Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Meninos trocam vulnerabilidade nas ruas e aprendem a salvar vidas no quartel

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Caroline Garcia
Do Diário OnLine

10/08/2018 | 11:51


Acanhado e de voz baixa, Wemblay talvez não tenha noção do seu feito no auge dos seus 14 anos. “Meu sobrinho estava engasgando com um pedaço de carne e eu consegui salvá-lo com a instrução que tivemos aqui.” O ensinamento em questão foi a manobra de Heimlich, técnica de primeiros socorros realizada em casos de asfixia, na qual Wemblay Santos de Paula, hoje com 15 anos, aprendeu no programa Bombeiro Mirim e aplicou na criança de 4 anos. E salvou sua vida. “Todo mundo ficou feliz”, diz com simplicidade o jovem morador da Vila Assis, em Mauá.

Os irmãos Victor Aurélio Lima dos Santos, 13, e Marlos Aurélio dos Santos, 14, têm a ciência de que se não estivessem frequentando o programa toda a tarde – onde ''''''''batem carteirinha'''''''' há quatro anos –, eles estariam perambulando pelo Zaíra 4, onde moram. “Nossa mãe nos colocou aqui para tirar a gente da rua”, contam. Ambos querem seguir carreira no Corpo de Bombeiros. Wemblay quer ser policial.

Não que essa seja a principal função, mas se vestir com um uniforme bem parecido com o da Corporação e aprender diversas técnicas utilizadas para salvar vidas dentro de um quartel de verdade despertam tal interesse pela profissão em quase todos os meninos que frequentam o Bombeiro Mirim, em Mauá.
Este ano, a ação socioeducativa completa 25 anos e atende cerca de 100 crianças e jovens de 9 a 15 anos em situação de vulnerabilidade social ou que tenham seus direitos desrespeitados de alguma forma. “Há três maneiras de se chegar até o programa: via CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) e abrigos municipais. Em todos os casos as crianças e as famílias passam por avaliações psicológicas antes de serem encaminhadas”, explica o coordenador do Bombeiro Mirim, Diego Lima Nunes.

O programa funciona com uma parceira entre a Prefeitura e o Corpo de Bombeiros. A Corporação é responsável pelos ensinamentos de primeiros socorros, prevenção de acidentes domésticos, uso de extintor, confecção de cadeirinha para resgate e funcionamento da viatura.

Já o Paço arca com o custo dos funcionários – ao todo são 11, entre educadores, assistente social, merendeiras e manutenção – e alimentação. As crianças recebem duas refeições diárias.

Além da parte prática, os profissionais também fazem trabalhos com temas transversais, como saúde, educação, prevenção de drogas e álcool, higiene e violência. “Temos também a exigência de que para frequentar o programa é preciso estar matriculado e frequentar regularmente a escola”, diz Nunes. Há turmas da manhã, das 8h às 11h, e da tarde, das 13h às 16h.

Segundo o coordenador, não há um tempo fixo para que os jovens bombeiros permaneçam na ação. “Trabalhamos junto às famílias e aos centros de assistência. Se a vulnerabilidade for superada e os vínculos familiares foram restabelecidos, as crianças já estão aptas a ir embora. E, dessa forma, conseguimos abrir vagas e ajudar mais meninos.”

Meninas ainda não têm vez
Em uma realidade onde a igualdade de gênero é cada vez mais debatida, o programa Bombeiro Mirim segue na contramão e ainda não aceita meninas. Disparidade, no entanto, que está sendo debatida pela Administração municipal.

A explicação para a falta de diversidade é que quando o programa foi criado, em 1993, ainda não era muito comum ter mulheres exercendo a profissão de bombeira. Não há nem vestuário feminino no espaço onde hoje funciona o projeto, em um anexo dentro do Posto de Bombeiro da Vila Noêmia.

“Queremos mudar essa realidade. Estamos para receber uma verba destinada à proteção básica e vamos fazer um estudo orçamentário para readequação do espaço físico e queremos ainda abrir mais 20 vagas. E se tiver essa demanda, serão 20 meninas”, diz a secretária de Promoção Social, Rosi de Marco.

Enquanto isso, os meninos vão ganhando gosto pela profissão e aumentando o efetivo da Corporação. Segundo a Prefeitura, em seus 25 anos de existência, o Bombeiro Mirim formou aproximadamente 1.300 jovens e ao menos 200 deles seguiram carreira que escolheram desde pequenos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;