Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Santos recebe Real Garcilaso por ponta do grupo da Libertadores e tranquilidade



24/05/2018 | 06:20


O Santos entra em campo nesta quinta-feira em busca da liderança do seu grupo na Copa Libertadores e também de um pouco de paz. Classificado antecipadamente às oitavas de final, o time recebe o Real Garcilaso, do Peru, às 19h15, no estádio da Vila Belmiro, em Santos, e precisa de uma vitória para sacramentar a passagem de fase em primeiro lugar no Grupo F, sem depender de qualquer outro resultado.

Líder da chave com nove pontos, o Santos é seguido por Nacional, do Uruguai, com oito, e Estudiantes e Real Garcilaso, ambos com cinco, sendo que os três têm chances de ficar com a segunda vaga na próxima fase da Libertadores, ainda que as chances do time peruano sejam meramente remotas.

Porém, a situação do Santos é bem pior do que a tabela indica. O time perdeu quatro dos últimos seis jogos que fez, com apenas duas vitórias, em jogos contra adversários considerados modestos - casos do Luverdense e do Paraná -, o que deixa o elenco e também o técnico Jair Ventura sob pressão, mesmo que o discurso oficial do presidente José Carlos Peres seja de apoio ao treinador.

"Queremos dar opções ao Jair e confiamos nele. É um treinador moderno e nos ajuda muito. Nunca pensamos em trocar o treinador", afirmou o dirigente, tentando minimizar as cobranças da torcida em relação ao técnico, que venceu apenas 12 dos 28 jogos em que comandou o Santos, com aproveitamento de 48% dos pontos.

Para dificultar a vida de Jair Ventura, o Santos tem alguns problemas, sendo o principal deles a ausência do volante Alison, que sofreu lesão no joelho direito no clássico do último domingo contra o São Paulo. O treinador não tem outra peça com o mesmo poder de marcação do titular e, assim, deve apostar na experiência de Renato para compor o meio de campo.

Além disso, o lateral-direito Victor Ferraz, que ainda não atuou na Libertadores nesta temporada, sofre com dores lombares e ficou fora do treino da véspera do confronto contra o Real Garcilaso. Assim, Daniel Guedes pode receber nova oportunidade no time.

Jair Ventura ainda trabalha com a oportunidade de trocar o responsável pela armação do Santos, considerada a principal carência do elenco. A função foi exercida por Vitor Bueno nos últimos jogos, mas ele não agradou e agora poderá ser retomada por Jean Mota, com a entrada de Léo Cittadini, até para que o meio de campo não fique tão vulnerável diante da ausência de Alison.

Mas a confiança do time está depositada no bom rendimento como mandante, com cinco vitórias e 100% de aproveitamento na Libertadores, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro. "Está todo mundo chateado. Mas estaria mais desesperado se não estivesse ganhando em casa também", lembrou David Braz.

Se o Santos entra em campo para buscar a liderança do seu grupo e afastar a crise, o Real Garcilaso tem pretensões mais modestas. E se as chances de classificação às oitavas de final são modestas, o time crê ser viável se garantir na Copa Sul-Americana com o terceiro lugar do seu grupo.

Para isso, porém, precisa superar um momento complicado, pois não vence há seis jogos, com três empates e três derrotas nesse período. Além disso, não contará com o atacante Diego Mayorga, afastado após ser detido embriagado. Mas a única vitória do time peruano na fase de grupos foi exatamente sobre o Santos por 2 a 0, em casa, na sua estreia na chave.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Santos recebe Real Garcilaso por ponta do grupo da Libertadores e tranquilidade


24/05/2018 | 06:20


O Santos entra em campo nesta quinta-feira em busca da liderança do seu grupo na Copa Libertadores e também de um pouco de paz. Classificado antecipadamente às oitavas de final, o time recebe o Real Garcilaso, do Peru, às 19h15, no estádio da Vila Belmiro, em Santos, e precisa de uma vitória para sacramentar a passagem de fase em primeiro lugar no Grupo F, sem depender de qualquer outro resultado.

Líder da chave com nove pontos, o Santos é seguido por Nacional, do Uruguai, com oito, e Estudiantes e Real Garcilaso, ambos com cinco, sendo que os três têm chances de ficar com a segunda vaga na próxima fase da Libertadores, ainda que as chances do time peruano sejam meramente remotas.

Porém, a situação do Santos é bem pior do que a tabela indica. O time perdeu quatro dos últimos seis jogos que fez, com apenas duas vitórias, em jogos contra adversários considerados modestos - casos do Luverdense e do Paraná -, o que deixa o elenco e também o técnico Jair Ventura sob pressão, mesmo que o discurso oficial do presidente José Carlos Peres seja de apoio ao treinador.

"Queremos dar opções ao Jair e confiamos nele. É um treinador moderno e nos ajuda muito. Nunca pensamos em trocar o treinador", afirmou o dirigente, tentando minimizar as cobranças da torcida em relação ao técnico, que venceu apenas 12 dos 28 jogos em que comandou o Santos, com aproveitamento de 48% dos pontos.

Para dificultar a vida de Jair Ventura, o Santos tem alguns problemas, sendo o principal deles a ausência do volante Alison, que sofreu lesão no joelho direito no clássico do último domingo contra o São Paulo. O treinador não tem outra peça com o mesmo poder de marcação do titular e, assim, deve apostar na experiência de Renato para compor o meio de campo.

Além disso, o lateral-direito Victor Ferraz, que ainda não atuou na Libertadores nesta temporada, sofre com dores lombares e ficou fora do treino da véspera do confronto contra o Real Garcilaso. Assim, Daniel Guedes pode receber nova oportunidade no time.

Jair Ventura ainda trabalha com a oportunidade de trocar o responsável pela armação do Santos, considerada a principal carência do elenco. A função foi exercida por Vitor Bueno nos últimos jogos, mas ele não agradou e agora poderá ser retomada por Jean Mota, com a entrada de Léo Cittadini, até para que o meio de campo não fique tão vulnerável diante da ausência de Alison.

Mas a confiança do time está depositada no bom rendimento como mandante, com cinco vitórias e 100% de aproveitamento na Libertadores, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro. "Está todo mundo chateado. Mas estaria mais desesperado se não estivesse ganhando em casa também", lembrou David Braz.

Se o Santos entra em campo para buscar a liderança do seu grupo e afastar a crise, o Real Garcilaso tem pretensões mais modestas. E se as chances de classificação às oitavas de final são modestas, o time crê ser viável se garantir na Copa Sul-Americana com o terceiro lugar do seu grupo.

Para isso, porém, precisa superar um momento complicado, pois não vence há seis jogos, com três empates e três derrotas nesse período. Além disso, não contará com o atacante Diego Mayorga, afastado após ser detido embriagado. Mas a única vitória do time peruano na fase de grupos foi exatamente sobre o Santos por 2 a 0, em casa, na sua estreia na chave.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;