Fechar
Publicidade

Domingo, 15 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Ribeirão Pires ganha quase paróquia na Vila Suely amanhã

Após período de transição de dois anos, unidade deverá ser a 103ª da Diocese de Santo André; bispo visita a sede do Diário para bênção


Tauana Marin

12/05/2018 | 07:00


A Diocese de Santo André inaugura amanhã, às 9h, na Vila Suely, a quase paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Ribeirão Pires. Atual capela da matriz da cidade, a comunidade passará por período de transição pelo período de até dois anos para que se torne a 103ª igreja da região. 

“Em comparação, a criança nasce, tem período de infância e adolescência, para depois se tornar adulta. A quase-paróquia é esse período em que uma comunidade, que será uma paróquia, ainda não tem uma autonomia financeira, em vários aspectos. Então, comparando isso à vida de uma pessoa é o período em que conquista a maioridade, sai da casa dos pais. É uma medida prudente”, explica o bispo dom Pedro Carlos Cipollini, em visita, ontem, ao Diário. 

O padre Guilherme Melo Sanches, complementa que a quase paróquia é um instrumento jurídico, burocrático, para que a capela se torne, no futuro, uma igreja. “É como se fosse uma experiência, para ver como vai funcionar o trabalho das pastorais, a presença de um padre no local, a questão da subsistência. No entanto, a ‘quase’ tem todas as liberdades de uma paróquia. Isso é sinal de que a demanda cresceu por parte da comunidade local.”

CORRUPÇÃO

Diante do cenário de turbulência política na região, tendo em vista o cumprimento de 19 mandados de busca e apreensão e prisão de prefeito e secretário de Mauá na Operação Prato Feito, o bispo destaca que a “corrupção é uma desgraça nacional”. “A corrupção é o maior problema do Brasil, porque dela brotam violência, fome, o descuido na Saúde por conta dos recursos desviados. E quando se trata de corrupção envolvendo os mais carentes, como crianças famintas, é algo que envergonha.” 

Segundo o bispo, “as pessoas que erraram devem ser punidas, para que haja o mínimo de esperança na população”. “No ‘andar de cima’ pode tudo e, no ‘de baixo’, nada. As leis devem servir para os dois ‘andares’”, comenta.

''''Em tempos de fake news, devemos ser sal’

Em visita à sede do Diário na tarde de ontem para proferir bênção especial em virtude do aniversário de 60 anos do periódico, o bispo da Diocese de Santo André, dom Pedro Carlos Cipollini, aproveitou para destacar o papel da imprensa “em tempos de fake news”.

“Em tempos como os atuais é difícil sermos a luz na escuridão, mas quem sabe ser conhece seu valor. O sal na época de Jesus era utilizado para conservar a carne, e não apenas como tempero. Então, devemos ser sal, não deixar o mundo se perder”, observou.

Além disso, o líder religioso enfatizou a importância do jornal em levar aos leitores histórias de bem. “Isso traz calma e paz para que as pessoas não achem que estamos vivendo próximo ao apocalipse, diante de todas as tragédias que vemos. O Diário tem grande amplitude, alcança muitas pessoas, por isso a necessidade de noticiar coisas boas e com credibilidade, como vem fazendo. Raro em tempos de fake news”, completou. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Ribeirão Pires ganha quase paróquia na Vila Suely amanhã

Após período de transição de dois anos, unidade deverá ser a 103ª da Diocese de Santo André; bispo visita a sede do Diário para bênção

Tauana Marin

12/05/2018 | 07:00


A Diocese de Santo André inaugura amanhã, às 9h, na Vila Suely, a quase paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Ribeirão Pires. Atual capela da matriz da cidade, a comunidade passará por período de transição pelo período de até dois anos para que se torne a 103ª igreja da região. 

“Em comparação, a criança nasce, tem período de infância e adolescência, para depois se tornar adulta. A quase-paróquia é esse período em que uma comunidade, que será uma paróquia, ainda não tem uma autonomia financeira, em vários aspectos. Então, comparando isso à vida de uma pessoa é o período em que conquista a maioridade, sai da casa dos pais. É uma medida prudente”, explica o bispo dom Pedro Carlos Cipollini, em visita, ontem, ao Diário. 

O padre Guilherme Melo Sanches, complementa que a quase paróquia é um instrumento jurídico, burocrático, para que a capela se torne, no futuro, uma igreja. “É como se fosse uma experiência, para ver como vai funcionar o trabalho das pastorais, a presença de um padre no local, a questão da subsistência. No entanto, a ‘quase’ tem todas as liberdades de uma paróquia. Isso é sinal de que a demanda cresceu por parte da comunidade local.”

CORRUPÇÃO

Diante do cenário de turbulência política na região, tendo em vista o cumprimento de 19 mandados de busca e apreensão e prisão de prefeito e secretário de Mauá na Operação Prato Feito, o bispo destaca que a “corrupção é uma desgraça nacional”. “A corrupção é o maior problema do Brasil, porque dela brotam violência, fome, o descuido na Saúde por conta dos recursos desviados. E quando se trata de corrupção envolvendo os mais carentes, como crianças famintas, é algo que envergonha.” 

Segundo o bispo, “as pessoas que erraram devem ser punidas, para que haja o mínimo de esperança na população”. “No ‘andar de cima’ pode tudo e, no ‘de baixo’, nada. As leis devem servir para os dois ‘andares’”, comenta.

''''Em tempos de fake news, devemos ser sal’

Em visita à sede do Diário na tarde de ontem para proferir bênção especial em virtude do aniversário de 60 anos do periódico, o bispo da Diocese de Santo André, dom Pedro Carlos Cipollini, aproveitou para destacar o papel da imprensa “em tempos de fake news”.

“Em tempos como os atuais é difícil sermos a luz na escuridão, mas quem sabe ser conhece seu valor. O sal na época de Jesus era utilizado para conservar a carne, e não apenas como tempero. Então, devemos ser sal, não deixar o mundo se perder”, observou.

Além disso, o líder religioso enfatizou a importância do jornal em levar aos leitores histórias de bem. “Isso traz calma e paz para que as pessoas não achem que estamos vivendo próximo ao apocalipse, diante de todas as tragédias que vemos. O Diário tem grande amplitude, alcança muitas pessoas, por isso a necessidade de noticiar coisas boas e com credibilidade, como vem fazendo. Raro em tempos de fake news”, completou. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;