Fechar
Publicidade

Sábado, 17 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

MP e TCU investigam elo entre Santa Casa e clínica

Montagem/Nario Barbosa  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Empresa, que atua dentro da unidade em Mauá, tem ligação com Alex Manente e ex-titular de Saúde


Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

15/06/2018 | 07:00


O MPF (Ministério Público Federal), MPE (Ministério Público Estadual) e TCU (Tribunal de Contas da União) foram acionados, por meio de denúncia formal, para investigar supostas irregularidades em elo entre a Santa Casa de Misericórdia de Mauá com clínica ligada ao deputado federal Alex Manente (PPS) e o ex-secretário de Saúde Ricardo Burdelis.

A acusação foi protocolada por pessoa física, assinada por Uelberte Feitosa dos Santos, morador do município, que coloca em xeque a transparência do acordo do equipamento de Saúde e a empresa instalada nas dependências da unidade. Requer eventuais medidas cabíveis no caso.

O Diário mostrou em março que a mulher do então secretário de Saúde de Mauá, Erika Mariani Burdelis, é sócia da clínica de nefrologia localizada dentro da Santa Casa, entidade filantrópica que recebe recursos públicos da Prefeitura mauaense – a empresa fica alojada em prédio anexado ao pronto-socorro do equipamento de Saúde, na Vila Assis Brasil. O próprio titular da Pasta, inclusive, fez parte da sociedade. A mulher do deputado federal – com reduto em São Bernardo –, Mariana Carvalho Gonzalez Manente, também integra o quadro societário da clínica.

Constituído em 2015, o CTN (Centro de Tratamento em Nefrologia) paga aluguel à Santa Casa, que é particular, para funcionar dentro da instituição. Em tese, não há ilegalidade na situação, uma vez que as duas unidades são privadas. Por outro lado, o advogado Alberto Luiz Rollo, especialista em Direito Público, avaliou, na ocasião, que “há indícios de imoralidade” no fato de a clínica da mulher do então secretário funcionar dentro do prédio de instituição que recebe verbas que podiam ser autorizadas pelo marido – ele deixou a Pasta no governo Atila Jacomussi (PSB) no fim de abril.

Dados levantados junto ao Portal da Transparência apontam que somente na atual gestão a Santa Casa de Mauá recebeu pouco mais de R$ 4,2 milhões do governo Atila. Os recursos referem-se à contrapartida do município pelo atendimento que a entidade faz a pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) na cidade.

Doações eleitorais feitas para a campanha majoritária de Alex Manente no pleito de 2016 ao Paço de São Bernardo reforçam o elo entre a família Burdelis e o parlamentar. Naquele ano, quando o popular-socialista disputou a Prefeitura – foi derrotado no segundo turno pelo atual prefeito Orlando Morando (PSDB) –, tanto Ricardo Burdelis quanto sua mulher contribuíram, como pessoas físicas, para a campanha de Alex. Ao todo, o casal Burdelis depositou R$ 125 mil no projeto do deputado.

Alex descartou qualquer irregularidade no caso. Segundo o popular-socialista, o fato de a clínica ser particular e pagar aluguel do espaço são evidências da legalidade da situação. “Qual a irregularidade nisso? Paga aluguel e não recebe do poder público”, disse, irritado, acrescentando que pedido de averiguações “é direito de todos os cidadãos”. “Todos deveriam fazer, inclusive. É muito importante”. Falou que nem ele nem sua mulher foram chamados para prestar esclarecimentos em relação ao processo. “Quase convicção de que os órgãos (de controle, acionados) não avançaram. Se fossem avançar, já teriam citado.”

Burdelis e Atila também refutaram ilegalidades à época. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

MP e TCU investigam elo entre Santa Casa e clínica

Empresa, que atua dentro da unidade em Mauá, tem ligação com Alex Manente e ex-titular de Saúde

Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

15/06/2018 | 07:00


O MPF (Ministério Público Federal), MPE (Ministério Público Estadual) e TCU (Tribunal de Contas da União) foram acionados, por meio de denúncia formal, para investigar supostas irregularidades em elo entre a Santa Casa de Misericórdia de Mauá com clínica ligada ao deputado federal Alex Manente (PPS) e o ex-secretário de Saúde Ricardo Burdelis.

A acusação foi protocolada por pessoa física, assinada por Uelberte Feitosa dos Santos, morador do município, que coloca em xeque a transparência do acordo do equipamento de Saúde e a empresa instalada nas dependências da unidade. Requer eventuais medidas cabíveis no caso.

O Diário mostrou em março que a mulher do então secretário de Saúde de Mauá, Erika Mariani Burdelis, é sócia da clínica de nefrologia localizada dentro da Santa Casa, entidade filantrópica que recebe recursos públicos da Prefeitura mauaense – a empresa fica alojada em prédio anexado ao pronto-socorro do equipamento de Saúde, na Vila Assis Brasil. O próprio titular da Pasta, inclusive, fez parte da sociedade. A mulher do deputado federal – com reduto em São Bernardo –, Mariana Carvalho Gonzalez Manente, também integra o quadro societário da clínica.

Constituído em 2015, o CTN (Centro de Tratamento em Nefrologia) paga aluguel à Santa Casa, que é particular, para funcionar dentro da instituição. Em tese, não há ilegalidade na situação, uma vez que as duas unidades são privadas. Por outro lado, o advogado Alberto Luiz Rollo, especialista em Direito Público, avaliou, na ocasião, que “há indícios de imoralidade” no fato de a clínica da mulher do então secretário funcionar dentro do prédio de instituição que recebe verbas que podiam ser autorizadas pelo marido – ele deixou a Pasta no governo Atila Jacomussi (PSB) no fim de abril.

Dados levantados junto ao Portal da Transparência apontam que somente na atual gestão a Santa Casa de Mauá recebeu pouco mais de R$ 4,2 milhões do governo Atila. Os recursos referem-se à contrapartida do município pelo atendimento que a entidade faz a pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) na cidade.

Doações eleitorais feitas para a campanha majoritária de Alex Manente no pleito de 2016 ao Paço de São Bernardo reforçam o elo entre a família Burdelis e o parlamentar. Naquele ano, quando o popular-socialista disputou a Prefeitura – foi derrotado no segundo turno pelo atual prefeito Orlando Morando (PSDB) –, tanto Ricardo Burdelis quanto sua mulher contribuíram, como pessoas físicas, para a campanha de Alex. Ao todo, o casal Burdelis depositou R$ 125 mil no projeto do deputado.

Alex descartou qualquer irregularidade no caso. Segundo o popular-socialista, o fato de a clínica ser particular e pagar aluguel do espaço são evidências da legalidade da situação. “Qual a irregularidade nisso? Paga aluguel e não recebe do poder público”, disse, irritado, acrescentando que pedido de averiguações “é direito de todos os cidadãos”. “Todos deveriam fazer, inclusive. É muito importante”. Falou que nem ele nem sua mulher foram chamados para prestar esclarecimentos em relação ao processo. “Quase convicção de que os órgãos (de controle, acionados) não avançaram. Se fossem avançar, já teriam citado.”

Burdelis e Atila também refutaram ilegalidades à época. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;