Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Leny Andrade ‘mergulha’ na bossa nova de Fred Falcão e canta temas inéditos do compositor

Ilustrada por 12 canções, obra foi escrita para ser cantada pela carioca


Vinícius Castelli

04/06/2018 | 07:01


Dois veteranos da música brasileira se unem em novo projeto. O pernambucano radicado no Rio de Janeiro Fred Falcão tira do bolso 12 temas inéditos e convida a cantora Leny Andrade para colocar a doçura de sua voz em cada uma delas. O ótimo resultado pode ser conferido no álbum Leny Andrade Canta Fred Falcão – Bossa Nova (Biscoito Fino, R$ 35,90, em média), que acaba de chegar às prateleiras. O trabalho pode ser degustado ainda nas plataformas digitais.

Acompanhada por Jorge Helder (contrabaixo), Lula Galvão (violão), Rafael Barata (bateria) e João Carlos Coutinho (produção musical, arranjos, piano e acordeom), além de Marcelo Costa (percussão), a cantora carioca promove ‘viagem’ aos tempos da bossa nova no quarto disco do compositor, que assina a direção artística do trabalho.

Sempre com fortes influências de Leny Andrade e do grupo Os Cariocas em seus trabalhos, Fred Falcão conta que boa parte das canções já estava escrita. As outras são novíssimas. O compositor lembra que escreveu as mais recentes com o pensamento voltado para a interpretação da cantora. “Pensando bem, as que já estavam prontas também eram para ela, tanto que Leny gostou de todas”, brinca. Entre os destaques está Alô Donato, embalada por belas harmonias de piano.

Apesar de sua discografia ser relativamente recente, a relação de Falcão com a bossa nova começou lá atrás, por volta de 1964. “Ainda adolescente, tive a sorte de ser vizinho de um apartamento onde João Donato ensaiava o conjunto vocal-instrumental Os Namorados”, revela. Foi nessa ocasião que o compositor ouviu pela primeira vez um acorde dissonante. “Fiquei maluco, aquilo entortou minha cabeça”, relembra. Foi, então, pedir à sua mãe um acordeom, Ganhou, é claro, e se tornou instrumentista autodidata.

Em 1966, munido de um violão, bateu na porta do apartamento de Leny. “Ela estava de malas prontas para viajar para o México, mas depois de me ouvir cantar Vem Cá Menina, falou: ‘Este samba é maravilhoso. Puro suingue. Mostra para o Severino Filho, de Os Cariocas. Eles gravam no ato’. E assim foi.” 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;