Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Ibovespa tem 4ª queda seguida e atinge menor nível em quase 10 meses

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


18/06/2018 | 18:34


O Índice Bovespa teve nesta segunda-feira, 18, sua quarta queda consecutiva, com a qual perdeu o piso psicológico dos 70 mil e voltou à sua menor pontuação em quase dez meses. O indicador terminou o dia com queda de 1,33%, aos 69.814,73 pontos, o mais baixo desde 20 de agosto do ano passado (68.634 pontos). Os negócios somaram R$ 14,1 bilhões, incluindo os R$ 5,5 bilhões movimentados no exercício de opções sobre ações.

A desvalorização foi mais uma vez embalada pela aversão ao risco no mercado externo e a falta de perspectivas no front doméstico, em meio à constante saída de recursos externos da Bolsa. A proximidade da reunião de política monetária do Banco Central e a possibilidade - ainda que baixa - de libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também foram fatores de cautela no mercado de ações.

Pela manhã, durante o período de exercício de opções sobre ações, o Ibovespa chegou à mínima de 69.360 pontos (-1,98%). Lá fora, os investidores mantiveram o tom de aversão ao risco, com a renovação das tensões comerciais entre Estados Unidos e China. As bolsas de Nova York operaram instáveis. Entre as principais bolsas emergentes, o dia também foi de perdas, com destaque para o índice Merval, da Argentina, que caiu mais de 8%.

Em quatro quedas consecutivas, o Ibovespa teve desvalorização de 4,04%, levando o acumulado de junho para -9,04%. Essa perda está bastante relacionada à saída de recursos externos da Bolsa. Somente na última quinta-feira, 14, saíram R$ 649,7 milhões do segmento Bovespa da B3, levando a saída acumulada de junho para R$ 4,7 bilhões.

"O Ibovespa estava se sustentando acima dos 70 mil pontos e hoje perdeu esse patamar importante. Creio que ele pode buscar os 68 mil pontos, uma vez que não há muito o que esperar nos próximos dias", disse Lucas Claro, analista da Ativa Investimentos. Claro afirma, no entanto, que as atenções se concentram bastante na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que na quarta-feira decide sobre a taxa Selic.

Na análise por ações, destaque para a queda em bloco das ações do setor financeiro, responsável por mais de 25% da carteira do Ibovespa. Já os papéis da Petrobras terminaram o dia nas mínimas, em quedas de 3,31% (ON) e 3,14% (PN). Na próxima quinta-feira, a maior ação trabalhista da história da Petrobras será julgada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). Em caso de derrota, a empresa terá de desembolsar mais de R$ 15 bilhões e a folha de pagamento aumentará em até R$ 2 bilhões por ano.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ibovespa tem 4ª queda seguida e atinge menor nível em quase 10 meses


18/06/2018 | 18:34


O Índice Bovespa teve nesta segunda-feira, 18, sua quarta queda consecutiva, com a qual perdeu o piso psicológico dos 70 mil e voltou à sua menor pontuação em quase dez meses. O indicador terminou o dia com queda de 1,33%, aos 69.814,73 pontos, o mais baixo desde 20 de agosto do ano passado (68.634 pontos). Os negócios somaram R$ 14,1 bilhões, incluindo os R$ 5,5 bilhões movimentados no exercício de opções sobre ações.

A desvalorização foi mais uma vez embalada pela aversão ao risco no mercado externo e a falta de perspectivas no front doméstico, em meio à constante saída de recursos externos da Bolsa. A proximidade da reunião de política monetária do Banco Central e a possibilidade - ainda que baixa - de libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também foram fatores de cautela no mercado de ações.

Pela manhã, durante o período de exercício de opções sobre ações, o Ibovespa chegou à mínima de 69.360 pontos (-1,98%). Lá fora, os investidores mantiveram o tom de aversão ao risco, com a renovação das tensões comerciais entre Estados Unidos e China. As bolsas de Nova York operaram instáveis. Entre as principais bolsas emergentes, o dia também foi de perdas, com destaque para o índice Merval, da Argentina, que caiu mais de 8%.

Em quatro quedas consecutivas, o Ibovespa teve desvalorização de 4,04%, levando o acumulado de junho para -9,04%. Essa perda está bastante relacionada à saída de recursos externos da Bolsa. Somente na última quinta-feira, 14, saíram R$ 649,7 milhões do segmento Bovespa da B3, levando a saída acumulada de junho para R$ 4,7 bilhões.

"O Ibovespa estava se sustentando acima dos 70 mil pontos e hoje perdeu esse patamar importante. Creio que ele pode buscar os 68 mil pontos, uma vez que não há muito o que esperar nos próximos dias", disse Lucas Claro, analista da Ativa Investimentos. Claro afirma, no entanto, que as atenções se concentram bastante na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que na quarta-feira decide sobre a taxa Selic.

Na análise por ações, destaque para a queda em bloco das ações do setor financeiro, responsável por mais de 25% da carteira do Ibovespa. Já os papéis da Petrobras terminaram o dia nas mínimas, em quedas de 3,31% (ON) e 3,14% (PN). Na próxima quinta-feira, a maior ação trabalhista da história da Petrobras será julgada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). Em caso de derrota, a empresa terá de desembolsar mais de R$ 15 bilhões e a folha de pagamento aumentará em até R$ 2 bilhões por ano.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;