Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

A vez dos invisíveis

Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Filme ‘sem rotúlo’ chega aos cinemas com protagonistas que representam os ‘comuns’ da sociedade


Marcela Munhoz

09/08/2018 | 07:00


 Uma dona de lavanderia, um taxista, um desempregado e uma babá. Que lugar do mundo essas quatro pessoas, que se misturam facilmente às multidões, seriam protagonistas de uma grande e importante história? É justamente sobre elas o texto da peça do roteirista Fernando Ceylão. Ele quis presentear essas personalidades tão comuns com os papéis principais da trama. O espetáculo foi adaptado e o filme Como é Cruel Viver Assim chega aos cinemas na próxima quinta-feira.

A obra tem como pano de fundo o planejamento de um sequestro. Vladimir, Clívia, Regina e o Primo são pessoas oprimidas pela sociedade que enxergam no ‘dinheiro fácil e ilegal’ a resolução dos seus problemas. Só que não. Apesar de ter um crime no roteiro, de acordo com a diretor Julia Rezende (Meu Passado Me Condena, De Pernas Pro Ar), está longe de ser só sobre isso. Ela não queria fazer algo violento, mas sobre relacionamentos humanos e dores particulares.

“Os personagens são tão complexos que vão abrindo parenteses e se perdem ao se preocupar com pequenas coisas. Existem diversas reflexões espalhadas pela história, não apenas uma bandeira. O espectador atento vai notar isso”, explica Julia, ao Diário. Ela se inspirou em Quentin Tarantino, com suas narrativas não-lineares.Também manteve a característica dos diálogos verborrágicos, uso de quantidade excessiva de palavras e de enorme fluência.

Para a atriz Fabiula Nascimento (Clívia), os quarto amigos estão, simplesmente, desesperados. “A verdade é que eles não têm perspectiva alguma de vida”, resume. Clívia, por exemplo, já namorou bandido e agora só quer ter rotina tranquila. “Mas vai fazer tudo o que o marido desejar, por amor”, explica. Vladimir (Marcelo Valle) justifica a ânsia pelo dinheiro dizendo que precisa fazer algo grande em sua vida, para variar. “É um filme de coração aberto, sobre pessoas que não são vistas por ninguém e acabam se desconectando de si mesmas”, analisa.

Para todos os envolvidos, Como é Cruel Viver Assim extrapola até o limite dos rótulos, dos gêneros. “Precisamos parar de ver a arte por apenas uma perspectiva. A história ganha carga trágica que vai para além do humor”, analisa Debora Lamm (Regina). “O humor talvez seja a forma mais clara e bondosa de falar sobre assuntos tão delicados”, completa Milhem Cortaz (Flávio). Ele faz um bandido que tem tudo, menos amor, amigos. “Apesar de a autoestima dele estar lá em cima, é um cara triste, sozinho.”

Por retratar sentimentos tão comuns a essa parcela invisível da sociedade, o ator Silvio Guindane (Primo) acredita que a identificação das pessoas será muito potente. “Os personagens vivem angústias, são empurrados pela sociedade. E cada um tem uma motivação, mas a necessidade de ser sujeito da própria vida é algo que une a todos. O filme retrata bem essa obrigação de queremos o tempo todo ter as coisas, de sermos amados. Definitivamente tem muito a ver com o momento que a sociedade, especialmente, a brasileira está vivendo”, conclui.

Realmente o longa-metragem é um filme diferente. Às vezes, parece completamente desconexo e estranho. É confuso mesmo, o que pode fazer o espectador perder um pouco o foco da história, mas merece ser olhado com carinho, justamente pela ousadia de propor algo maior, que vai além das salas de cinema.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

A vez dos invisíveis

Filme ‘sem rotúlo’ chega aos cinemas com protagonistas que representam os ‘comuns’ da sociedade

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, acesse com:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;