Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 14 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Abit reduz projeção para crescimento do setor de vestuário, de 2,5% para até 1%

Arquivo/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


08/08/2018 | 16:40


A greve dos caminhoneiros e as temperaturas que demoraram a baixar no inverno afetaram negativamente as vendas de vestuário no Brasil e fizeram a Associação Brasileira de Indústria Têxtil (Abit) rever estimativas para o ano. A entidade reduziu a expectativa para o crescimento da produção de vestuário no País, saindo de uma projeção de alta de 2,5% para um crescimento entre 0,4% a 1%.

A expectativa para 2018 representa uma freada ante os 3,5% de crescimento na produção registrados em 2017, ano em que o setor produziu 5,9 bilhões de peças.

"Iniciamos o ano com uma visão mais favorável do que a que se confirmou neste primeiro semestre, quando tivemos um inverno pouco contundente e as vendas do varejo foram impactadas pela greve dos caminhoneiros e a Copa do Mundo", afirmou a jornalistas o presidente da Abit, Fernando Pimentel. "Vamos ter que recuperar terreno perdido no segundo semestre", disse.

Para ele, a paralisação de caminhoneiros foi um "desastre" porque gerou perda de itens produzidos e que não chegaram aos pontos de venda. Já a Copa do Mundo tem impacto negativo porque reduz o fluxo de consumidores no varejo em dias de jogos e concentra a atenção do consumidor no varejo de bens duráveis, com destaque para a venda de televisores.

Na primeira metade do ano, a produção de vestuário encolheu 3,8% no Brasil, de acordo com a Abit. O recuo está em linha com a piora no consumo doméstico de peças de roupa. Os dados da Abit indicam que o varejo de vestuário encolheu 3,5% entre janeiro e maio deste ano ante iguais meses de 2017.

Apesar da queda esperada no volume produzido, a Abit considera que a inflação de custos gerou reajustes de preço, com o faturamento sendo mantido. A entidade ainda espera que o setor têxtil e de confecção fature R$ 154 bilhões este ano ante R$ 144 bilhões registrados no ano passado. "É um reajuste de preço, mas que não recompõe margem", diz Pimentel. "Corresponde apenas a uma alta de custos", concluiu.

A avaliação da entidade é que uma recuperação pode ocorrer em 2019. "Concluída as eleições, teremos uma maior clareza do cenário, o que nos remete a imaginar que a produção volte a crescer na ordem de 3% ao ano, assim como o varejo", concluiu o presidente da Abit.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Abit reduz projeção para crescimento do setor de vestuário, de 2,5% para até 1%


08/08/2018 | 16:40


A greve dos caminhoneiros e as temperaturas que demoraram a baixar no inverno afetaram negativamente as vendas de vestuário no Brasil e fizeram a Associação Brasileira de Indústria Têxtil (Abit) rever estimativas para o ano. A entidade reduziu a expectativa para o crescimento da produção de vestuário no País, saindo de uma projeção de alta de 2,5% para um crescimento entre 0,4% a 1%.

A expectativa para 2018 representa uma freada ante os 3,5% de crescimento na produção registrados em 2017, ano em que o setor produziu 5,9 bilhões de peças.

"Iniciamos o ano com uma visão mais favorável do que a que se confirmou neste primeiro semestre, quando tivemos um inverno pouco contundente e as vendas do varejo foram impactadas pela greve dos caminhoneiros e a Copa do Mundo", afirmou a jornalistas o presidente da Abit, Fernando Pimentel. "Vamos ter que recuperar terreno perdido no segundo semestre", disse.

Para ele, a paralisação de caminhoneiros foi um "desastre" porque gerou perda de itens produzidos e que não chegaram aos pontos de venda. Já a Copa do Mundo tem impacto negativo porque reduz o fluxo de consumidores no varejo em dias de jogos e concentra a atenção do consumidor no varejo de bens duráveis, com destaque para a venda de televisores.

Na primeira metade do ano, a produção de vestuário encolheu 3,8% no Brasil, de acordo com a Abit. O recuo está em linha com a piora no consumo doméstico de peças de roupa. Os dados da Abit indicam que o varejo de vestuário encolheu 3,5% entre janeiro e maio deste ano ante iguais meses de 2017.

Apesar da queda esperada no volume produzido, a Abit considera que a inflação de custos gerou reajustes de preço, com o faturamento sendo mantido. A entidade ainda espera que o setor têxtil e de confecção fature R$ 154 bilhões este ano ante R$ 144 bilhões registrados no ano passado. "É um reajuste de preço, mas que não recompõe margem", diz Pimentel. "Corresponde apenas a uma alta de custos", concluiu.

A avaliação da entidade é que uma recuperação pode ocorrer em 2019. "Concluída as eleições, teremos uma maior clareza do cenário, o que nos remete a imaginar que a produção volte a crescer na ordem de 3% ao ano, assim como o varejo", concluiu o presidente da Abit.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;