Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Sessão nostalgia

Acervo Carlos ferreira/Santo André Ontem e Hoje  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Exposição em cartaz no Museu de Santo André tem imagens de locais simbólicos da cidade


Miriam Gimenes

02/05/2018 | 07:00


 O ato de imprimir fotos parece estar cada vez mais caindo em desuso, seja pela grande quantidade de imagens que registramos diariamente ou até mesmo pela falta de espaço para armazená-las. Mas o fato é que não há quem não goste de vê-las impressas, tocá-las e recordá-las. Tanto que acaba de ser aberta a exposição Espaços Simbólicos da Cidade, no Museu de Santo André Dr. Octaviano Armando Gaiarsa, que deve ter longa duração. Trata-se de iniciativa do espaço com o apoio página do Facebook Santo André, Ontem e Hoje, com quase 13.500 integrantes, que até agora reunia as imagens de maneira virtual.

Segundo a coordenadora do Museu Mayra Gusman, a ideia de ‘materializar’ essas lembranças surgiu em setembro. “Foi um processo e curadoria colaborativa do museu junto com o grupo do Face.” Em um primeiro momento, foram elencados os espaços simbólicos que veem à mente quando se pensa na cidade, em seguida, as fotos foram postadas nas redes sociais e, por fim, cerca de 100 pessoas selecionaram as 200 imagens a serem expostas. “Temos fotos dos parques, praças, Paranapiacaba, igreja, das principais ruas, espaços culturais, todas de acervo pessoal e do museu”, explica. Entre os pontos bem conhecidos, estão O Moinho São Jorge, as igrejas Matriz e Nossa Senhora do Carmo e a Mansão Tognato, por exemplo.

Mayra fala do espaço que hoje abriga o Sesc de Santo André, que antes apenas um local gramado. “Dá para ver bem como o espaço mudou, fizemos o antes e o depois. Tem outra também bem interessante que mostra a Padaria Assumpção entregando pão de charrete. É uma viagem no tempo.” O museu fica na Rua Sen. Flaquer, 470, e pode ser visitado de segunda a sexta, das 8h30 às 16h30 e, aos sábados, das 9h às 14h30. Gratuito.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sessão nostalgia

Exposição em cartaz no Museu de Santo André tem imagens de locais simbólicos da cidade

Miriam Gimenes

02/05/2018 | 07:00


 O ato de imprimir fotos parece estar cada vez mais caindo em desuso, seja pela grande quantidade de imagens que registramos diariamente ou até mesmo pela falta de espaço para armazená-las. Mas o fato é que não há quem não goste de vê-las impressas, tocá-las e recordá-las. Tanto que acaba de ser aberta a exposição Espaços Simbólicos da Cidade, no Museu de Santo André Dr. Octaviano Armando Gaiarsa, que deve ter longa duração. Trata-se de iniciativa do espaço com o apoio página do Facebook Santo André, Ontem e Hoje, com quase 13.500 integrantes, que até agora reunia as imagens de maneira virtual.

Segundo a coordenadora do Museu Mayra Gusman, a ideia de ‘materializar’ essas lembranças surgiu em setembro. “Foi um processo e curadoria colaborativa do museu junto com o grupo do Face.” Em um primeiro momento, foram elencados os espaços simbólicos que veem à mente quando se pensa na cidade, em seguida, as fotos foram postadas nas redes sociais e, por fim, cerca de 100 pessoas selecionaram as 200 imagens a serem expostas. “Temos fotos dos parques, praças, Paranapiacaba, igreja, das principais ruas, espaços culturais, todas de acervo pessoal e do museu”, explica. Entre os pontos bem conhecidos, estão O Moinho São Jorge, as igrejas Matriz e Nossa Senhora do Carmo e a Mansão Tognato, por exemplo.

Mayra fala do espaço que hoje abriga o Sesc de Santo André, que antes apenas um local gramado. “Dá para ver bem como o espaço mudou, fizemos o antes e o depois. Tem outra também bem interessante que mostra a Padaria Assumpção entregando pão de charrete. É uma viagem no tempo.” O museu fica na Rua Sen. Flaquer, 470, e pode ser visitado de segunda a sexta, das 8h30 às 16h30 e, aos sábados, das 9h às 14h30. Gratuito.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;