Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 14 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Maduro culpa a direita e a Colômbia por tentativa de atentado em Caracas

Twitter Nicolas Maduro/Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

No sábado, drones carregados com explosivos atacaram as redondezas do local onde ele discursava



05/08/2018 | 08:55


O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, responsabilizou grupos de direita do país e do exterior e o governo da Colômbia pelo que Caracas tem chamado de tentativa de assassinato contra o mandatário.

No final da tarde deste sábado, 4, drones carregados com explosivos atacaram as redondezas do local em que em Maduro discursava. O evento era um ato oficial com as forças armadas e ocorria no centro da capital venezuelana. Duas pessoas foram presas e sete militares ficaram feridos.

"Tentaram me matar no dia de hoje (ontem)", disse Maduro na noite de ontem, em discurso no palácio do governo.

O governo da Colômbia rechaçou a acusação de Maduro de que o presidente Juan Manuel Santos seria articulador do atentado. "Já é costume que Maduro culpe a Colômbia de qualquer tipo de situação que ocorra internamente", afirmou a nota da chancelaria de Bogotá.

Além dos vizinhos colombianos, Maduro disse ontem à noite que alguns dos responsáveis pelo atentado estão na Flórida e afirmou que espera que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, colabore no combate a "grupos terroristas que pretendem assassinar presidentes".

"É claramente um desespero da direita por causa das medidas econômicas que estamos implantando", disse Maduro.

Na semana passada, o país detalhou o plano de reconversão monetária. A medida prevê a eliminação de cinco zeros do bolívar a partir de 20 de agosto e a retirada de restrições de operações cambiais. O objetivo é atacar a inflação galopante.

Apesar das acusações de Maduro, o grupo autodenominado "Soldados de Flanela" postou no Twitter uma mensagem assumindo a responsabilidade do ato. O plano, segundo a organização, era descarregar explosivos C4 contra o palco em que estava o presidente venezuelano, mas que os drones foram abatidos por soldados.

"Demonstramos que eles são vulneráveis. Não conseguimos hoje, mas é uma questão de tempo", disse o grupo. Fonte: Associated Press.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;