Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 11 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

'O estilo de vida das pessoas está ruim', explica cardiologista

pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Mudanças nessa cultura são de difícil implementação e não há consenso nem entre especialistas da OMS



02/06/2018 | 08:38


O cardiologista Carlos Alberto Machado afirma que o aumento das mortes por doenças não transmissíveis está ligado a uma combinação de piora no estilo de vida, envelhecimento populacional e redução do acesso aos serviços de saúde públicos e privados. "O estilo de vida das pessoas está ruim. Temos uma epidemia de obesidade e a qualidade da alimentação é péssima, com aumento do consumo de comida industrializada. A maioria da população vive nos grandes centros urbanos e, até em função da violência, se fecha em casa e faz menos atividade física."

As mudanças nessa "cultura" ainda são de difícil implementação e não encontram consenso nem entre os especialistas da OMS. Apesar das recomendações, não houve um acordo entre eles sobre como responsabilizar o setor privado para reduzir o grau de açúcar nos produtos ou elevar impostos sobre refrigerantes - prática defendida pela entidade. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'O estilo de vida das pessoas está ruim', explica cardiologista

Mudanças nessa cultura são de difícil implementação e não há consenso nem entre especialistas da OMS


02/06/2018 | 08:38


O cardiologista Carlos Alberto Machado afirma que o aumento das mortes por doenças não transmissíveis está ligado a uma combinação de piora no estilo de vida, envelhecimento populacional e redução do acesso aos serviços de saúde públicos e privados. "O estilo de vida das pessoas está ruim. Temos uma epidemia de obesidade e a qualidade da alimentação é péssima, com aumento do consumo de comida industrializada. A maioria da população vive nos grandes centros urbanos e, até em função da violência, se fecha em casa e faz menos atividade física."

As mudanças nessa "cultura" ainda são de difícil implementação e não encontram consenso nem entre os especialistas da OMS. Apesar das recomendações, não houve um acordo entre eles sobre como responsabilizar o setor privado para reduzir o grau de açúcar nos produtos ou elevar impostos sobre refrigerantes - prática defendida pela entidade. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;