Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

A hora da sexta coroa


Carlos Brickmann

08/07/2018 | 07:17


Perdemos. Os belgas jogaram melhor. A Seleção de defesa impecável nunca esteve tão aberta. Um excelente chutador como Philippe Coutinho errou feio um chute de frente e de perto. Craques mundialmente famosos erraram passes curtos. Mas, correndo mais uma vez o risco de remar contra a maré, este colunista acredita que a Seleção terá seu grande momento em 2022, especialmente se os dirigentes do futebol tiverem a clarividência de manter Tite como técnico. Os mesmos jogadores, mais experientes, darão suporte aos novos (e Tite, sempre se atualizando, saberá como usá-los). Lembrem-se da Seleção de 1966: foi a base da campeã de 1970.

Em 1966, a grande esperança brasileira era Pelé. Uma excelente manchete, no dia em que o Brasil enfrentaria Portugal, saiu no Diário da Noite, de São Paulo: ‘Pelé, jogai por nós’. Mas nem Pelé, no auge de sua forma (e estava saindo de uma contusão) ganhava um jogo sozinho. Portugal eliminou o Brasil da Copa. Falou-se o diabo dos jogadores. Quatro anos depois, com jogadores como Brito, Gérson (o mais criticado de 1966), Jairzinho, Tostão, Pelé, Edu, das diversas formações tentadas antes da Copa anterior e durante a disputa, o Brasil formou uma das melhores seleções de todos os tempos. Isso pode perfeitamente se repetir em 2022.

Lamentemos a derrota. E nunca deixemos de lembrar que, em futebol, Brasil é Brasil. Pois só há um país que tenha ganho cinco Copas do Mundo.


Quem é quem na sucessão

Que pensa cada candidato? A Confederação Nacional da Indústria ouviu Alckmin, Ciro, Marina, Bolsonaro, Álvaro Dias e Meirelles. Em http://www.chumbogordo.com.br/19698-quem-e-quem-na-sucessao-assista-pode-ajudar/


Geraldo quem?

Alckmin diz que está animado, apesar dos baixos índices nas pesquisas. Acha que vai crescer no horário eleitoral, onde acredita que terá a maior parte do tempo, graças às alianças que, a seu ver, são inevitáveis. Como se vê, tudo é questão de fé: se tudo ocorrer como ele acredita, quem sabe? Só que o Centrão (que mudou de nome: agora é Blocão) resiste a apoiá-lo. O DEM, tradicional aliado dos tucanos de Alckmin, está interessadíssimo em Ciro Gomes, a quem atribui mais possibilidades de vitória. O Blocão pode segui-lo. Outros partidos que poderiam apoiá-lo puxaram o freio – como o PSB, em São Paulo comandado pelo governador Márcio França. Alckmin lhe tinha prometido apoio na eleição estadual, mas João Doria impôs sua candidatura ao PSDB, e Alckmin não se esfalfou para cumprir a promessa.


Multiplicações

O PMDB poderia dar apoio decisivo a Alckmin (pondo Meirelles como vice). Mas teme que um arraste o outro para mais baixo. E Alckmin ainda tem outros problemas: gostaria de um vice nordestino, que lhe desse votos na região; mas precisa conquistar também o Sul, onde o PSDB pela primeira vez vai mal nas pesquisas. Poderia oferecer a vice a Álvaro Dias, mas e o vice nordestino, e Meirelles? E São Paulo, seu reduto eleitoral, a maior trincheira tucana, onde ele mal empata com Bolsonaro? O PMDB gostaria de cortar o mal pela raiz: sai Alckmin, entra João Doria (com isso, garantiria também o PSB, dando apoio a Márcio França para o governo).

Alckmin pode repetir Aureliano Chaves em 1989: sem voto, sem futuro.


Garantido

Enquanto isso, Bolsonaro dispara na frente. E negocia um apoio que lhe garantirá mais tempo de TV: conversa com Valdemar Costa Neto, do PR, oferecendo-lhe a vice-presidência, com o nome do senador Magno Malta.


A opinião do dinheiro

Há grupos para os quais o resultado da eleição tem efeitos econômicos imediatos: os investidores. É gente prática, que raciocina com o bolso, não com o fígado ou o coração. Uma grande empresa, a XP Investimentos, fez uma pesquisa com 146 investidores sobre eleições e mercado. Resultados, divulgados pela XP News & Política:

Quarenta e nove por cento acreditam que Jair Bolsonaro será o vitorioso. E 32% creem que, no segundo turno, enfrentará Marina Silva. Para 62%, a vitória de Bolsonaro fará com que a Bolsa suba; 39%, que o real se valorize; e 58%, que a taxa básica de juros, Selic, fique acima de 8% no fim de 2019.

Em geral, acham que só a vitória de Alckmin levaria à aprovação das reformas tributária e da Previdência; 95% acham que a Bolsa subiria; 84% acham que o real se valorizaria, levando o câmbio para baixo de R$ 3,40.

Em geral, creem que a vitória de Ciro Gomes ou Fernando Haddad seria negativa para a Bolsa, e gerariam mudanças na reforma trabalhista e no teto de gastos.


Dilema

O empresário Flávio Rocha rejeita qualquer possibilidade de sair como vice de algum candidato à Presidência. Só que, a julgar pelas pesquisas, os eleitores rejeitam qualquer possibilidade de elegê-lo presidente.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;