Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Duas vezes vereador, ele conta a sua história


Ademir Medici

29/08/2018 | 07:00


Carolina foi pro samba

Carolina

Pra dançá o xenhenhém

Carolina

Todo mundo é caidinho

Carolina

Pelo cheiro que ela tem

"Cheiro da Carolina", de Luiz Gonzaga, regravado por Elba Ramalho.

José Pereira de Araújo, o Carolina, pernambucano de Ouricuri, foi literalmente levado à política municipal de São Bernardo pelo povo, numa virada que surpreendeu até mesmo um dos líderes de massa do Município, Aldino Pinotti. Mas, por que “Carolina”? E como foi essa virada? Carolina é cidadão do Distrito de Riacho Grande desde a juventude. Aos 81 anos, ele participou da mesa-redonda realizada na Cantina do Aldo, mês passado, e esclareceu todas essas dúvidas.

Batelões em posição.

O povo na prainha.

Carolina vive sua noite de glória

Depoimento: José Pereira de Araújo, o Carolina

Em 1963, Aldino Pinotti chamou uma reunião para que Riacho Grande indicasse um candidato a vereador pela sua ala. O encontro foi realizado à beira da Represa, Billings, na ‘prainha’, e para isso foram juntados os vários batelões (barcos enormes), inclusive o do Leli (Quirino Vizentin).

Pinotti escolheu o local porque já tinha um nome, Guilherme Tibold, liderança dos estaleiros em Riacho Grande. Sem citar o nome do Guilherme, ele explicou o motivo da reunião e alguém no meio do povo, ao saber que era preciso indicar um nome, gritou:

– Põe o Carolina...

E o povo, em uníssono, concordou:

– Carolina, Carolina, Carolina...

O Pinotti quis saber quem eu era. Levantei. Cumprimentei todo mundo. Agradeci. E o Pinotti me chamou para a mesa principal. E nem apresentou o candidato dele. Sai candidato.

Fui bem votado, mas perdi a eleição. Os eleitores do Riacho votaram no “Carolina”. E naquele tempo não se podia votar no apelido dos candidatos. Fui candidato novamente nas duas eleições seguintes, e fui eleito, permanecendo como vereador de 1969 a 1977.

As ruas do Riacho eram trilhos. Consegui, com o subprefeito Landi, que elas fossem abertas e pavimentadas, inclusive a Rua Antonio Caputo, uma das principais, e a rua em que eu moro, a Marcilio Conrado.

Por que o apelido “Carolina”? Eu tocava muito violão. E cantava essa música do Luiz Gonzaga. “Carolina”, e Carolina ficou.

NOTA DA MEMÓRIA – Na gravação que fizemos dia 31 de julho, Carolina cantarolou trechos da música citada. Até hoje, poucos o conhecem pelo nome verdadeiro. O que vale é “Carolina, Carolina”, que Luiz Gonzaga consagrou.

AMANHÃ EM MEMÓRIA

Bruno Brentegani Filho e Aldo Rosa: 

o folclore em Riacho Grande

e os oleiros mineiros

Interação com Facebook

E a Praça Santa Filomena?

Pena não ter sido incluída no passeio “ponto a ponto” (Memória, 20-8-2018) a Capela Santa Filomena. A informação que tive é que o centro histórico tinha, como “limites”, a Praça Lauro Gomes e a Praça Santa Filomena. 

Qual seria o motivo? O abandono e a deterioração crescente da praça?

Malu Ferreira

NOTA DA MEMÓRIA – Oi Malu. O passeio organizado pelos órgãos de Cultura da Prefeitura limitou-se a dois quarteirões, os dois mais centrais, e a ideia divulgada pelos organizadores é a de realizar novas incursões. Mas você lembrou uma praça importante que se deteriora. A fonte, por exemplo, virou um vaso de plantas, sem água a jorrar. Fonte ou vaso? Memória irá focalizar o assunto numa das próximas Memórias, começando agora pelo seu registro via “face”.

Diário há 30 anos

Domingo, 28 de agosto de 1988 - ano 31, edição 6843

Economia – Indústrias de Diadema exportam 100 mil cosméticos para a França.

n Veículos pesados detêm 18% das vendas domésticas; mercado interno é abastecido por três montadoras: Saab-Scania, Mercedes-Benz e Volvo; estima-se que produção dobrará em 10 anos.

São Bernardo – “Consórcio da Morte” paga até cafezinho, iniciativa dos moradores do antigo Acampamento do DER com vistas às despesas funerárias. A repórter Ivanilde Sitta entrevista Dona Matutina Rocha de Campos Macedo, uma das organizadoras da “caixinha funeral”.

Lourenço Diaféria (crônica) – O imprevisível também acontece.

Guido FideliS (crônica) – Dia de sede, de beber muita água.

Santos do Dia

Igreja celebra o martírio de São João Batista

Nicéias n Hipácio n Sabina

Hoje

Dia Nacional de Combate ao Fumo

Dia Nacional do Vaqueiro

Em 29 de agosto de...

1973 – Prefeitura de São Caetano anuncia adesão ao Projeto CURA (Comunidades Urbanas de Recuperação Acelerada) para obras nas Vilas Gerty, Oswaldo Cruz, Boqueirão, Cerâmica, São José e Jardim São Caetano.

Municípios Brasileiro

Celebram aniversários em 29 de agosto:

Em São Paulo, Leme e Mineiros do Tietê

No Ceará, Jaguaretama

Na Paraíba, Teixeira

Fonte: IBGE



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;