Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 14 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

'Governo Atila me liga para falar o que tem para fazer', diz Alaíde

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

18/05/2018 | 02:00


No exercício do cargo de prefeita de Mauá, a vice-prefeita Alaíde Damo (MDB) revelou que depende de ordens de secretários de confiança do prefeito Atila Jacomussi (PSB), que está preso na carceragem da PF (Polícia Federal) desde o dia 9 acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, para saber o que fazer no governo. O Diário conversou com Alaíde nesta quinta-feira, na porta de sua casa, antes das 17h. Ela assumiu na terça-feira, a portas fechadas, depois de Atila pedir afastamento por até 15 dias, como forma de estratégia para evitar cassação e salvar o governo.

Questionada sobre qual seria sua agenda como prefeita interina nesta sexta-feira, Alaíde confirmou que depende de orientações do trio pró-Atila. “Bom, amanhã eu tenho... eles me ligam, para falar (o que tem de ser feito). O núcleo (do governo). Eles estão me auxiliando, né. Porque eu entrei de repente e tenho que saber o que acontece (ela está na fase de interação, interveio Vanessa Damo, que acompanhou a entrevista). O núcleo que Alaíde se refere são as três figuras mais próximas de Atila, o presidente da Câmara, Admir Jacomussi (PRP), pai do prefeito, o chefe de Gabinete e secretário de Comunicação, Márcio de Souza, e o superintendente da Sama (Saneamento Básico do Município de Mauá), Israel Aleixo (PSB).

A vaga de vice de Atila caiu no colo de Alaíde nas eleições de 2016, depois de o candidato a vice escolhido, Júnior Orosco, ter sido enquadrado na Lei da Ficha Limpa. Mulher do ex-prefeito Leonel Damo (sem partido), Alaíde nunca foi política e seu último cargo público foi de gestora do Fundo Social de Solidariedade (cargo geralmente ocupado pelas primeiras-damas), na segunda gestão do marido, entre 2005 e 2008.

Leia mais detalhes da entrevista com Alaíde Damo na edição desta sexta-feira do Diário. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Governo Atila me liga para falar o que tem para fazer', diz Alaíde

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

18/05/2018 | 02:00


No exercício do cargo de prefeita de Mauá, a vice-prefeita Alaíde Damo (MDB) revelou que depende de ordens de secretários de confiança do prefeito Atila Jacomussi (PSB), que está preso na carceragem da PF (Polícia Federal) desde o dia 9 acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, para saber o que fazer no governo. O Diário conversou com Alaíde nesta quinta-feira, na porta de sua casa, antes das 17h. Ela assumiu na terça-feira, a portas fechadas, depois de Atila pedir afastamento por até 15 dias, como forma de estratégia para evitar cassação e salvar o governo.

Questionada sobre qual seria sua agenda como prefeita interina nesta sexta-feira, Alaíde confirmou que depende de orientações do trio pró-Atila. “Bom, amanhã eu tenho... eles me ligam, para falar (o que tem de ser feito). O núcleo (do governo). Eles estão me auxiliando, né. Porque eu entrei de repente e tenho que saber o que acontece (ela está na fase de interação, interveio Vanessa Damo, que acompanhou a entrevista). O núcleo que Alaíde se refere são as três figuras mais próximas de Atila, o presidente da Câmara, Admir Jacomussi (PRP), pai do prefeito, o chefe de Gabinete e secretário de Comunicação, Márcio de Souza, e o superintendente da Sama (Saneamento Básico do Município de Mauá), Israel Aleixo (PSB).

A vaga de vice de Atila caiu no colo de Alaíde nas eleições de 2016, depois de o candidato a vice escolhido, Júnior Orosco, ter sido enquadrado na Lei da Ficha Limpa. Mulher do ex-prefeito Leonel Damo (sem partido), Alaíde nunca foi política e seu último cargo público foi de gestora do Fundo Social de Solidariedade (cargo geralmente ocupado pelas primeiras-damas), na segunda gestão do marido, entre 2005 e 2008.

Leia mais detalhes da entrevista com Alaíde Damo na edição desta sexta-feira do Diário. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;