Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

CBF cobra R$ 100 mil por familiar para ficar mais perto da seleção na Rússia



25/05/2018 | 06:00


Quando o coordenador de seleções Edu Gaspar esteve na Rússia pela primeira vez, a mando da CBF, para verificar a logística da seleção brasileira durante a Copa do Mundo e uma cidade para se estabelecer, ele já tinha a intenção de encontrar também um lugar para instalar as famílias dos jogadores do time.

A comissão técnica do Brasil sempre defendeu a ideia de aproximar os familiares dos atletas durante a competição, tradicionalmente um período longo fora de casa e de muita pressão no caso dos brasileiros. A intenção é boa, mas terá um custo para cada familiar na ordem dos R$ 100 mil. Esse valor inclui hospedagem (em Sochi, nas proximidades do hotel da seleção), translado de aeroportos e voos para os jogos - o Brasil estreia contra a Suíça em Rostov, no dia 17 de junho; depois, embarca para São Petersburgo a fim de duelar contra a Costa Rica; e encerra a participação na primeira fase diante da Sérvia, em Moscou.

Os familiares não viajarão com o elenco. Também não terão acesso à concentração, a não ser nos dias de descanso. O técnico Tite estima que o elenco terá de três a quatro dias livres - ou meio período em algumas ocasiões.

O valor não está tão fora dos preços praticados na Rússia nessa época do ano, quando o frio já deu uma trégua e as cidades-sede estarão repletas de torcedores por causa do Mundial. A procura por hotéis é maior, o que faz os preços subirem.

Mas a conta é simples e está na ponta do lápis. O jogador que quiser levar para a Rússia cinco familiares ou amigos, ou ainda uma turminha com esse número de pessoas, vai gastar R$ 500 mil. Em troca, como os hotéis ficarão próximos um do outro, terão o privilégio de estar sempre bem acompanhados nas horas vagas. Neymar, por exemplo, ainda não disse se pretende levar Bruna Marquezine. Certamente, o craque do Brasil estará com seu pai, amigos inseparáveis e grandes parceiros, e com alguns de seus "parças".

Alguns familiares de profissionais da seleção acharam o valor pedido pela CBF alto demais. O fato de o país-sede ter escrita e idioma confusos e não ser um destino comum aos brasileiros freou a vontade de embarcar com a seleção. Nem todos levarão seus familiares.

No Brasil, quatro anos atrás, algumas das principais seleções credenciadas para a disputa optaram em ter as famílias ao lado. Foi o caso, por exemplo, da Holanda, para quem a seleção perdeu de 3 a 0 na disputa do terceiro lugar, em Brasília. Foi a partida seguinte aos 7 a 1 da Alemanha.

O time holandês, que não está na Copa da Rússia, abriu a sua concentração para os familiares. Antes do jogo contra a Espanha, ainda na primeira fase, os atletas comandados pelo técnico Louis Van Gaal almoçaram com mulheres e filhos. Uma festa. Foram depois para a Arena Fonte Nova, na Bahia, e ganharam de 5 a 1 do time espanhol. Os italianos, que também não vão para a Rússia neste ano, se valeram do mesmo expediente no Brasil.

Não há dúvidas para Tite e Edu Gaspar de que a presença dos familiares e amigos será benéfica para os jogadores. A CBF muda nesse sentido, ou se aprimora, abrindo a concentração em dias de folga, também porque entende que isso pode ajudar muito os atletas na missão de disputar bem a Copa do Mundo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

CBF cobra R$ 100 mil por familiar para ficar mais perto da seleção na Rússia


25/05/2018 | 06:00


Quando o coordenador de seleções Edu Gaspar esteve na Rússia pela primeira vez, a mando da CBF, para verificar a logística da seleção brasileira durante a Copa do Mundo e uma cidade para se estabelecer, ele já tinha a intenção de encontrar também um lugar para instalar as famílias dos jogadores do time.

A comissão técnica do Brasil sempre defendeu a ideia de aproximar os familiares dos atletas durante a competição, tradicionalmente um período longo fora de casa e de muita pressão no caso dos brasileiros. A intenção é boa, mas terá um custo para cada familiar na ordem dos R$ 100 mil. Esse valor inclui hospedagem (em Sochi, nas proximidades do hotel da seleção), translado de aeroportos e voos para os jogos - o Brasil estreia contra a Suíça em Rostov, no dia 17 de junho; depois, embarca para São Petersburgo a fim de duelar contra a Costa Rica; e encerra a participação na primeira fase diante da Sérvia, em Moscou.

Os familiares não viajarão com o elenco. Também não terão acesso à concentração, a não ser nos dias de descanso. O técnico Tite estima que o elenco terá de três a quatro dias livres - ou meio período em algumas ocasiões.

O valor não está tão fora dos preços praticados na Rússia nessa época do ano, quando o frio já deu uma trégua e as cidades-sede estarão repletas de torcedores por causa do Mundial. A procura por hotéis é maior, o que faz os preços subirem.

Mas a conta é simples e está na ponta do lápis. O jogador que quiser levar para a Rússia cinco familiares ou amigos, ou ainda uma turminha com esse número de pessoas, vai gastar R$ 500 mil. Em troca, como os hotéis ficarão próximos um do outro, terão o privilégio de estar sempre bem acompanhados nas horas vagas. Neymar, por exemplo, ainda não disse se pretende levar Bruna Marquezine. Certamente, o craque do Brasil estará com seu pai, amigos inseparáveis e grandes parceiros, e com alguns de seus "parças".

Alguns familiares de profissionais da seleção acharam o valor pedido pela CBF alto demais. O fato de o país-sede ter escrita e idioma confusos e não ser um destino comum aos brasileiros freou a vontade de embarcar com a seleção. Nem todos levarão seus familiares.

No Brasil, quatro anos atrás, algumas das principais seleções credenciadas para a disputa optaram em ter as famílias ao lado. Foi o caso, por exemplo, da Holanda, para quem a seleção perdeu de 3 a 0 na disputa do terceiro lugar, em Brasília. Foi a partida seguinte aos 7 a 1 da Alemanha.

O time holandês, que não está na Copa da Rússia, abriu a sua concentração para os familiares. Antes do jogo contra a Espanha, ainda na primeira fase, os atletas comandados pelo técnico Louis Van Gaal almoçaram com mulheres e filhos. Uma festa. Foram depois para a Arena Fonte Nova, na Bahia, e ganharam de 5 a 1 do time espanhol. Os italianos, que também não vão para a Rússia neste ano, se valeram do mesmo expediente no Brasil.

Não há dúvidas para Tite e Edu Gaspar de que a presença dos familiares e amigos será benéfica para os jogadores. A CBF muda nesse sentido, ou se aprimora, abrindo a concentração em dias de folga, também porque entende que isso pode ajudar muito os atletas na missão de disputar bem a Copa do Mundo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;