Fechar
Publicidade

Sábado, 22 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Em risco, Polônia e Colômbia jogam para evitar eliminação precoce

Darko Vojinovic/ Estadão Cotneúdo / Associated Press Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Anderson Fattori

24/06/2018 | 07:00


Não é exagero dizer que Polônia e Colômbia jogam final de Copa do Mundo logo na segunda rodada do Grupo H. As seleções foram surpreendidas por Senegal e Japão, respectivamente, na estreia e jogam hoje, às 15h, em Kazan, para evitar eliminação precoce e vexatória.

Os poloneses mostram estilo de jogo muito dependente do atacante Lewandowski, artilheiro das Eliminatórias da Europa, com 16 gols. O problema é que a bola praticamente não chegou nele na primeira partida. Isolado, pouco produziu.

Para resolver o problema, o atacante Dawid Kownacki, de apenas 21 anos, pede que o time ataque mais. “Precisamos ser mais ofensivos contra a Colômbia, não mostramos isso contra Senegal. Quando algo não está bem, é fácil apontar os erros. Estou pronto para cada jogo. Jogar na seleção é um orgulho, porque é positivo representar a Polônia. Nada está perdido, temos mais dois jogos. Só depende de nós”, garantiu.

O zagueiro Bednarek foi na mesma linha. “Sabemos da nossa qualidade. Se jogarmos nosso futebol, venceremos. O mais importante é nossa dedicação. Tiramos conclusões após o jogo contra Senegal. Precisamos melhorar muito”, assumiu.

Na Colômbia, caso de polícia tirou o sossego da equipe nos últimos dias. Expulso nos primeiros minutos da estreia após tentar evitar com a mão o gol do Japão, o volante Carlos Sánchez teria sido ameaçado de morte por torcedores nas redes sociais. A notícia gera preocupação porque na Copa de 1994, Escobar, 27 anos, foi assassinado depois do Mundial, em Medellín, após marcar gol contra a favor dos Estados Unidos – que eliminou os colombianos.

“Estamos no processo de obtenção da informação para proceder com as notícias criminais que podem haver”, comentou o general Jorge Vargas, diretor da direção de investigação criminal e Interpol da polícia da Colômbia. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;