Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 21 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Automóveis

automoveis@dgabc.com.br | 4435-8337

Renascimento do gás

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Alta do combustível gera aumento na procura pelo sistema; empresas relatam espera de até 30 dias


Daniel Macário

15/06/2018 | 07:45


As sucessivas altas nos preços dos combustíveis têm obrigado o consumidor a buscar alternativas na hora de abastecer o veículo. Na tentativa de diminuir os gastos, uma opção que há tempos vinha sendo esquecida voltou a ganhar força nas últimas semanas, é o GNV (Gás Natural Veicular).

Depois da greve dos caminhoneiros, oficinas mecânicas do Grande ABC autorizadas a converter o sistema de combustíveis dos veículos para GNV registraram aumento de até 70% na instalação.

O serviço que chegou a ter nos últimos anos ociosidade de demanda, atualmente, chega a ter fila de espera de até 30 dias em empresas na região.

“Antes chegava a fazer média de quatro a oito instalações por mês. Com a alta do combustível e a greve agora faço cinco por dia. A demanda está tão grande que só tenho vaga para fazer daqui um mês”, relata Cristiano Martins dos Santos, proprietário da SOS Convertedora, em Santo André.

O boom na procura pelo serviço, segundo mecânicos, tem justificativa clara. “O GNV hoje gera uma economia de até 60% em relação aos demais combustíveis. Ele se paga financeiramente falando. O valor gasto na instalação de todo sistema é compensando com a economia de abastecimento que o gás gera com o decorrer dos anos”, explica Marcos Luiz Vendrustolo, 35, proprietário da Fortgás GNV, em São Bernardo.

Pesquisa realizada pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) sobre o preço de combustível deixa claro esse cenário. Na região, o valor médio do GNV é de R$ 3,389/m³. Já o preço médio para a gasolina é de R$ 4,360/litro e do etanol, R$ 2,847/litro.

O custo estimado para a conversão de veículos para o GNV no Grande ABC varia entre R$ 3.500 a R$ 4.200. A manutenção do filtro do sistema, por sua vez, deve ser feita a cada 30 mil quilômetros rodados e custa em média R$ 400.

Apesar de todos os seus benefícios sustentáveis e de economia, o uso do GNV está completamente estagnado no Grande ABC. Segundo o Detran-SP (Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo) apenas 1,42% da frota de veículos da região é movida a gás (veja gráfico abaixo).

Para o gerente de estratégia e competitividade da Abegás (Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado), Marcelo Mendonça, o cenário, no entanto, deve ser revertido até 2019. “A projeção do setor é de alta nos próximos dois anos até porque o GNV tem compensado no bolso não só de taxistas e motoristas de aplicativos, como também, do motorista convencional”, afirma.

Segundo ele, o aumento do uso de GNV pode ser ainda maior caso o governo incentive desconto no IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), em todos os Estados, como já ocorre no Rio, além de linha de crédito para conversão de veículos para GNV, desoneração tributária dos equipamentos que compõem o kit gás e incentivo às montadoras para a venda de veículos a GNV de fábrica, a exemplo do que acontece em países da Europa.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Renascimento do gás

Alta do combustível gera aumento na procura pelo sistema; empresas relatam espera de até 30 dias

Daniel Macário

15/06/2018 | 07:45


As sucessivas altas nos preços dos combustíveis têm obrigado o consumidor a buscar alternativas na hora de abastecer o veículo. Na tentativa de diminuir os gastos, uma opção que há tempos vinha sendo esquecida voltou a ganhar força nas últimas semanas, é o GNV (Gás Natural Veicular).

Depois da greve dos caminhoneiros, oficinas mecânicas do Grande ABC autorizadas a converter o sistema de combustíveis dos veículos para GNV registraram aumento de até 70% na instalação.

O serviço que chegou a ter nos últimos anos ociosidade de demanda, atualmente, chega a ter fila de espera de até 30 dias em empresas na região.

“Antes chegava a fazer média de quatro a oito instalações por mês. Com a alta do combustível e a greve agora faço cinco por dia. A demanda está tão grande que só tenho vaga para fazer daqui um mês”, relata Cristiano Martins dos Santos, proprietário da SOS Convertedora, em Santo André.

O boom na procura pelo serviço, segundo mecânicos, tem justificativa clara. “O GNV hoje gera uma economia de até 60% em relação aos demais combustíveis. Ele se paga financeiramente falando. O valor gasto na instalação de todo sistema é compensando com a economia de abastecimento que o gás gera com o decorrer dos anos”, explica Marcos Luiz Vendrustolo, 35, proprietário da Fortgás GNV, em São Bernardo.

Pesquisa realizada pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) sobre o preço de combustível deixa claro esse cenário. Na região, o valor médio do GNV é de R$ 3,389/m³. Já o preço médio para a gasolina é de R$ 4,360/litro e do etanol, R$ 2,847/litro.

O custo estimado para a conversão de veículos para o GNV no Grande ABC varia entre R$ 3.500 a R$ 4.200. A manutenção do filtro do sistema, por sua vez, deve ser feita a cada 30 mil quilômetros rodados e custa em média R$ 400.

Apesar de todos os seus benefícios sustentáveis e de economia, o uso do GNV está completamente estagnado no Grande ABC. Segundo o Detran-SP (Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo) apenas 1,42% da frota de veículos da região é movida a gás (veja gráfico abaixo).

Para o gerente de estratégia e competitividade da Abegás (Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado), Marcelo Mendonça, o cenário, no entanto, deve ser revertido até 2019. “A projeção do setor é de alta nos próximos dois anos até porque o GNV tem compensado no bolso não só de taxistas e motoristas de aplicativos, como também, do motorista convencional”, afirma.

Segundo ele, o aumento do uso de GNV pode ser ainda maior caso o governo incentive desconto no IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), em todos os Estados, como já ocorre no Rio, além de linha de crédito para conversão de veículos para GNV, desoneração tributária dos equipamentos que compõem o kit gás e incentivo às montadoras para a venda de veículos a GNV de fábrica, a exemplo do que acontece em países da Europa.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;