Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 16 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Alta menor do dólar e queda de 0,29% nos alimentos arrefecem IPP, diz IBGE



29/08/2018 | 11:04


A alta menor do dólar e a queda nos preços dos alimentos arrefeceram o ritmo de aumento dos produtos na porta de fábrica na passagem de junho para julho, apontou Manuel Campos Souza Neto, analista da Coordenação de Indústria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Índice de Preços ao Produtor (IPP) passou de avanço de 2,27% para elevação de 1,13% no período.

"O dólar teve alta de 1,46% em julho em relação ao real. Em junho, a valorização do dólar tinha sido de 3,77%. Ao mesmo tempo, os alimentos saem de um aumento de 3,35% em junho para uma queda de 0,29% em julho", apontou Souza Neto.

Apesar da desaceleração, o resultado ainda foi o mais elevado para meses de julho desde o início da série histórica da pesquisa, em dezembro de 2013. O câmbio e as cotações internacionais de alguns produtos ainda pressionaram os preços da indústria em julho, impedindo um arrefecimento maior da inflação do setor, explicou o analista do IBGE.

As quatro maiores altas foram registradas em outros produtos químicos (4,98%), perfumaria, sabões e produtos de limpeza (2,37%), indústrias extrativas (2,37%) e produtos de metal (1,89%).

O IPP acumulado de janeiro a julho, de 9,84%, foi o mais elevado da série histórica. A taxa acumulada em 12 meses também alcançou recorde, aos 15,89% em julho.

"A alta do dólar em relação ao real em um ano foi de 19,4%", lembrou Souza Neto. "A pressão do câmbio explica bastante a alta no IPP, mas tem todo o mercado internacional influenciando, como preços de óleo bruto de petróleo, óleo diesel", completou o pesquisador.

Nos 12 meses encerrados em julho, os preços das indústrias extrativas acumularam um crescimento de 65,79%, enquanto os do setor de derivados de petróleo aumentaram 42,41%, e os de outros produtos químicos, 29,32%.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;