Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 20 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Justiça suíça derruba efeito suspensivo e Guerrero ficará sem jogar até 2019

Reprodução/Instagram  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


23/08/2018 | 09:56


Num novo capítulo de uma novela jurídica pouco comum no mundo do futebol, o atacante do Internacional Paolo Guerrero não poderá mais entrar em campo até o final do ano. Nesta quinta-feira, a Justiça suíça derrubou um efeito suspensivo que o Tribunal Federal do país europeu havia concedido à sua suspensão original e que acabou permitindo que o peruano pudesse disputar a Copa do Mundo na Rússia.

A punição original por suposto uso de doping era de um ano, o que o deixava de fora do Mundial de 2018. Mas, depois de um recurso na própria Fifa, a pena caiu para seis meses e terminaria em maio, permitindo que o jogador pudesse ir ao Mundial.

Mas, num recurso apresentado pela Agência Mundial Antidoping, a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) reverteu a decisão da Fifa e aplicou uma suspensão de até 14 meses, que o tirava da Copa. Guerrero chegou a ir até a Fifa, em Zurique, para pedir uma intervenção do presidente da entidade, Gianni Infantino, mas sem sucesso.

Sua última cartada era sair dos tribunais esportivos e levar o seu caso à corte comum, na Suíça. Guerrero, assim, solicitou que a sua situação fosse tratada apenas depois do Mundial, o que acabou também sendo aceito pela CAS.

Semanas antes da Copa, o presidente do Tribunal Federal da Suíça concedeu "efeito suspensivo à título provisório ao recurso apresentado por Paolo Guerrero contra a sentença da CAS". "Como consequência, Guerrero poderá participar da Copa do Mundo na Rússia", declarou a corte, naquela ocasião.

Agora, a Justiça derrubou esse efeito suspensivo e sua punição voltou a ser aplicada, Pelo sistema legal da Suíça, não cabem mais recursos à decisão.

O peruano respondia à investigação por ter testado positivo para uso de benzoilecgonina, um metabólito da cocaína, em exame realizado depois do empate em 0 a 0 entre Argentina e Peru, em Buenos Aires, pela penúltima rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa de 2018, no dia 5 de outubro. Por isso, foi suspenso preventivamente pela Fifa. A principal suspeita era justamente sobre o uso de cocaína, mas o atacante garantiu que esta possibilidade já foi descartada pela entidade.

Por conta da punição, Guerrero ficou impedido de defender a seleção peruana nas duas partidas da repescagem da Copa do Mundo de 2018, diante da Nova Zelândia. Mesmo assim, o país garantiu vaga no Mundial, que seria o primeiro do atacante.

Inicialmente, a Fifa alertou que optou por uma punição e não ficou convencida de que a substância encontrada poderia vir da folha de coca. "Depois de analisar todas as circunstâncias do caso, a Comissão de Disciplina decidiu suspender Paolo Guerrero durante o período de um ano", disse um comunicado da Fifa, de dezembro. "Por ter dado positivo por uma substância proibida, o jogador violou o artigo 6 do regulamento antidoping da Fifa", explicou.

No Peru, a reviravolta do caso havia mobilizado até a presidência do país, na esperança de uma boa atuação do time nacional na Copa. A seleção peruana, porém, foi eliminada na primeira fase da competição realizada em solo russo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Justiça suíça derruba efeito suspensivo e Guerrero ficará sem jogar até 2019


23/08/2018 | 09:56


Num novo capítulo de uma novela jurídica pouco comum no mundo do futebol, o atacante do Internacional Paolo Guerrero não poderá mais entrar em campo até o final do ano. Nesta quinta-feira, a Justiça suíça derrubou um efeito suspensivo que o Tribunal Federal do país europeu havia concedido à sua suspensão original e que acabou permitindo que o peruano pudesse disputar a Copa do Mundo na Rússia.

A punição original por suposto uso de doping era de um ano, o que o deixava de fora do Mundial de 2018. Mas, depois de um recurso na própria Fifa, a pena caiu para seis meses e terminaria em maio, permitindo que o jogador pudesse ir ao Mundial.

Mas, num recurso apresentado pela Agência Mundial Antidoping, a Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) reverteu a decisão da Fifa e aplicou uma suspensão de até 14 meses, que o tirava da Copa. Guerrero chegou a ir até a Fifa, em Zurique, para pedir uma intervenção do presidente da entidade, Gianni Infantino, mas sem sucesso.

Sua última cartada era sair dos tribunais esportivos e levar o seu caso à corte comum, na Suíça. Guerrero, assim, solicitou que a sua situação fosse tratada apenas depois do Mundial, o que acabou também sendo aceito pela CAS.

Semanas antes da Copa, o presidente do Tribunal Federal da Suíça concedeu "efeito suspensivo à título provisório ao recurso apresentado por Paolo Guerrero contra a sentença da CAS". "Como consequência, Guerrero poderá participar da Copa do Mundo na Rússia", declarou a corte, naquela ocasião.

Agora, a Justiça derrubou esse efeito suspensivo e sua punição voltou a ser aplicada, Pelo sistema legal da Suíça, não cabem mais recursos à decisão.

O peruano respondia à investigação por ter testado positivo para uso de benzoilecgonina, um metabólito da cocaína, em exame realizado depois do empate em 0 a 0 entre Argentina e Peru, em Buenos Aires, pela penúltima rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa de 2018, no dia 5 de outubro. Por isso, foi suspenso preventivamente pela Fifa. A principal suspeita era justamente sobre o uso de cocaína, mas o atacante garantiu que esta possibilidade já foi descartada pela entidade.

Por conta da punição, Guerrero ficou impedido de defender a seleção peruana nas duas partidas da repescagem da Copa do Mundo de 2018, diante da Nova Zelândia. Mesmo assim, o país garantiu vaga no Mundial, que seria o primeiro do atacante.

Inicialmente, a Fifa alertou que optou por uma punição e não ficou convencida de que a substância encontrada poderia vir da folha de coca. "Depois de analisar todas as circunstâncias do caso, a Comissão de Disciplina decidiu suspender Paolo Guerrero durante o período de um ano", disse um comunicado da Fifa, de dezembro. "Por ter dado positivo por uma substância proibida, o jogador violou o artigo 6 do regulamento antidoping da Fifa", explicou.

No Peru, a reviravolta do caso havia mobilizado até a presidência do país, na esperança de uma boa atuação do time nacional na Copa. A seleção peruana, porém, foi eliminada na primeira fase da competição realizada em solo russo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;