente batalha na cidade de Idlib, no noroeste da Síria.

O político francês defendeu que mesmo que forças do regime de al-Assad tomem Idlib de rebeldes, isso não resolverá os problemas que desencadearam a guerra, há sete anos.

Le Drian também afirmou que vai pressionar por uma solução na Síria durante a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e que mantém conversas com a Rússia, a Turquia e o Irã para que usem sua influência com o líder sírio para garantir as negociações políticas após o fim da guerra.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ministro francês diz que al-Assad venceu guerra, mas não a paz


02/09/2018 | 10:09


O ministro de Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, disse que o presidente sírio, Bashar al-Assad, "venceu a guerra, mas não venceu a paz" e ameaçou retaliar caso al-Assad ceda à "tentação" de usar armas químicas em uma iminente batalha na cidade de Idlib, no noroeste da Síria.

O político francês defendeu que mesmo que forças do regime de al-Assad tomem Idlib de rebeldes, isso não resolverá os problemas que desencadearam a guerra, há sete anos.

Le Drian também afirmou que vai pressionar por uma solução na Síria durante a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e que mantém conversas com a Rússia, a Turquia e o Irã para que usem sua influência com o líder sírio para garantir as negociações políticas após o fim da guerra.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;