Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 21 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas da Europa fecham em alta, mas tensões na política americana limitam ganhos



22/08/2018 | 14:05


Após oscilações, a maioria dos mercados acionários da Europa fechou em alta o pregão desta quarta-feira, 22, com apenas a Bolsa de Milão em queda. A expectativa de que as negociações entre Estados Unidos e China evitem tensões para o comércio global e a alta nos preços do petróleo contaram a favor das bolsas, enquanto o estresse na política americana limitou os ganhos.

Enquanto aguardam que as conversas sobre comércio entre Washington e Pequim, que devem ocorrer até a quinta-feira, impeçam a escalada das tensões entre as duas maiores economias do mundo e no comércio global, como um todo, investidores acompanharam o avanço nos preços do petróleo após o recuo maior que o esperado nos estoques de óleo dos EUA, o que impulsionou de forma generalizada as ações de empresas do setor de energia.

Segundo informou o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) do país, o volume estocado da commodity recuou 5,836 milhões de barris na semana encerrada em 17 de agosto, para 408,358 milhões, acima da previsão de queda de 2 milhões.

Na Bolsa de Londres, onde o índice FTSE 100 encerrou o dia em alta de 0,11%, a 7.574,24 pontos, o destaque foi a BP, cujas ações avançaram 0,54%. Já na capital francesa, os papéis da Total subiram 0,98%, e o índice da Bolsa de Paris, o CAC 40, avançou 0,22%, aos 5.420,61 pontos. Em Frankfurt, o DAX ganhou 0,01%, com destaque para a E.ON, em alta de 0,58%, enquanto em Madri o Ibex 35 registrou ganhos de 0,33%, para 9.580,20 pontos, e o PSI 20, de Lisboa, avançou 0,22%, a 5.516,98 pontos.

Os ganhos dos mercados acionários foram limitados, no entanto, à medida que novos episódios da política norte-americana tornam o cenário instável, com ex-aliados do presidente Donald Trump envolvidos em atividades criminosas.

O ex-advogado pessoal de Trump, Michael Cohen, assinou um acordo de confissão com promotores que investigam pagamentos a mulheres que alegam ter tido casos extraconjugais com o líder dos EUA. Além disso, houve a condenação do ex-diretor de campanha de Trump, Paul Manafort, por oito acusações de fraude fiscal e bancária - entre as 18 que enfrentava.

A Bolsa de Milão foi a exceção, ao passo que o índice FTSE MIB registrou queda de 0,40%, para 20.699,70 pontos. As negociações para o orçamento do próximo ano fiscal italiano, cujos gastos podem ser pressionados após a queda da ponte de Gênova e violar as normas da União Europeia (UE), ainda preocupam investidores.

Também foram destaque as ações da Fiat Chrysler, que oscilaram durante as negociações e fecharam em queda de 1,20% após relatos de que ela poderia ser comprada pela empresa americana de private equity KKR. (Com informações da Dow Jones Newswires)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados