Fechar
Publicidade

Domingo, 21 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Triplica número de milionários na corrida presidencial deste ano

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Fim do financiamento privado fez surgir mais candidatos capazes de autoprover campanha ao Palácio do Planalto


Raphael Rocha

19/08/2018 | 07:39


Esta será a primeira corrida presidencial com a proibição de utilização de recursos empresariais nas campanhas e esse limitador já provocou aumento no número de presidenciáveis milionários no pleito. Se em 2014 somente três candidatos declararam patrimônio que superava a casa do R$ 1 milhão, agora são nove com soma de bens milionária, três vezes mais.

Em números absolutos, os dados são ainda mais impressionantes. A soma de todas as posses dos 11 presidenciáveis de quatro anos atrás – quando a regra da doação privada estava vigente – atingiu R$ 11,2 milhões. Agora, esse mesmo cálculo alcança a marca de R$ 833,7 milhões, uma alta de 7.368% (confira arte abaixo).

O volume é acrescido consideravelmente por duas candidaturas de figuras ligadas ao mercado financeiro. Diretor e integrante de diversas instituições bancárias – entre elas o Itaú-BBA –, João Amoêdo (Novo) declarou ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) fortuna na ordem de R$ 425,1 milhões. Ex-ministro da Fazenda e ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles (MDB) também comandou o BankBoston e, à Justiça Eleitoral, informou ter R$ 377,5 milhões em posses.

Completam a lista de milionários nesta eleição João Goulart Filho (PPL), com R$ 8,6 milhões; Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com R$ 7,9 milhões; José Maria Eymael (DC), com R$ 6,1 milhões; Alvaro Dias (Podemos), com R$ 2,9 milhões; Jair Bolsonaro (PSL), com R$ 2,3 milhões; Ciro Gomes (PDT), R$ 1,7 milhão; e Geraldo Alckmin (PSDB), com R$ 1,4 milhão.

“É o reparo que se fazia quando da decisão tomada (de vetar o financiamento privado da campanha). Ao meu ver, foi de forma um tanto precipitada, muito no clamor da pressão da opinião pública e da mídia, que se proibiu doações de empresas, e que pode gerar, como acredito que tem gerado, distorções razoavelmente grandes. Embora possa ter contribuição das pessoas físicas, a tendência é que se reduza o espaço, margem de manobra daquelas campanhas que o candidato não tem patrimônio, e não tem como se autofinanciar. Então, aquele que tem poder de autofinanciamento grande, em tese, possui certa vantagem”, analisa o professor Rui Tavares Maluf, mestre em Ciência Política.

Há quatro anos, apenas Aécio Neves (PSDB), com R$ 2,5 milhões, Dilma Rousseff (PT), com R$ 1,7 milhão, e Eymael, com R$ 5,1 milhões, eram os presidenciáveis milionários. Por outro lado, as campanhas do tucano e da petista, que foram ao segundo turno, consumiram, oficialmente R$ 577,6 milhões – esse valor, porém, é contestado, já que empreiteiras admitiram pagamento de caixa dois para turbinar esses projetos eleitorais.

A escolha por candidatos que possam autofinanciar suas campanhas se tornou estratégica aos partidos políticos. Isso porque, como o País não tem cultura disseminada de doação de pessoa física para as empreitadas eleitorais, os projetos políticos são custeados basicamente por recursos do Fundo Partidário – R$ 1,7 bilhão dividido proporcionalmente para 35 legendas. Ou seja, o presidenciável paga a conta e o dinheiro público pode ser utilizado pela legenda para auxiliar candidaturas a deputados pelo País (um dos critérios para acesso maior ao fundo).

A definição do vice também passou a ser estratégica para o ponto de vista financeiro. Alvaro Dias, por exemplo, convidou Paulo Rabello de Castro (PSC), ex-presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), para compor a chapa. O social-cristão declarou ter R$ 12,9 milhões em patrimônio. Em 2014, o vice com maior volume de bens era justamente o atual presidente da República, Michel Temer (MDB). Número dois da chapa de Dilma, o emedebista informou possuir R$ 7,5 milhões em posses.

“Com as empresas, por contraditório que seja, dava aos que tinham menos recursos mais condições de arrecadar. E justamente agora corre-se risco de ter distorções muito maior, entre aqueles que tem patrimônio elevado e os que não tem”, aponta Tavares Maluf. “Mas não digo que, necessariamente, o atual quadro é de todo ruim, porque como passa a ter possibilidade de chegar a audiência maior, via online, redes sociais, por exemplo, não precisam empregar tantos recursos, mas isso é teórico. Estamos num quadro muito recente de campanhas dentro desta situação. Mas o que parece é que possa acontecer.”

GOVERNADORES
O crescimento no volume de bens também foi registrado entre candidatos ao governo de São Paulo. Embora o número de postulantes milionários seja o mesmo de quatro anos atrás – três –, houve alta considerável no valor da soma dos patrimônios.

Se em 2014, todos os candidatos juntos informaram à Justiça terem R$ 23,2 milhões, agora essa quantia é de R$ 225,3 milhões. O acréscimo é puxado muito pela declaração do ex-prefeito da Capital e candidato do PSDB ao Palácio dos Bandeirantes, João Doria – o tucano disse possuir R$ 189,8 milhões. Em segundo lugar aparece o presidente licenciado da Fiesp, Paulo Skaf (MDB), com R$ 23,8 milhões. Rogério Chequer (Novo) fecha a lista dos atuais milionários, com R$ 9 milhões.

O salto de uma eleição para a outra foi de 868,41%. Curiosamente, Doria e Skaf lideram as pesquisas de intenções de voto ao governo do Estado. Por outro lado, Amoêdo e Meirelles estão muito longe do topo em levantamentos eleitorais presidenciais.
(Colaborou Fábio Martins) 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Triplica número de milionários na corrida presidencial deste ano

Fim do financiamento privado fez surgir mais candidatos capazes de autoprover campanha ao Palácio do Planalto

Raphael Rocha

19/08/2018 | 07:39


Esta será a primeira corrida presidencial com a proibição de utilização de recursos empresariais nas campanhas e esse limitador já provocou aumento no número de presidenciáveis milionários no pleito. Se em 2014 somente três candidatos declararam patrimônio que superava a casa do R$ 1 milhão, agora são nove com soma de bens milionária, três vezes mais.

Em números absolutos, os dados são ainda mais impressionantes. A soma de todas as posses dos 11 presidenciáveis de quatro anos atrás – quando a regra da doação privada estava vigente – atingiu R$ 11,2 milhões. Agora, esse mesmo cálculo alcança a marca de R$ 833,7 milhões, uma alta de 7.368% (confira arte abaixo).

O volume é acrescido consideravelmente por duas candidaturas de figuras ligadas ao mercado financeiro. Diretor e integrante de diversas instituições bancárias – entre elas o Itaú-BBA –, João Amoêdo (Novo) declarou ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) fortuna na ordem de R$ 425,1 milhões. Ex-ministro da Fazenda e ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles (MDB) também comandou o BankBoston e, à Justiça Eleitoral, informou ter R$ 377,5 milhões em posses.

Completam a lista de milionários nesta eleição João Goulart Filho (PPL), com R$ 8,6 milhões; Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com R$ 7,9 milhões; José Maria Eymael (DC), com R$ 6,1 milhões; Alvaro Dias (Podemos), com R$ 2,9 milhões; Jair Bolsonaro (PSL), com R$ 2,3 milhões; Ciro Gomes (PDT), R$ 1,7 milhão; e Geraldo Alckmin (PSDB), com R$ 1,4 milhão.

“É o reparo que se fazia quando da decisão tomada (de vetar o financiamento privado da campanha). Ao meu ver, foi de forma um tanto precipitada, muito no clamor da pressão da opinião pública e da mídia, que se proibiu doações de empresas, e que pode gerar, como acredito que tem gerado, distorções razoavelmente grandes. Embora possa ter contribuição das pessoas físicas, a tendência é que se reduza o espaço, margem de manobra daquelas campanhas que o candidato não tem patrimônio, e não tem como se autofinanciar. Então, aquele que tem poder de autofinanciamento grande, em tese, possui certa vantagem”, analisa o professor Rui Tavares Maluf, mestre em Ciência Política.

Há quatro anos, apenas Aécio Neves (PSDB), com R$ 2,5 milhões, Dilma Rousseff (PT), com R$ 1,7 milhão, e Eymael, com R$ 5,1 milhões, eram os presidenciáveis milionários. Por outro lado, as campanhas do tucano e da petista, que foram ao segundo turno, consumiram, oficialmente R$ 577,6 milhões – esse valor, porém, é contestado, já que empreiteiras admitiram pagamento de caixa dois para turbinar esses projetos eleitorais.

A escolha por candidatos que possam autofinanciar suas campanhas se tornou estratégica aos partidos políticos. Isso porque, como o País não tem cultura disseminada de doação de pessoa física para as empreitadas eleitorais, os projetos políticos são custeados basicamente por recursos do Fundo Partidário – R$ 1,7 bilhão dividido proporcionalmente para 35 legendas. Ou seja, o presidenciável paga a conta e o dinheiro público pode ser utilizado pela legenda para auxiliar candidaturas a deputados pelo País (um dos critérios para acesso maior ao fundo).

A definição do vice também passou a ser estratégica para o ponto de vista financeiro. Alvaro Dias, por exemplo, convidou Paulo Rabello de Castro (PSC), ex-presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), para compor a chapa. O social-cristão declarou ter R$ 12,9 milhões em patrimônio. Em 2014, o vice com maior volume de bens era justamente o atual presidente da República, Michel Temer (MDB). Número dois da chapa de Dilma, o emedebista informou possuir R$ 7,5 milhões em posses.

“Com as empresas, por contraditório que seja, dava aos que tinham menos recursos mais condições de arrecadar. E justamente agora corre-se risco de ter distorções muito maior, entre aqueles que tem patrimônio elevado e os que não tem”, aponta Tavares Maluf. “Mas não digo que, necessariamente, o atual quadro é de todo ruim, porque como passa a ter possibilidade de chegar a audiência maior, via online, redes sociais, por exemplo, não precisam empregar tantos recursos, mas isso é teórico. Estamos num quadro muito recente de campanhas dentro desta situação. Mas o que parece é que possa acontecer.”

GOVERNADORES
O crescimento no volume de bens também foi registrado entre candidatos ao governo de São Paulo. Embora o número de postulantes milionários seja o mesmo de quatro anos atrás – três –, houve alta considerável no valor da soma dos patrimônios.

Se em 2014, todos os candidatos juntos informaram à Justiça terem R$ 23,2 milhões, agora essa quantia é de R$ 225,3 milhões. O acréscimo é puxado muito pela declaração do ex-prefeito da Capital e candidato do PSDB ao Palácio dos Bandeirantes, João Doria – o tucano disse possuir R$ 189,8 milhões. Em segundo lugar aparece o presidente licenciado da Fiesp, Paulo Skaf (MDB), com R$ 23,8 milhões. Rogério Chequer (Novo) fecha a lista dos atuais milionários, com R$ 9 milhões.

O salto de uma eleição para a outra foi de 868,41%. Curiosamente, Doria e Skaf lideram as pesquisas de intenções de voto ao governo do Estado. Por outro lado, Amoêdo e Meirelles estão muito longe do topo em levantamentos eleitorais presidenciais.
(Colaborou Fábio Martins) 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;