Fechar
Publicidade

Sábado, 17 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas da Europa fecham em queda com comércio e preocupação com emergentes



30/08/2018 | 13:58


Em um cenário de menor apetite por risco nos mercados internacionais, as bolsas europeias fecharam em queda o pregão desta quinta-feira, 30, na expectativa pelos desdobramentos das conversas entre Estados Unidos, México e Canadá sobre o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta, na sigla em inglês) mas também de olho nas incertezas em mercados emergentes e em solo italiano. O índice Stoxx-600 recuou 0,31%, aos 385,37 pontos.

Apesar de a ministra de Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland, afirmar pela manhã estar otimista sobre o "progresso que podemos fazer nesta semana" em relação às negociações para um eventual acordo com os EUA, os mercados seguem atentos ao prazo considerado para viabilizar a oficialização do novo trato antes de dezembro, que termina na sexta-feira.

A decisão do Banco Central da República da Argentina (BCRA) de aumentar a taxa básica de juros de 45% a 60% também elevou as preocupações em relação a emergentes diante do risco de contágio de outras economias, pressionando ainda mais as ações dos principais bancos europeus, com destaque para os papéis do Intesa Sanpaolo, que recuaram 2,36%, enquanto os do UniCredit caíram 1,01% e os do BBVA registraram baixa de 2,75%.

Em meio ao cenário, a Bolsa de Milão liderou as perdas, onde o índice FTSE MIB recuou 1,28%, para 20.495,10 pontos, também em meio à cautela diante das discussões orçamentárias. O cenário de incertezas também impulsionou os juros do governo italiano (BTPs).

Em um leilão do Tesouro nesta quinta, o yield (retorno) ficou no maior nível desde 2014 para papéis de dez anos - a taxa foi de 2,44%. "Estamos longe de circunstâncias de crise, mas o gradual aumento nos juros italianos sinaliza crescentes preocupações com os atuais planos de política do governo", avalia Jan von Gerich, estrategista-chefe do banco sueco Nordea.

Logo atrás de Milão veio a Bolsa de Madri, onde o Ibex 35 caiu 1,06%, aos 9.467,60 pontos. O FTSE 100, de Londres, apresentou baixa de 0,62%, para 7.516,03 pontos, e o CAC 40, da Bolsa de Paris, registrou queda de 0,42%, aos 5.478,06 pontos, enquanto o DAX, de Frankfurt, recuou 0,54%, para 12.494,24 pontos. Em Lisboa, o PSI 20 cedeu 0,60%, para 5.462,73 pontos.

Entre os indicadores, destaque para o índice de sentimento econômico da zona do euro, que mede a confiança de setores corporativos e dos consumidores, que caiu mais acentuadamente do que era esperado por analistas ouvidos pela Trading Economics, informou nesta quinta a Comissão Europeia. O recuo foi de 112,1 em julho para 111,6 em agosto, ante previsão de baixa a 112.

Ao mesmo tempo, a confiança do consumidor recuou de -0,5 em julho para -1,9 em agosto, como previam analistas, enquanto a da indústria diminuiu de 5,8 para 5,5, também em linha com o consenso do mercado, e a do segmento de serviços foi de +15,3 para +14,7.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;