Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Justiça nega liberdade a Maninho e adia decisão sobre júri popular

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ex-vereador de Diadema e seu filho estão presos desde maio acusados de tentativa de homicídio


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

29/08/2018 | 18:33


A juíza Debora Faitarone, da 1ª Vara do Júri da Capital, negou pedido de liberdade apresentado pela defesa do ex-vereador de Diadema Manoel Eduardo Marinho, o Maninho (PT), e seu filho, Leandro Eduardo Marinho (PT), presos desde 16 de maio por agressão a um homem em frente ao Instituto Lula. A magistrada também adiou a decisão se os petistas irão a júri popular e se responderão por tentativa de homicídio com dolo eventual ou lesão corporal.

Na tarde desta quarta-feira (29), testemunhas de acusação e defesa foram ouvidas pela juíza. Faltam ainda depoimentos de parlamentares que acompanharam o ocorrido no dia 5 de abril, quando o juiz federal Sergio Moro determinou a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no caso do triplex do Guarujá. Como esses políticos têm foro privilegiado, possuem prerrogativa de escolher data, horário e local para as oitivas. Segundo a defesa dos petistas, dois dos três parlamentares já agendaram os testemunhos.

Maninho e Leandro estão no presídio em Tremembé, no Interior, acusados pelo Ministério Público de tentativa de homicídio com dolo eventual durante briga com o empresário Carlos Bettoni, que, no dia do despacho de Moro, foi à frente do Instituto Lula defender a prisão do petista. O ex-vereador de Diadema e seu filho empurraram o empresário, que se desequilibrou e caiu, batendo a cabeça no para-choque de um caminhão que passava pela via. Ele chegou a ficar internado na UTI, mas teve alta dias depois. Os exames de tomografia do empresário, aliás, foram anexados ao processo.

Advogados de Maninho e Leandro recorrem ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), onde tramita pedido de habeas corpus. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;