Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas da Europa fecham em baixa com guerra comercial entre EUA e China

EBC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


11/07/2018 | 13:54


As principais bolsas da Europa fecharam em baixas de mais de 1% nesta quarta-feira, 11, sob pressão do anúncio de que os Estados Unidos iniciaram os procedimentos para a imposição de tarifas adicionais de 10% sobre US$ 200 bilhões em importações da China, elevando a percepção da gravidade da disputa comercial entre as duas potências em mais alguns degraus.

O índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 1,25%, para os 381,41 pontos. Entre as maiores perdas setoriais estão as dos subíndices de commodities (-3,3%) e de óleo e gás (-2,3%), este último sob pressão dos preços declinantes do petróleo.

Os setores citados acima penalizaram a Bolsa de Londres, cujo FTSE 100 baixou 1,30%, para os 7.591,96 pontos, em parte puxado pelas ações da mineradora Glencore (-4,83%), da siderúrgica EVRAZ (-4,32%) e da petroleira BP (-3,19%). As da tech Micro Focus despencaram 9,17%, uma vez que as barreiras econômicas erguidas pelos EUA se voltam para o que consideram roubo de propriedade intelectual pela China no setor de tecnologia.

Por trás da queda de 1,53% do DAX 30, para os 12.417,13 pontos, na Bolsa de Frankfurt, estão também perdas no setor automotivo, como as dos papéis da Volkswagen (-2,16%) e da Daimler (-2,01%). O movimento sugere que a nova ofensiva de Washington no front comercial aumenta temores de que o presidente americano, Donald Trump, cumpra a ameaça de tarifar carros importados da União Europeia.

Em Milão, o FTSE MIB teve declínio de 1,58%, para os 21.708,06 pontos. Igualmente, ações ligadas a automóveis e autopeças sofreram nesta praça. As da Pirelli desceram 2,21% e as da Fiat Chrysler desabaram 3,05%. Pesou ainda sobre esta última a notícia de que um sindicato de trabalhadores da empresa está marcando uma greve em protesto contra a aquisição do português Cristiano Ronaldo pela Juventus (-5,18%), clube de futebol patrocinado pela Fiat.

Na Bolsa de Paris, o CAC 40 perdeu 1,48%, aos 5.353,93 pontos, encerrando na mínima do dia. A exemplo dos pares em outros mercados, as ações da Renault cederam 2,33%, enquanto as da Peugeot caíram 0,99%.

O Ibex 35, da Bolsa de Madri, teve baixa de 1,57%, para os 9.733,60 pontos, também na mínima. Lá, a siderúrgica ArcelorMittal viu suas ações baixarem 3,81%, sendo acompanhada no território negativo pelos bancos Santander (-2,28%), Banjia (-2,41%) e CaixaBank (-2,47%).

Já o PSI 20, da Bolsa de Lisboa, recuou 0,44%, para os 5.636,79 pontos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas da Europa fecham em baixa com guerra comercial entre EUA e China


11/07/2018 | 13:54


As principais bolsas da Europa fecharam em baixas de mais de 1% nesta quarta-feira, 11, sob pressão do anúncio de que os Estados Unidos iniciaram os procedimentos para a imposição de tarifas adicionais de 10% sobre US$ 200 bilhões em importações da China, elevando a percepção da gravidade da disputa comercial entre as duas potências em mais alguns degraus.

O índice pan-europeu Stoxx 600 recuou 1,25%, para os 381,41 pontos. Entre as maiores perdas setoriais estão as dos subíndices de commodities (-3,3%) e de óleo e gás (-2,3%), este último sob pressão dos preços declinantes do petróleo.

Os setores citados acima penalizaram a Bolsa de Londres, cujo FTSE 100 baixou 1,30%, para os 7.591,96 pontos, em parte puxado pelas ações da mineradora Glencore (-4,83%), da siderúrgica EVRAZ (-4,32%) e da petroleira BP (-3,19%). As da tech Micro Focus despencaram 9,17%, uma vez que as barreiras econômicas erguidas pelos EUA se voltam para o que consideram roubo de propriedade intelectual pela China no setor de tecnologia.

Por trás da queda de 1,53% do DAX 30, para os 12.417,13 pontos, na Bolsa de Frankfurt, estão também perdas no setor automotivo, como as dos papéis da Volkswagen (-2,16%) e da Daimler (-2,01%). O movimento sugere que a nova ofensiva de Washington no front comercial aumenta temores de que o presidente americano, Donald Trump, cumpra a ameaça de tarifar carros importados da União Europeia.

Em Milão, o FTSE MIB teve declínio de 1,58%, para os 21.708,06 pontos. Igualmente, ações ligadas a automóveis e autopeças sofreram nesta praça. As da Pirelli desceram 2,21% e as da Fiat Chrysler desabaram 3,05%. Pesou ainda sobre esta última a notícia de que um sindicato de trabalhadores da empresa está marcando uma greve em protesto contra a aquisição do português Cristiano Ronaldo pela Juventus (-5,18%), clube de futebol patrocinado pela Fiat.

Na Bolsa de Paris, o CAC 40 perdeu 1,48%, aos 5.353,93 pontos, encerrando na mínima do dia. A exemplo dos pares em outros mercados, as ações da Renault cederam 2,33%, enquanto as da Peugeot caíram 0,99%.

O Ibex 35, da Bolsa de Madri, teve baixa de 1,57%, para os 9.733,60 pontos, também na mínima. Lá, a siderúrgica ArcelorMittal viu suas ações baixarem 3,81%, sendo acompanhada no território negativo pelos bancos Santander (-2,28%), Banjia (-2,41%) e CaixaBank (-2,47%).

Já o PSI 20, da Bolsa de Lisboa, recuou 0,44%, para os 5.636,79 pontos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;