Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Após trocar insultos por meses, Trump e Kim vão se reunir em Cingapura

Associated Press Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


11/05/2018 | 06:00


Considerada a Suíça da Ásia, a pequena ilha de Cingapura será o local do encontro entre o presidente americano, Donald Trump, e o ditador norte-coreano, Kim Jong-un, que até poucos meses trocavam insultos e ameaças. Marcada para o dia 12 de junho, a cúpula será a primeira entre líderes dos dois países e terá na agenda o fim do programa nuclear de Pyongyang, um objetivo ambicioso que poucos analistas consideram factível.

Trump pretende entrar para a história como o presidente americano que garantiu a paz na Península Coreana, mas a experiência anterior mostra que sua tarefa não será simples. Nos últimos 25 anos, vários governos de Washington fecharam acordos com a Coreia do Norte para suspensão de seu programa nuclear. Todos foram abandonados, enquanto Pyongyang avançava na construção de seu arsenal.

No poder desde dezembro de 2011, Kim Jong-un baseou grande parte de sua legitimidade no desenvolvimento de armas nucleares, apresentadas como uma necessidade para a sobrevivência do país diante da agressão dos EUA.

Há quase um consenso entre os analistas de que o ditador norte-coreano não abandonará suas ambições nucleares, a menos que esteja disposto a realizar uma transformação radical no país mais fechado do mundo.

"O muito antecipado encontro entre mim e Kim Jong-un ocorrerá em Cingapura em 12 de junho. Nós vamos tentar torná-lo um momento muito especial para a paz mundial!", escreveu Trump no Twitter poucas horas depois de receber três cidadãos americanos libertados pelo regime norte-coreano, no que interpretou como um gesto de boa vontade do ditador da Coreia do Norte.

Trump e a primeira-dama, Melania, recepcionaram o grupo no meio da madrugada, em um cenário que exaltava o patriotismo de símbolos cultivado pelo presidente. Atrás do avião que transportou os ex-prisioneiros, havia uma enorme bandeira americana suspensa por dois guindastes. Quando apareceram diante das câmeras, os três fizeram sinal da vitória com as mãos levantadas, sob aplausos de Trump e Melania. "Em nome do povo americano, bem-vindos à casa!", escreveu o presidente no Twitter.

Em entrevista, Trump classificou de "maravilhoso" o fato de os três cidadãos terem sido libertados. O desfecho contrasta com o de Otto Warmbier, o estudante que passou 17 meses em uma prisão norte-coreana, da qual saiu em coma em junho, para morrer nos EUA poucos dias depois.

"Estava subentendido que conseguiríamos ter essas pessoas incríveis durante o encontro, para trazê-las de volta para casa", disse Trump. "Ele foi amável em libertá-las antes da reunião. Quer dizer, francamente, não pensávamos que isso iria acontecer, mas aconteceu."

Neutralidade

Com 5,5 milhões de habitantes, Cingapura é considerada um território neutro, com boas relações com EUA e Coreia do Norte. Outra vantagem é a relativa proximidade com Pyongyang, o que permitirá que a cidade-Estado seja alcançada pelo avião de Kim sem necessidade de escalas.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;