Fechar
Publicidade

Domingo, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar tem dia de correção e fecha em baixa de 0,43%

Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


29/08/2018 | 18:50


Depois de renovar o pico do ano e de ter atingido a segunda maior cotação nominal do Plano Real, o dólar teve um alívio nesta quarta-feira, 29, e fechou em baixa de 0,43%, cotado a R$ 4,1197. A escassez de notícias novas no campo político doméstico, somada ao cenário externo mais tranquilo, favoreceram um movimento de realização de lucros, de acordo com profissionais do mercado. No entanto, a cautela com o cenário eleitoral doméstico continuou presente nos negócios, assim como a volatilidade das cotações, que pela manhã voltaram a bater os R$ 4,16.

O dólar iniciou o dia em alta, alinhado à tendência externa de fortalecimento ante moedas emergentes, em meio à notícia de crescimento do PIB dos Estados Unidos acima das previsões. O movimento perdeu fôlego gradativamente, com as cotações assumindo leve viés de baixa. À tarde, notícias sobre a crise na Argentina trouxeram as cotações de volta ao terreno positivo por alguns minutos. Em contrapartida, as declarações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre as negociações com o Canadá contribuíram para um novo alívio, quando o "spot" atingiu a mínima do dia, aos R$ 4,1127 (-0,60%).

Trump afirmou que as tratativas com o Canadá, que desde ontem se juntou em Washington aos americanos e ao México na renegociação do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (Nafta), "estão indo muito bem" e que o país ao norte "quer fazer um acordo comercial". Na Argentina, a crise de confiança voltou a afetar os ativos argentinos e o dólar disparou ante o peso, mesmo após o banco central do país ter ofertado mais US$ 300 milhões na tentativa de frear a escalada da moeda. O risco Argentina medido pelo Credit Default Swap (CDS) era negociado à tarde a 605,94 pontos, em alta de 8,24 pontos, considerando o contrato de cinco anos, segundo cotações apuradas pela Markit.

Para Robério Costa, economista-chefe do Grupo Confidence, o cenário político doméstico segue como principal referência para os negócios e fator predominante da volatilidade do dia. "Nem reunião dos EUA com o Canadá, nem Argentina. São fatores secundários em um mercado que está cada vez mais inquieto, com mesas de câmbio muito ariscas, prontas para assumir novas posições em dólar", disse o economista.

O cenário político teve poucos destaques no dia, e as mesas dedicaram a sessão a repercutir a entrevista do candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) ao Jornal Nacional, na noite de ontem, além do noticiário pontual de seus concorrentes ao longo do dia. Na noite de hoje, o JN entrevista Geraldo Alckmin (PSDB).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;