Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

CPI acha pomba morta e remédios vencidos no Hospital Nardini

Claudinei Plaza/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Deputados fazem vistoria surpresa no complexo de Mauá; equipamento estava sem comando


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

10/08/2018 | 07:00


Integrantes da CPI que investiga irregularidades em contratos das Prefeituras paulistas com OSs (Organizações Sociais) de Saúde encontraram pomba morta e pilha de remédios vencidos em um dos andares do Hospital de Clínicas Doutor Radamés Nardini, em Mauá. O flagra foi feito ontem pela manhã, durante vistoria surpresa no hospital. A equipe de reportagem do Diário testemunhou o fato.<EM>

O animal estava jogado próximo a uma janela em uma das salas do quarto andar do equipamento. A área está totalmente isolada há pelo menos três anos por conta da reforma, iniciada em 2015 e que está paralisada. Numa sala ao lado estavam várias caixas de medicamentos vencidos, em meio a equipamentos hospitalares e mobiliários abandonados.

Os deputados Edmir Chedid (DEM) e Carlos Neder (PT), presidente e sub-relator da CPI, respectivamente, chegaram ao hospital às 11h e também encontraram a unidade sem superintendente, já que o então titular do posto, Antônio Carlos Marques, pediu demissão há mais de um mês. O cargo continua vago.

Os parlamentares foram recepcionados pela diretora técnica do hospital Adlin Savino Veduato e, apesar de solicitarem a ida de um representante da FUABC (Fundação do ABC), responsável pela gestão do hospital, a entidade não enviou emissários para conversar com os deputados. Se apresentando como advogado de carreira da FUABC, Sandro Tavares foi até o local “apenas como advogado” e não como “representante legal” da entidade. “Ficamos preocupados com a planta física do hospital, existem áreas que estão deterioradas. A situação gritante do quarto andar, que há anos aguarda uma solução, exige uma providência urgente”, criticou Neder.

Secretário adjunto de Saúde do município, Wladimir Stephani garantiu que a administração retomará as intervenções no local e estimou que a licitação para contratação de nova empresa para tocar a obra seja colocada na rua em 15 dias.

A CPI deu dez dias, a contar de ontem, para que a FUABC e o Paço de Mauá forneçam série de documentos, como contrato em vigência, valor da dívida – a entidade reivindica R$ 123 milhões da Prefeitura por serviços supostamente prestados e não pagos. Os parlamentares também anteciparam que vão investigar as demissões em massa durante a gestão do hoje prefeito afastado Atila Jacomussi (PSB).

CONFUSÃO - A vistoria surpresa também acabou em voz de prisão ao funcionário Jefferson Daniel Domingues Ribeiro, que tentou impedir a entrada dos parlamentares e da imprensa nas dependências do hospital mesmo depois de os deputados se apresentarem na recepção como representantes da comissão. Ele foi liberado posteriormente, mas a Prefeitura de Mauá e a FUABC prometeram investigar a conduta do funcionário.

Também sobrou para o ex-prefeito interino Diniz Lopes (PSB). Os deputados aguardavam a chegada de integrantes da direção do equipamento e da FUABC, quando o socialista apareceu no local se apresentando como representante da prefeita interina Alaíde Damo (MDB). “Ela me ligou e pediu que eu viesse acompanhar a visita”, alegou. Ocorre que o fato de Diniz não ser funcionário oficial da Prefeitura, somado às interrupções do ex-prefeito interino durante as falas dos deputados, irritou os integrantes da CPI, que chegaram a interrogá-lo. “Perdão”, respondeu Diniz.

OUTRO LADO - Por meio de nota, o governo Alaíde se limitou a dizer que está “fazendo uma reestruturação da Saúde no município, de acordo com a realidade financeira da cidade”.

Já a FUABC afirmou que não foi avisada sobre a vistoria, mas que é “totalmente favorável aos trabalhos” da comissão. “A comitiva foi recebida e acompanhada pela diretora técnica da unidade, que é médica e está apta a responder todos os questionamentos sobre o funcionamento do equipamento de saúde que ela dirige.”

Sobre a presença da pomba morta e os medicamentos vencidos, a Fundação alegou que o quarto andar “está totalmente desativado, sem o acesso de pacientes e funcionários” e que o local é “higienizado periodicamente e dedetizado uma vez por mês”. “No caso dos medicamentos, são itens que foram doados ao hospital já perto do prazo de validade e o descarte já está em andamento. No entanto, o descarte está sendo feito de maneira gradual, pois esse processo gera custos para o Hospital Nardini e o momento atual é justamente de contenção de despesas. O armazenamento desses medicamentos vencidos e em fase de descarte é feito no quarto andar, um espaço que está totalmente desativado. Não há nenhuma possibilidade desses produtos serem utilizados na rotina do hospital.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados