Fechar
Publicidade

Sábado, 2 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Salário-maternidade, mães e pais adotivos


Priscila Arraes Reino*

06/05/2018 | 07:28


O direito de ser protegido é tão importante para o bebê e a criança que está previsto na Constituição Federal. Leis específicas garantem à mãe (biológica ou adotiva) ou ao pai adotivo, 120 dias de salário-maternidade, no mínimo, que pode ser requerido diretamente na empresa, por quem está trabalhando, ou, nos demais casos, diretamente no INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), inclusive pelo telefone 135.

A garantia que se pretende dar é ao bebê, que precisa ser amamentado e cuidado em seus primeiros meses de vida, e à criança, que veio de abrigo ou de situação de risco e precisa se adaptar ao novo lar e à nova família. Tanto mãe biológica quanto mãe e pai adotivos são tratados da mesma maneira.

Para requerer salário-maternidade é necessário apresentar alguns documentos. A mãe pode fazer a solicitação a partir de 28 dias antes do parto, apresentando atestado médico à empresa se estiver empregada, ou ao INSS, nos demais casos.

No INSS, tanto a mãe biológica quanto pais adotantes precisarão apresentar documento original de identificação com foto, CPF, carteira de trabalho, e, se possuir, carnês e outros comprovantes de recolhimento de contribuições ao INSS. Também a certidão de nascimento da criança, no caso de requerimento após o seu nascimento.

O valor do salário de benefício depende da espécie de segurado e da sua remuneração: para empregada(o) ou avulsa(o) com salário fixo o salário de benefício corresponde ao valor da remuneração do seu afastamento, sujeito ao teto do salário de ministro do STF; para empregada(o) ou avulsa(o) com salário variável, o salário de benefício será correspondente ao valor da média dos últimos seis meses, sujeito ao teto do salário de ministro do STF; para o contribuinte individual, facultativo ou desempregada(o) o salário de benefício será corresponde ao valor da média dos últimos 12 meses, não podendo ser menor que o salário mínimo; para empregada(o) doméstica(o) o valor do salário de benefício é o último salário de contribuição, mas não pode ser menor que um salário mínimo e para o segurada(o) especial (rural) o valor do salário de benefício será de um salário mínimo.

O desemprego obriga a atender outro requisito que é o de estar no período de graça, mesmo não recolhendo mais para o INSS, mantém direitos. E o segurado que tiver atividades concomitantes receberá salário-maternidade por cada uma delas se tiver feito recolhimento em todas.

Por fim, o INSS anunciou, em fevereiro de 2018, que começaria a implantar automaticamente os salários-maternidade no nome da segurada, logo após o registro do bebê. No entanto, isso só acontece se o registro da criança for feito em cartórios que enviem os dados da certidão de nascimento para o Sistema Nacional de Informações do Registro Civil. Dessa forma, quem quiser ter acesso vai precisar se informar antes, no cartório onde pretende registrar seu filho, se o cartório envia informações ao SNIRC. 


* Coordenadora adjunta do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário) no Mato Grosso do Sul



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;