Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Juiz pede ao governo de Minas que avalie transferência de Azeredo

Jose Cruz/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


08/07/2018 | 10:23


O juiz Marcelo Augusto Lucas Pereira, da Vara de Execuções Penais de Belo Horizonte, mandou oficiar a Secretaria de Administração Prisional de Minas Gerais para que delibere sobre a possível transferência do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB), condenado a 20 anos e um mês no Mensalão tucano.

Desde 23 de maio, o tucano ocupa Sala Especial em batalhão do Corpo de Bombeiros, autorizado a não usar roupas de presidiário e sem a necessidade do uso de algemas.

O Comandante Geral do Batalhão, Cláudio Roberto de Souza, no entanto, pediu para que o tucano seja transferido para outra unidade.

Para o juiz, o requerimento é de ''alçada da Secretaria de Administração Prisional, a que compete avaliar e deliberar sobre o fluxo de pessoas no sistema prisional mineiro, observadas as particularidades do custodiado, inclusive as prerrogativas decorrentes de lei''.

"Desta feita, determino que se oficie à SEAP, com remessa de cópia do ofício encaminhado pelo Comandante Geral do Batalhão, para ciência", anotou.

Esta não é a primeira vez que militares pedem que Azeredo deixe o Batalhão. O deputado estadual Sargento Rodrigues (PTB) encaminhou ofício à Vara de Execuções Penais de Belo Horizonte relatando a ''revolta'' de militares contra o convívio com o ex-governador.

Segundo o parlamentar, parte dos oficiais ''repudia'' Azeredo.

O deputado afirma que ele e outros 186 oficiais da PM de Minas Gerais foram expulsos em 1997, quando Azeredo era governador, por integrarem movimento grevista. Diante da ''revolta'', a Justiça mandou a Promotoria investigar o caso.

O Mensalão tucano, conforme denúncia do Ministério Público em 2007, consistiu em desvio de recursos de estatais mineiras, como a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e o, hoje extinto, Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge), para a campanha de Azeredo pela reeleição em 1998, quando foi derrotado pelo ex-presidente Itamar Franco, à época no PMDB. Os desvios em benefício do tucano chegaram a R$ 3 milhões, segundo a acusação.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Juiz pede ao governo de Minas que avalie transferência de Azeredo


08/07/2018 | 10:23


O juiz Marcelo Augusto Lucas Pereira, da Vara de Execuções Penais de Belo Horizonte, mandou oficiar a Secretaria de Administração Prisional de Minas Gerais para que delibere sobre a possível transferência do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB), condenado a 20 anos e um mês no Mensalão tucano.

Desde 23 de maio, o tucano ocupa Sala Especial em batalhão do Corpo de Bombeiros, autorizado a não usar roupas de presidiário e sem a necessidade do uso de algemas.

O Comandante Geral do Batalhão, Cláudio Roberto de Souza, no entanto, pediu para que o tucano seja transferido para outra unidade.

Para o juiz, o requerimento é de ''alçada da Secretaria de Administração Prisional, a que compete avaliar e deliberar sobre o fluxo de pessoas no sistema prisional mineiro, observadas as particularidades do custodiado, inclusive as prerrogativas decorrentes de lei''.

"Desta feita, determino que se oficie à SEAP, com remessa de cópia do ofício encaminhado pelo Comandante Geral do Batalhão, para ciência", anotou.

Esta não é a primeira vez que militares pedem que Azeredo deixe o Batalhão. O deputado estadual Sargento Rodrigues (PTB) encaminhou ofício à Vara de Execuções Penais de Belo Horizonte relatando a ''revolta'' de militares contra o convívio com o ex-governador.

Segundo o parlamentar, parte dos oficiais ''repudia'' Azeredo.

O deputado afirma que ele e outros 186 oficiais da PM de Minas Gerais foram expulsos em 1997, quando Azeredo era governador, por integrarem movimento grevista. Diante da ''revolta'', a Justiça mandou a Promotoria investigar o caso.

O Mensalão tucano, conforme denúncia do Ministério Público em 2007, consistiu em desvio de recursos de estatais mineiras, como a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e o, hoje extinto, Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge), para a campanha de Azeredo pela reeleição em 1998, quando foi derrotado pelo ex-presidente Itamar Franco, à época no PMDB. Os desvios em benefício do tucano chegaram a R$ 3 milhões, segundo a acusação.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;