Fechar
Publicidade

Domingo, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Cinco entre 8 atividades do varejo registram perdas em maio



12/07/2018 | 10:58


Cinco entre oito atividades do varejo registram perdas em maio de 2018 ante maio de 2017, refletindo os efeitos da paralisação dos caminhoneiros no abastecimento do comércio, segundo os dados da Pesquisa Mensal de Comércio divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O volume vendido subiu 2,7%, a 14ª taxa positiva seguida, impulsionado pelo crescimento de 8,0% no segmento de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo. Segundo o IBGE, o setor foi menos afetado pela paralisação de maio porque manteve a comercialização de itens de necessidade básica e alimentos não perecíveis. A manutenção da massa de renda em circulação no País e a inflação de alimentos ainda comportada ajudam a sustentar o desempenho positivo do setor.

"A despeito das dificuldades no mercado de trabalho, a massa de Renda real vem se mantendo", apontou Isabella Nunes, gerente na Coordenação de Serviços e Comércio no IBGE, lembrando que a apreensão provocada pela crise de desabastecimento também fez algumas famílias correrem às compras para estocar comida em casa.

Os demais avanços ocorreram em Outros artigos de uso pessoal e doméstico (6,9%) e Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (4,5%).

"O segmento de Outros artigos de uso pessoal e doméstico - que inclui lojas de departamento - pode ter algum impacto do Dia das Mães, e o setor farmacêutico e perfumaria é também um segmento de consumo essencial, diário e contínuo", argumentou Isabella.

Por outro lado, houve perdas em Combustíveis e lubrificantes (-7,9%), Móveis e eletrodomésticos (-6,1%), Tecidos, vestuário e calçados(-3,6%), Livros, jornais, revistas e papelaria (-14,0%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-7,9%).

"Choque de oferta desestrutura, não tem nem fornecimento de matéria prima, tem choque de preços. E tem a dificuldade de deslocamento, a dificuldade de funcionários chegarem, ausência e atraso de funcionários. (A greve) Durou 11 dias corridos, oito dias úteis. Então tem impacto na dinâmica das atividades", disse a pesquisadora do IBGE.

No varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, as vendas subiram 2,2% em maio ante maio do ano passado. O volume vendido por veículos subiu também 2,2%, enquanto material de construção recuou 1,9%.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;