Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

União desmente Paço de Diadema sobre alta em nota de risco

 Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Governo Lauro divulga que elevou nível de confiança do município, mas órgão diz que rating ainda é C


Junior Carvalho

11/08/2018 | 07:36


A STN (Secretaria do Tesouro Nacional), vinculada ao Ministério da Fazenda, informou que o governo do prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), mentiu ao divulgar publicamente que o município elevou sua nota de risco de crédito junto à União. Na quarta-feira, a Prefeitura divulgou em seu site oficial que o rating do município saltou de C para B, fato negado pelo órgão.

Ao Diário, a STN confirmou que a classificação da administração continua C, mas destacou que a nota definitiva só é obtida quando o município solicita contratação de empréstimo. O índice é um dispositivo legal utilizado pela União para medir a capacidade de pagamento de determinado ente da Federação ao avalizar ou não obtenção de um crédito interno ou externo. O nível C indica risco de inadimplência de prefeituras ou de governos estaduais.

O texto publicado pela assessoria de imprensa do Paço diz ainda que a mesma nota foi elevada também junto à Caixa Econômica Federal. A instituição não quis confirmar tal dado, alegando que “não comenta informações de operações de crédito de tomadores individuais”. Porém, só informa ao município sobre o grau de capacidade de pagamento quando o governo pleiteia empréstimo de recursos. No sistema eletrônico do Tesouro Nacional, o último pedido de Diadema para crédito ocorreu em 2012, quando o prefeito era Mário Reali (PT).

Publicada tanto no site oficial (www.diadema.sp.gov.br)quanto no perfil do Paço no Facebook, a matéria editada pelo governo Lauro (veja ao lado) não diz como o município obteve a informação de elevação de crédito e cita que “uma das metas do prefeito Lauro Michels é viabilizar (financiamento por intermédio da Caixa para tirar do papel) construção de outro hospital municipal”, em substituição ao precário atual Hospital Municipal, em Piraporinha.

O projeto solicitando permissão da Câmara para contrair empréstimo na ordem de R$ 125 milhões junto à Caixa para viabilizar o equipamento chegou ao Legislativo em dezembro do ano passado e ainda não foi avalizado porque não encontra consenso nem na base aliada. “A Prefeitura elaborou o projeto básico para a construção do complexo hospitalar em uma área própria, conseguiu o financiamento com a Caixa Econômica Federal, devido ao aumento da nota do rating e enviou a minuta do projeto para apreciação da Câmara em dezembro de 2017. Até o momento o projeto não foi para votação”, diz Lauro, no texto.

Ao Diário, o Paço declarou que a elevação de crédito “de C para B” foi passada pela própria Caixa Econômica, sem dar mais detalhes. A Prefeitura mostrou ainda documento da Caixa que indica a elevação do rating. Entretanto, demonstrou que cometeu outro equívoco: a certidão atribuída ao banco indica que a nota é B-, cujo risco de crédito é médio, e não B, em que a desconfiança de calote é baixa.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

União desmente Paço de Diadema sobre alta em nota de risco

Governo Lauro divulga que elevou nível de confiança do município, mas órgão diz que rating ainda é C

Junior Carvalho

11/08/2018 | 07:36


A STN (Secretaria do Tesouro Nacional), vinculada ao Ministério da Fazenda, informou que o governo do prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), mentiu ao divulgar publicamente que o município elevou sua nota de risco de crédito junto à União. Na quarta-feira, a Prefeitura divulgou em seu site oficial que o rating do município saltou de C para B, fato negado pelo órgão.

Ao Diário, a STN confirmou que a classificação da administração continua C, mas destacou que a nota definitiva só é obtida quando o município solicita contratação de empréstimo. O índice é um dispositivo legal utilizado pela União para medir a capacidade de pagamento de determinado ente da Federação ao avalizar ou não obtenção de um crédito interno ou externo. O nível C indica risco de inadimplência de prefeituras ou de governos estaduais.

O texto publicado pela assessoria de imprensa do Paço diz ainda que a mesma nota foi elevada também junto à Caixa Econômica Federal. A instituição não quis confirmar tal dado, alegando que “não comenta informações de operações de crédito de tomadores individuais”. Porém, só informa ao município sobre o grau de capacidade de pagamento quando o governo pleiteia empréstimo de recursos. No sistema eletrônico do Tesouro Nacional, o último pedido de Diadema para crédito ocorreu em 2012, quando o prefeito era Mário Reali (PT).

Publicada tanto no site oficial (www.diadema.sp.gov.br)quanto no perfil do Paço no Facebook, a matéria editada pelo governo Lauro (veja ao lado) não diz como o município obteve a informação de elevação de crédito e cita que “uma das metas do prefeito Lauro Michels é viabilizar (financiamento por intermédio da Caixa para tirar do papel) construção de outro hospital municipal”, em substituição ao precário atual Hospital Municipal, em Piraporinha.

O projeto solicitando permissão da Câmara para contrair empréstimo na ordem de R$ 125 milhões junto à Caixa para viabilizar o equipamento chegou ao Legislativo em dezembro do ano passado e ainda não foi avalizado porque não encontra consenso nem na base aliada. “A Prefeitura elaborou o projeto básico para a construção do complexo hospitalar em uma área própria, conseguiu o financiamento com a Caixa Econômica Federal, devido ao aumento da nota do rating e enviou a minuta do projeto para apreciação da Câmara em dezembro de 2017. Até o momento o projeto não foi para votação”, diz Lauro, no texto.

Ao Diário, o Paço declarou que a elevação de crédito “de C para B” foi passada pela própria Caixa Econômica, sem dar mais detalhes. A Prefeitura mostrou ainda documento da Caixa que indica a elevação do rating. Entretanto, demonstrou que cometeu outro equívoco: a certidão atribuída ao banco indica que a nota é B-, cujo risco de crédito é médio, e não B, em que a desconfiança de calote é baixa.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;