Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 18 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Artista de assinatura plural

Gal Oppido/Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Cantor andreense Edson Cordeiro lança ‘Bem na Foto’, seu 13º disco de estúdio


Vinícius Castelli

03/07/2018 | 07:00


Com o cantor Edson Cordeiro não há tempo para descanso. Nem encerrou uma turnê e já apresenta novidades. Após o mergulho no universo musical português, com o disco Fado, o artista andreense, que tem carreira consolidada não só no Brasil, mas também na Europa, onde vive há 14 anos, apresenta sua nova empreitada, Bem Na Foto, 13º álbum de estúdio.

A obra ganha vida ilustrada por dez composições. Cordeiro, que já passou pelas fases áureas da fita K7 e do LP, apresenta o novo disco de outra forma ao público, aos poucos, faixas a faixa, nas plataformas digitais. Uma das canções, o single Voz e Violão, assinada pelo cantor em parceria com Danilo Audijá, já está disponível. “Temos que aprender a nos adaptar às formas modernas”, diz ele ao Diário. “Estou me divertindo muito com tudo isso”, afirma. Todo o repertório deve ser disponibilizado, no máximo, em até 15 dias. O trabalho, independente, terá também lançamento físico.

Com três décadas de carreira, o contratenor (voz masculina aguda, com o mesmo alcance do soprano), que já tem apresentações marcadas para divulgar o novo disco em cidades como Berlim e Dresden, na Alemanha, onde vive, conta que esta é a primeira vez em que grava um disco só de canções inéditas. Para tanto, contou com a ajuda do amigo e produtor cultural Fernando Tubarão. “Ele conhece muitos compositores novos”, diz Cordeiro. A maioria deles, segundo o cantor, ainda desconhecidas do grande público. “Existe vida além da TV e das gravadoras”, diz.

Luiz Gabriel Lopes, Rômulo Fróes, Heloá Holanda são alguns dos nomes que cruzaram a vida de Cordeiro. “São pessoas muito talentosas”, afirma o cantor. Além de contar com a ajuda de Tubarão, o artista é daqueles que não ficam parados. Curioso, conta que está sempre pesquisando sobre música e o que está acontecendo no cenário. “Não perco a conexão com o Brasil”, afirma.

Gravado no Interior de São Paulo e com produção de Franco Júnior, que já assinou três discos de Cordeiro, além de ter produzido RPM, Capital Inicial e DJ Mau Mau, Bem Na Foto afirma ainda mais uma das marcas do andreense: a pluralidade musical. Em Coisas Simples, assinada pela compositora baiana Clara Ghimel e a paulista Cris Rodrigues, Cordeiro apresenta moda de viola. Já em Mimado, que conta com letra e música de Heloá Holanda, o artista apresenta, pela primeira vez, um reggae. Nem samba fica de fora. “Essa pluralidade é minha assinatura mesmo. É um disco cantado todo em português. É de música popular brasileira e muito pop. Tem samba, samba rock. Tem tanta coisa a ser explorada ainda”, diz. Em outubro o cantor chega ao Brasil para começar a divulgação do disco, quem sabe com uma data no Grande ABC.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Artista de assinatura plural

Cantor andreense Edson Cordeiro lança ‘Bem na Foto’, seu 13º disco de estúdio

Vinícius Castelli

03/07/2018 | 07:00


Com o cantor Edson Cordeiro não há tempo para descanso. Nem encerrou uma turnê e já apresenta novidades. Após o mergulho no universo musical português, com o disco Fado, o artista andreense, que tem carreira consolidada não só no Brasil, mas também na Europa, onde vive há 14 anos, apresenta sua nova empreitada, Bem Na Foto, 13º álbum de estúdio.

A obra ganha vida ilustrada por dez composições. Cordeiro, que já passou pelas fases áureas da fita K7 e do LP, apresenta o novo disco de outra forma ao público, aos poucos, faixas a faixa, nas plataformas digitais. Uma das canções, o single Voz e Violão, assinada pelo cantor em parceria com Danilo Audijá, já está disponível. “Temos que aprender a nos adaptar às formas modernas”, diz ele ao Diário. “Estou me divertindo muito com tudo isso”, afirma. Todo o repertório deve ser disponibilizado, no máximo, em até 15 dias. O trabalho, independente, terá também lançamento físico.

Com três décadas de carreira, o contratenor (voz masculina aguda, com o mesmo alcance do soprano), que já tem apresentações marcadas para divulgar o novo disco em cidades como Berlim e Dresden, na Alemanha, onde vive, conta que esta é a primeira vez em que grava um disco só de canções inéditas. Para tanto, contou com a ajuda do amigo e produtor cultural Fernando Tubarão. “Ele conhece muitos compositores novos”, diz Cordeiro. A maioria deles, segundo o cantor, ainda desconhecidas do grande público. “Existe vida além da TV e das gravadoras”, diz.

Luiz Gabriel Lopes, Rômulo Fróes, Heloá Holanda são alguns dos nomes que cruzaram a vida de Cordeiro. “São pessoas muito talentosas”, afirma o cantor. Além de contar com a ajuda de Tubarão, o artista é daqueles que não ficam parados. Curioso, conta que está sempre pesquisando sobre música e o que está acontecendo no cenário. “Não perco a conexão com o Brasil”, afirma.

Gravado no Interior de São Paulo e com produção de Franco Júnior, que já assinou três discos de Cordeiro, além de ter produzido RPM, Capital Inicial e DJ Mau Mau, Bem Na Foto afirma ainda mais uma das marcas do andreense: a pluralidade musical. Em Coisas Simples, assinada pela compositora baiana Clara Ghimel e a paulista Cris Rodrigues, Cordeiro apresenta moda de viola. Já em Mimado, que conta com letra e música de Heloá Holanda, o artista apresenta, pela primeira vez, um reggae. Nem samba fica de fora. “Essa pluralidade é minha assinatura mesmo. É um disco cantado todo em português. É de música popular brasileira e muito pop. Tem samba, samba rock. Tem tanta coisa a ser explorada ainda”, diz. Em outubro o cantor chega ao Brasil para começar a divulgação do disco, quem sabe com uma data no Grande ABC.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;