Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Em oposição a Trump, presidente da China se compromete com abertura econômica



10/04/2018 | 01:49


Em uma firme defesa do livre-comércio global, o presidente da China, Xi Jinping, afirmou em evento em Pequim que as reformas econômicas do país têm tido sucesso e que o governo dele pretende ampliar as importações "necessárias à população".

"Vamos ampliar de forma significativa o acesso externo ao mercado chinês este ano, à medida que estamos trabalhando persistentemente para implementar medidas de abertura o mais rápido o possível. Acreditamos que essa abertura vai nos levar a um maior progresso", afirmou Xi, durante o Fórum Boao para a Ásia.

O presidente chinês se comprometeu ainda em implementar as medidas de abertura econômica no país, especialmente nos setores de capitais e automobilístico. Em troca, Xi espera que os países reduzam as restrições de comércio de produtos tecnológicos.

O tom do discurso de Xi contrasta com a linha adotada por seu homólogo dos Estados Unidos, Donald Trump, que cada vez mais tem tomado medidas protecionistas e atacado organismos multilaterais.

Sem mencionar as recentes barreiras tarifárias impostas pelos Estados Unidos, Xi disse que acredita que "o diálogo é a melhor maneira para resolver disputas". "A globalização pode ser mais aberta e inclusiva, com o fortalecimento dos sistemas de negociação multilateral", ressaltou.

Ao reforçar a disposição em "contribuir com o mundo", Xi afirmou que a China está assumindo as responsabilidades de um "país global", sem ameaçar os outros ou prejudicar a ordem global existente. "Nós já contribuímos para mitigar a crise financeira na Ásia e no mundo. Essa mentalidade de Guerra Fria de que estamos competindo por espaço está fora de lugar. O que acreditamos é que os Estados devem se abster de tentar ampliar sua dominância", disse.

O evento conta com a presença, entre outros, da diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e de empresários de diversos setores.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em oposição a Trump, presidente da China se compromete com abertura econômica


10/04/2018 | 01:49


Em uma firme defesa do livre-comércio global, o presidente da China, Xi Jinping, afirmou em evento em Pequim que as reformas econômicas do país têm tido sucesso e que o governo dele pretende ampliar as importações "necessárias à população".

"Vamos ampliar de forma significativa o acesso externo ao mercado chinês este ano, à medida que estamos trabalhando persistentemente para implementar medidas de abertura o mais rápido o possível. Acreditamos que essa abertura vai nos levar a um maior progresso", afirmou Xi, durante o Fórum Boao para a Ásia.

O presidente chinês se comprometeu ainda em implementar as medidas de abertura econômica no país, especialmente nos setores de capitais e automobilístico. Em troca, Xi espera que os países reduzam as restrições de comércio de produtos tecnológicos.

O tom do discurso de Xi contrasta com a linha adotada por seu homólogo dos Estados Unidos, Donald Trump, que cada vez mais tem tomado medidas protecionistas e atacado organismos multilaterais.

Sem mencionar as recentes barreiras tarifárias impostas pelos Estados Unidos, Xi disse que acredita que "o diálogo é a melhor maneira para resolver disputas". "A globalização pode ser mais aberta e inclusiva, com o fortalecimento dos sistemas de negociação multilateral", ressaltou.

Ao reforçar a disposição em "contribuir com o mundo", Xi afirmou que a China está assumindo as responsabilidades de um "país global", sem ameaçar os outros ou prejudicar a ordem global existente. "Nós já contribuímos para mitigar a crise financeira na Ásia e no mundo. Essa mentalidade de Guerra Fria de que estamos competindo por espaço está fora de lugar. O que acreditamos é que os Estados devem se abster de tentar ampliar sua dominância", disse.

O evento conta com a presença, entre outros, da diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e de empresários de diversos setores.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;