Fechar
Publicidade

Sábado, 17 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe 1,75% no dia e 4,32% na semana com cenário externo e eleitoral

Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


10/08/2018 | 18:28


O mercado de câmbio brasileiro não ficou imune à nova onda global de aversão ao risco e levou o dólar a uma alta expressiva nesta sexta-feira, 9, avançando no patamar dos R$ 3,80. A crise em torno da Turquia fez a lira derreter no mercado internacional, levando o dólar a se fortalecer globalmente. No Brasil, também pesaram as dúvidas quanto à corrida eleitoral, uma dia após o primeiro debate de presidenciáveis na TV, que foi considerado morno.

Nesse cenário de cautela e busca por proteção, o dólar negociado no Brasil terminou o dia em alta de 1,75%, cotado a R$ 3,8681 no mercado à vista. É a maior cotação desde 12 de julho. Os negócios somaram US$ 868,2 milhões. No acumulado da semana, houve alta de 4,32%, favorecida em grande parte pelo aumento do clima de especulação com o cenário político.

O aumento da crise financeira na Turquia se deu após o presidente Recep Tayyip Erdogan pedir à população para trocar dólares, euros e ouro por liras e afirmar que seu país não elevará os juros, reforçando os temores de interferência política no banco central. A decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de dobrar tarifas sobre aço e alumínio da Turquia contribuiu para piorar a crise cambial no país.

Mas o cenário internacional não foi o único fator de alta do dólar, disseram profissionais de câmbio consultados à tarde. O desempenho de Geraldo Alckmin (PSDB) no debate eleitoral promovido ontem pela TV Bandeirantes foi considerado "mais do mesmo", sem mudança de posicionamento do tucano que o tornasse mais palatável ao público menos esclarecido. Pesquisas regionais encomendadas por empresas financeiras também continuam a mostrar Alckmin estagnado, enquanto o deputado Jair Bolsonaro (PSL) cresce.

"O mercado espera um candidato de perfil reformista e que tenha governabilidade. Alckmin é quem mais se aproxima disso, mas demonstra dificuldade na comunicação com o grande público", disse Fernanda Consorte, estrategista de câmbio da Ourinvest. "O debate de ontem chancelou essa situação, com o candidato utilizando termos difíceis de atingir a população. Esse fato já seria suficiente para levar o dólar a uma alta hoje", afirmou a profissional.

O operador da Advanced Corretora Alessandro Faganello concorda que o cenário político também teria justificado por si só uma alta do dólar nesta sexta-feira. E ele chama a atenção para a alta acumulada na semana, que teve forte componente político, com intensificação de rumores. Para ele, apesar da forte elevação, o mercado não espera a volta das intervenções do Banco Central por ora. "Embora o BC não indique patamares de piso e teto, as últimas atuações aconteceram com a cotação perto de R$ 3,95", disse.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;