Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 18 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bullard, do Fed, pede "cautela" em relação a mais altas de juros



29/05/2018 | 04:44


O presidente da distrital do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) em St. Louis, James Bullard, reiterou nesta terça-feira sua visão de longa data de que seria um erro implementar mais altas de juros nos EUA.

"A cautela pode ser justificável ao decidir sobre elevar ainda mais a taxa de juros no curto prazo", disse Bullard em discurso na capital japonesa, Tóquio.

Bullard não vota nas reuniões de política monetária do Fed neste ano. Há quase dois anos, ele vem defendendo taxas de juros baixas, diante das mudanças na economia americana. Em razão disso, Bullard se opõe à estratégia do Fed de elevar seus juros básicos gradualmente.

Há grandes expectativas de que o Fed volte a elevar seu juro básico - atualmente numa faixa de 1,5% a 1,75% - em junho. Em março, quando foi anunciado o último ajuste, dirigentes da instituição previram três elevações ao longo de 2018, mas alguns deles acreditam que a força do mercado de trabalho e o avanço da inflação poderão permitir até mais aumentos neste ano.

Segundo Bullard, as expectativas de inflação baixa dos mercados financeiros são um bom motivo para não elevar juros até que as expectativas demonstrem mais confiança de que o Fed irá trazer a inflação de volta para a meta de 2% de forma sustentável.

Bullard avalia também que a política monetária do Fed chegou a um ponto neutro no que diz respeito à atividade econômica. Além disso, ele teme que novas altas de juros levem os rendimentos de bônus de curto prazo a superar os de papéis de mais longo prazo, num movimento conhecido como inversão da curva de juros. Esse tipo de precificação normalmente é associada à uma crise econômica iminente.

"A curva de juros nominal pode se inverter neste ano ou em 2019, o que seria um sinal negativo para as perspectivas macroeconômicas dos EUA", alertou Bullard. Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bullard, do Fed, pede "cautela" em relação a mais altas de juros


29/05/2018 | 04:44


O presidente da distrital do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) em St. Louis, James Bullard, reiterou nesta terça-feira sua visão de longa data de que seria um erro implementar mais altas de juros nos EUA.

"A cautela pode ser justificável ao decidir sobre elevar ainda mais a taxa de juros no curto prazo", disse Bullard em discurso na capital japonesa, Tóquio.

Bullard não vota nas reuniões de política monetária do Fed neste ano. Há quase dois anos, ele vem defendendo taxas de juros baixas, diante das mudanças na economia americana. Em razão disso, Bullard se opõe à estratégia do Fed de elevar seus juros básicos gradualmente.

Há grandes expectativas de que o Fed volte a elevar seu juro básico - atualmente numa faixa de 1,5% a 1,75% - em junho. Em março, quando foi anunciado o último ajuste, dirigentes da instituição previram três elevações ao longo de 2018, mas alguns deles acreditam que a força do mercado de trabalho e o avanço da inflação poderão permitir até mais aumentos neste ano.

Segundo Bullard, as expectativas de inflação baixa dos mercados financeiros são um bom motivo para não elevar juros até que as expectativas demonstrem mais confiança de que o Fed irá trazer a inflação de volta para a meta de 2% de forma sustentável.

Bullard avalia também que a política monetária do Fed chegou a um ponto neutro no que diz respeito à atividade econômica. Além disso, ele teme que novas altas de juros levem os rendimentos de bônus de curto prazo a superar os de papéis de mais longo prazo, num movimento conhecido como inversão da curva de juros. Esse tipo de precificação normalmente é associada à uma crise econômica iminente.

"A curva de juros nominal pode se inverter neste ano ou em 2019, o que seria um sinal negativo para as perspectivas macroeconômicas dos EUA", alertou Bullard. Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;