Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 14 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Em crise com FUABC, Mauá abre edital na Saúde

Celso Luiz/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Empresa daria retaguarda ao sistema municipal às vésperas de rompimento de contrato com Fundação


Humberto Domiciano

18/06/2018 | 07:00


 A Prefeitura de Mauá abriu processo de contratação para empresa para retaguarda aos equipamentos de Saúde municipais. A iniciativa surge em um momento no qual a cidade discute a rescisão contratual com a FUABC (Fundação do ABC) – a organização informou que deve prestar os serviços só até este mês.

O edital, publicado na semana passada, no entanto, não define o prazo final para a seleção da nova prestadora de serviços.

A expectativa do Paço mauaense é que o novo contrato some R$ 5,5 milhões por ano e inclui serviços médicos hospitalares, como consultas, partos, assistência de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e exames de mamografia.

O processo dividiu a prestação de serviços em três lotes, sendo que o principal tem valor estimado de R$ 3,8 milhões ao ano.

A justificativa do Paço é que o chamamento público seria uma forma de “conhecer propostas das empresas do mercado” e que não estaria relacionado diretamente ao processo de rompimento com a FUABC. A entidade é responsável por administrar diversos equipamentos de Saúde, entre eles o Hospital de Clínicas Doutor Radamés Nardini, o maior da cidade.

No começo do mês, a FUABC comunicou à Prefeitura de Mauá que vai encerrar o vínculo contratual com o município. Documento oficial foi protocolado na sede da administração mauaense, ainda comandada por Alaíde Damo (MDB) – o prefeito Atila Jacomussi (PSB) foi solto na sexta-feira, mas está impedido judicialmente de exercer o cargo.

A principal alegação foi a dívida milionária que o Paço possui com a entidade regional, que administra os serviços de Saúde da cidade desde 2010.

Além de anunciar o rompimento, FUABC disse que cobrará na Justiça o passivo. A Fundação contabiliza que a Prefeitura não repassou R$ 123 milhões por serviços prestados desde 2015, quando novo contrato foi assinado – e a atuação da entidade, expandida.

Esse acordo, assinado pelo ex-prefeito Donisete Braga (ex-PT, atual Pros), estava orçado em R$ 168 milhões ao ano. O imbróglio teve início quando Atila tomou posse, em janeiro de 2017. A FUABC acusava a administração de não pagar integralmente as mensalidades, além de inchar o corpo de funcionários com indicações políticas. Atila, por sua vez, sugeria superfaturamento do contrato e má qualidade do serviço prestado.

Mesmo com a polêmica, Mauá e FUABC tentaram negociar algumas vezes, mas o diálogo foi comprometido pela sucessão de mudanças no comando da Fundação (desde 2016, quatro presidentes passaram pela entidade) e também pela constante troca de secretários de Saúde em Mauá (quatro passaram pela Pasta, atualmente vaga) e de superintendente do Hospital Nardini (foram quatro diretores do complexo).

A última vez em que houve mínimo de debate foi em fevereiro, quando Ricardo Burdelis, então secretário de Saúde de Mauá, discutiu a possibilidade de renovação contratual com redução de valores.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em crise com FUABC, Mauá abre edital na Saúde

Empresa daria retaguarda ao sistema municipal às vésperas de rompimento de contrato com Fundação

Humberto Domiciano

18/06/2018 | 07:00


 A Prefeitura de Mauá abriu processo de contratação para empresa para retaguarda aos equipamentos de Saúde municipais. A iniciativa surge em um momento no qual a cidade discute a rescisão contratual com a FUABC (Fundação do ABC) – a organização informou que deve prestar os serviços só até este mês.

O edital, publicado na semana passada, no entanto, não define o prazo final para a seleção da nova prestadora de serviços.

A expectativa do Paço mauaense é que o novo contrato some R$ 5,5 milhões por ano e inclui serviços médicos hospitalares, como consultas, partos, assistência de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e exames de mamografia.

O processo dividiu a prestação de serviços em três lotes, sendo que o principal tem valor estimado de R$ 3,8 milhões ao ano.

A justificativa do Paço é que o chamamento público seria uma forma de “conhecer propostas das empresas do mercado” e que não estaria relacionado diretamente ao processo de rompimento com a FUABC. A entidade é responsável por administrar diversos equipamentos de Saúde, entre eles o Hospital de Clínicas Doutor Radamés Nardini, o maior da cidade.

No começo do mês, a FUABC comunicou à Prefeitura de Mauá que vai encerrar o vínculo contratual com o município. Documento oficial foi protocolado na sede da administração mauaense, ainda comandada por Alaíde Damo (MDB) – o prefeito Atila Jacomussi (PSB) foi solto na sexta-feira, mas está impedido judicialmente de exercer o cargo.

A principal alegação foi a dívida milionária que o Paço possui com a entidade regional, que administra os serviços de Saúde da cidade desde 2010.

Além de anunciar o rompimento, FUABC disse que cobrará na Justiça o passivo. A Fundação contabiliza que a Prefeitura não repassou R$ 123 milhões por serviços prestados desde 2015, quando novo contrato foi assinado – e a atuação da entidade, expandida.

Esse acordo, assinado pelo ex-prefeito Donisete Braga (ex-PT, atual Pros), estava orçado em R$ 168 milhões ao ano. O imbróglio teve início quando Atila tomou posse, em janeiro de 2017. A FUABC acusava a administração de não pagar integralmente as mensalidades, além de inchar o corpo de funcionários com indicações políticas. Atila, por sua vez, sugeria superfaturamento do contrato e má qualidade do serviço prestado.

Mesmo com a polêmica, Mauá e FUABC tentaram negociar algumas vezes, mas o diálogo foi comprometido pela sucessão de mudanças no comando da Fundação (desde 2016, quatro presidentes passaram pela entidade) e também pela constante troca de secretários de Saúde em Mauá (quatro passaram pela Pasta, atualmente vaga) e de superintendente do Hospital Nardini (foram quatro diretores do complexo).

A última vez em que houve mínimo de debate foi em fevereiro, quando Ricardo Burdelis, então secretário de Saúde de Mauá, discutiu a possibilidade de renovação contratual com redução de valores.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;