Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Thriller psicológico 'Todos lo Saben' decepciona em Cannes



09/05/2018 | 07:00


No novo formato do Festival de Cannes, a imprensa, que antes via os filmes antecipadamente, agora tem de vê-los com o público, mas não na mesma sala. A primeira experiência ocorreu na noite de terça-feira, 8, com o thriller em língua espanhola do iraniano Asghar Farhadi. Mas, para chegar a Todos lo Saben, foi preciso passar pela cerimônia de abertura. Foi a mais inesperada de todas, em muito tempo. Edouard Baer foi o apresentador. Escreveu os próprios textos.

O 71º festival homenageia, no cartaz, Jean-Luc Godard e seu Pierrot le Fou, que passou no Brasil como O Demônio das Onze Horas (1965). Baer colocou no telão um diálogo de Pierrot e Marianne, Jean-Paul Belmondo e Anna Karina - ela estava na plateia. Ambos conversam sobre o que se pode, ou não, fazer. Baer transformou a conversa numa meditação sobre os rumos do cinema. Foi muito aplaudido. Ele chamou o delegado-geral Thierry Frémaux, o homem que organiza a seleção oficial, para apresentar o júri. A presidente Cate Blanchett teve direito a um clipe que fez a síntese de sua carreira. O recorte privilegiou certas atitudes feministas da atriz - agradecendo prêmios da Academia, por exemplo.

A representatividade das mulheres na indústria foi tema da coletiva do júri. São nove integrantes, quatro mulheres, quatro homens, mais a presidente, um escore de 5 a 4 para elas. Cate enfatizou a importância desse momento como marco da luta por igualdade na indústria. Mas a pergunta mais interessante não foi sobre questões de gênero, nem sobre uma eventual Palma de Ouro de gênero, já que, entre 21 filmes concorrentes, apenas três são dirigidos por mulheres. A pergunta de Rodrigo Fonseca, blogueiro do jornal O Estado de S. Paulo, colocou a questão crucial dessa seleção - há muita gente nova e talentosa, mas, concorrendo com esses novos talentos, há um ícone revolucionário. Como será, para esse júri, avaliar LeLivre d?Imge, novo longa de Godard, de 87 anos? Nos anos 1960, ele transformou/subverteu a linguagem e a política do cinema. E agora?

E veio o thriller de Farhadi. Penélope Cruz volta à Espanha para o casamento da irmã. O marido, Ricardo Darín, ficou na Argentina. Ela reencontra uma antiga paixão, Javier Bardem. Ocorre uma tragédia, um sequestro. Segredos familiares são revelados, e alguns amplamente conhecidos. Todos sabem. Os tímidos aplausos foram paralisados por um gélido silêncio. Mas o filme não é ruim. Farhadi retoma temas e situações de O Passado transpostos de uma família franco-iraniana para a Espanha.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;