Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

São Bernardo fecha o cerco contra crimes em áreas ambientais

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mudança na legislação municipal prevê aplicação de multas, de até R$ 5.000, para quem cometer infrações


Daniel Macário
Do Diário do Grande ABC

30/06/2018 | 07:00


 Com a intenção de impedir atividades consideradas nocivas ao meio ambiente do município, a Prefeitura de São Bernardo decidiu intensificar o cerco contra infratores que atuam em áreas de proteção ambiental da cidade. Decreto publicado no dia 22 pela administração municipal estipula multa que varia de R$ 500 a R$ 5.000 para moradores que forem flagrados cometendo atos irregulares.

A medida, que adota tolerância zero, segundo a administração municipal, possibilitará que a Prefeitura amplie a atuação de fiscais no combate a condutas e atividades de depredação de áreas de proteção ambiental. Atualmente, São Bernardo tem 60% de seu território em área de manancial – cerca de 19 mil hectares de Mata Atlântica.

“Na prática, tornamos a lei (6.123/11) mais eficiente. Se antes só tínhamos sanções administrativas a essas infrações, a partir de agora quem cometer qualquer dano ao meio ambiente terá de arcar com os prejuízos, ou seja, irá pesar no bolso”, avalia o secretário de Gestão Ambiental José Carlos Gobbis Pagliuca, que garante ainda que a medida é o caminho para que moradores passem a valorizar áreas verdes do município.

Na relação de infrações ambientais constam ações não só lesivas às áreas verdes, como também relativas à poluição. Uma das novidades está relacionada à multa de R$ 5.000 para moradores que praticarem caça profissional. Neste caso, a lei prevê ainda acréscimo de 200% no montante caso a espécie capturada esteja ameaçada de extinção (veja arte ao lado).

Construir empreendimentos e moradias em áreas de proteção ambiental também irá render multa, de R$ 2.000, ao infrator. Vale lembrar que desde setembro do ano passado a Prefeitura de São Bernardo tem intensificado a fiscalização do transporte de materiais de construção civil destinados à edificação de moradias irregulares nos bairros Tatetos, Capivari, Santa Cruz, Taquacetuba e Curucutu.

 

COMPENSAÇÃO

No dispositivo criado pela Prefeitura de São Bernardo, o município prevê, além de multas, sanções administrativas e compensações ambientais no caso de remoção de árvores. “Infratores terão que replantar árvores removidas em áreas de proteção ambiental”, destaca Pagliuca.

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

São Bernardo fecha o cerco contra crimes em áreas ambientais

Mudança na legislação municipal prevê aplicação de multas, de até R$ 5.000, para quem cometer infrações

Daniel Macário
Do Diário do Grande ABC

30/06/2018 | 07:00


 Com a intenção de impedir atividades consideradas nocivas ao meio ambiente do município, a Prefeitura de São Bernardo decidiu intensificar o cerco contra infratores que atuam em áreas de proteção ambiental da cidade. Decreto publicado no dia 22 pela administração municipal estipula multa que varia de R$ 500 a R$ 5.000 para moradores que forem flagrados cometendo atos irregulares.

A medida, que adota tolerância zero, segundo a administração municipal, possibilitará que a Prefeitura amplie a atuação de fiscais no combate a condutas e atividades de depredação de áreas de proteção ambiental. Atualmente, São Bernardo tem 60% de seu território em área de manancial – cerca de 19 mil hectares de Mata Atlântica.

“Na prática, tornamos a lei (6.123/11) mais eficiente. Se antes só tínhamos sanções administrativas a essas infrações, a partir de agora quem cometer qualquer dano ao meio ambiente terá de arcar com os prejuízos, ou seja, irá pesar no bolso”, avalia o secretário de Gestão Ambiental José Carlos Gobbis Pagliuca, que garante ainda que a medida é o caminho para que moradores passem a valorizar áreas verdes do município.

Na relação de infrações ambientais constam ações não só lesivas às áreas verdes, como também relativas à poluição. Uma das novidades está relacionada à multa de R$ 5.000 para moradores que praticarem caça profissional. Neste caso, a lei prevê ainda acréscimo de 200% no montante caso a espécie capturada esteja ameaçada de extinção (veja arte ao lado).

Construir empreendimentos e moradias em áreas de proteção ambiental também irá render multa, de R$ 2.000, ao infrator. Vale lembrar que desde setembro do ano passado a Prefeitura de São Bernardo tem intensificado a fiscalização do transporte de materiais de construção civil destinados à edificação de moradias irregulares nos bairros Tatetos, Capivari, Santa Cruz, Taquacetuba e Curucutu.

 

COMPENSAÇÃO

No dispositivo criado pela Prefeitura de São Bernardo, o município prevê, além de multas, sanções administrativas e compensações ambientais no caso de remoção de árvores. “Infratores terão que replantar árvores removidas em áreas de proteção ambiental”, destaca Pagliuca.

 

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;