Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Balança comercial teve superávit de US$ 5,8 bilhões em junho, diz Icomex da FGV

Marcello Casal Jr/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


19/07/2018 | 08:55


A balança comercial brasileira registrou um superávit de US$ 5,8 bilhões em junho. O resultado levou a um saldo de US$ 30 bilhões no primeiro semestre de 2018, desempenho inferior em US$ 6 bilhões ao registrado em igual período de 2017. Os dados são do Indicador do Comércio Exterior (Icomex), divulgado na manhã desta quinta-feira, 19, pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Em termos de valor, as exportações cresceram 5,7% em junho deste ano ante o mesmo mês do ano passado, enquanto as importações aumentaram 17%. Entre as exportações, o volume recuou 6,2%, mas os preços aumentaram 9%. Quanto às importações, o volume cresceu 4,1%, e os preços subiram 9,2%.

No primeiro semestre de 2018, o volume exportado aumentou 1,1% em relação ao mesmo período de 2017. Já o volume importado avançou 7,2%.

O Icomex tem como objetivo contribuir para a avaliação do nível de atividade econômica do País, por meio da análise mais aprofundada dos resultados das importações e exportações.

Segundo a FGV, os resultados mostram que o efeito da desvalorização do real em relação ao dólar ainda não se fez sentir nos fluxos comerciais, em especial nas importações. A taxa de câmbio real efetivo calculada pelo Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV) registrou uma desvalorização de 11% entre janeiro e junho, o que poderia impactar negativamente as importações.

"O efeito câmbio não é imediato e outros fatores influenciam nos fluxos de comércio. No caso das importações o nível da atividade doméstica é o principal e até maio ainda se esperava crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) na ordem de 2,5/2,8%. A reversão das projeções para valores próximos a 1%, a partir do final do semestre sugere que, além do efeito defasado do câmbio, as importações deverão ter uma maior desaceleração", avaliou a FGV, em nota oficial.

No caso das exportações, o efeito do câmbio ajudou no crescimento de 9,7% das não commodities no primeiro semestre. As commodities tiveram expansão de 2,9% em relação ao primeiro semestre de 2017.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;