Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Inteligência artificial vence dermatologistas no diagnóstico de câncer de pele

Gabriel Jabur/Agência Brasília Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


29/05/2018 | 10:23


A máquina é mais eficiente do que os humanos na hora de descobrir se um paciente tem câncer de pele, revela um novo estudo. A pesquisa comparou diagnósticos de câncer de pele feitos por dermatologistas experientes com diagnósticos obtidos por um método de inteligência artificial. E concluiu que os médicos foram menos eficientes.

Em um dos testes, os médicos detectaram, com precisão, 86,6% dos melanomas. Já o sistema de inteligência artificial acertou 95% dos casos.

O estudo, publicado nesta segunda-feira, 28, na revista "Annals of Oncology", foi liderado por Holger Haenssler, da Universidade de Heidelberg (Alemanha), e também teve participação de cientistas da França e dos Estados Unidos.

Eles utilizaram 100 mil imagens de melanomas - o tipo mais agressivo de câncer de pele - para "treinar" uma rede neural convolucional (CNN, na sigla em inglês) a distinguir os tumores malignos e benignos.

As redes neurais são modelos computacionais inspirados no funcionamento do sistema nervoso central. A CNN é um tipo de rede neural muito usada no processamento e análise de imagens digitais. É capaz de aprender com rapidez com base em imagens e melhorar seu desempenho por esse aprendizado.

"A CNN funciona como o cérebro de uma criança. Para treiná-la, mostramos a ela mais de 100 mil imagens de tumores de pele malignos e benignos e indicamos o diagnóstico correto para cada UMA. Só foram usadas imagens dermatoscópicas, que ampliam as lesões em dez vezes. A cada imagem, melhora a capacidade de diferenciar lesões malignas e benignas", explica Haenssler.

O grupo comparou os resultados pela máquina obtidos com diagnósticos de melanoma feitos por 58 dermatologistas de 17 países. Mesmo quando os médicos tiveram informações clínicas e acesso a imagens ampliadas, o desempenho da CNN foi melhor.

Alerta

A incidência do melanoma maligno tem aumentado. Há 232 mil novos casos e 55,5 mil mortes por ano no mundo, segundo a Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Inteligência artificial vence dermatologistas no diagnóstico de câncer de pele


29/05/2018 | 10:23


A máquina é mais eficiente do que os humanos na hora de descobrir se um paciente tem câncer de pele, revela um novo estudo. A pesquisa comparou diagnósticos de câncer de pele feitos por dermatologistas experientes com diagnósticos obtidos por um método de inteligência artificial. E concluiu que os médicos foram menos eficientes.

Em um dos testes, os médicos detectaram, com precisão, 86,6% dos melanomas. Já o sistema de inteligência artificial acertou 95% dos casos.

O estudo, publicado nesta segunda-feira, 28, na revista "Annals of Oncology", foi liderado por Holger Haenssler, da Universidade de Heidelberg (Alemanha), e também teve participação de cientistas da França e dos Estados Unidos.

Eles utilizaram 100 mil imagens de melanomas - o tipo mais agressivo de câncer de pele - para "treinar" uma rede neural convolucional (CNN, na sigla em inglês) a distinguir os tumores malignos e benignos.

As redes neurais são modelos computacionais inspirados no funcionamento do sistema nervoso central. A CNN é um tipo de rede neural muito usada no processamento e análise de imagens digitais. É capaz de aprender com rapidez com base em imagens e melhorar seu desempenho por esse aprendizado.

"A CNN funciona como o cérebro de uma criança. Para treiná-la, mostramos a ela mais de 100 mil imagens de tumores de pele malignos e benignos e indicamos o diagnóstico correto para cada UMA. Só foram usadas imagens dermatoscópicas, que ampliam as lesões em dez vezes. A cada imagem, melhora a capacidade de diferenciar lesões malignas e benignas", explica Haenssler.

O grupo comparou os resultados pela máquina obtidos com diagnósticos de melanoma feitos por 58 dermatologistas de 17 países. Mesmo quando os médicos tiveram informações clínicas e acesso a imagens ampliadas, o desempenho da CNN foi melhor.

Alerta

A incidência do melanoma maligno tem aumentado. Há 232 mil novos casos e 55,5 mil mortes por ano no mundo, segundo a Agência Internacional de Pesquisa sobre Câncer. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;