Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Agora treinador, Marcinho se declara ao São Caetano

Fabrício Cortinove/AD São Caetano/Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ex-meia realizou o curso da CBF e aguarda oportunidades para exercer a nova função, com sonho de um dia dirigir o Azulão


João Victor Romoli

12/02/2018 | 07:00


O torcedor do São Caetano deve ter saudades do time que levantou a taça do Campeonato Paulista de 2004. Um dos principais jogadores daquele grupo era o meia Marcinho. Agora, porém, o ex-jogador se concentra para fazer sucesso em outra profissão: a de treinador.

Ele contou que até quando estava em atividade já pensava no que fazer ao fim da carreira. “Dentro de campo eu já observava o sistema tático, desde o comportamento dos treinadores aos diretores. Trabalhar com atletas faz com que eu tenha o sentimento de estar vivo”, disse.

O último clube da carreira de Marcinho foi o Amparo, em 2014, quando se aposentou, aos 34 anos. Lá foi onde teve a primeira oportunidade fora dos gramados. Ao mesmo tempo em que jogava, ele era gestor do clube. Com dificuldade de administrar as duas coisas, o ex-meia revelou como foi a decisão de focar em ser técnico. “Sempre estive preparado para parar, e já estava vendo os cursos para fazer enquanto jogava, mas a decisão chegou quando a minha mulher me falou: ‘Eu não vejo mais brilho nos seus olhos’. Então, aquilo ficou na minha cabeça e não pensei duas vezes. Avisei a meus familiares e isso tirou 1 milhão de toneladas das minhas costas. Agradeço minha carreira, mas agora o foco é ser treinador”, falou.

O ex-jogador aproveitou esse tempo sem atuar para estudar visando o novo cargo. Ele fez o curso da CBF acompanhado de diversos jogadores e tirou a licença B para poder ficar à beira do campo. Destacou que foi muito importante neste início, já que pôde ter conhecimento de outras áreas. “No curso aprendi sobre leis, preparação fisiológica, psicológica e vi como funciona isso. Quero fazer outro para tirar a licença A. Tenho que me preparar porque na minha vida tudo acontece muito rápido. Gosto de ler, de me aprimorar, e não tenho pressa. Pretendo ganhar títulos como fiz quando jogador e quem sabe um dia conseguir treinar o São Caetano”, completou.

Marcinho defendeu as camisas, além do Amparo, de Paulista, Corinthians, Palmeiras, Cruzeiro, Atlético-PR, Ituano, Ponte Preta e Red Bull, além de passagens por Kashima Antlers, do Japão, e Al-Ahli, da Arábia Saudita. Mas guarda o São Caetano no coração.

O agora treinador aproveitou para relembrar sua passagem pelo clube e disse o quanto foi importante para a carreira. “O São Caetano me projetou. Tive passagem pelo Corinthians antes, mas não apareci muito. Já as atuações que tive aqui no (Grande) ABC me fizeram chegar à Seleção sub-20 e à sub-23 também. O título de 2004 me firmou no cenário do futebol e me fez chegar ainda à Seleção principal. Foi o melhor momento da minha carreira. Todos os jogadores se entendiam no São Caetano. Independentemente do treinador, o que fez a diferença foi o espírito do grupo, que era muito alegre. Esse elenco me marcou muito. Se hoje se lembram de Marcinho, é por conta do São Caetano”, disse o ex-atleta,

Segundo maior artilheiro da história do Azulão, com 45 gols, ficando atrás somente de Adhemar, que soma 68, o técnico se declarou ao clube. “Olho para este estádio e lembro de cada jogo que fiz aqui. É um lugar que me sinto muito confortável. Sou o segundo maior artilheiro do clube. E isso tudo me deu confiança e amadurecimento para o restante da minha carreira. O São Caetano é minha segunda casa. Toda vez que eu penso no clube me faz bem”, destacou.
Ele aproveitou para falar o que pretende realizar nesta temporada, enquanto não tira a licença A da CBF. “Quero fazer alguns estágios com técnicos que me dirigiram. São pessoas que me dão oportunidades. Sei que tenho capacidade para gerir pessoas. No futebol isso é importante. Tite, Muricy (Ramalho) e (Paulo) Autuori fazem muito isso. Me inspiro em todos, tiro um pouco de cada um”, finalizou. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;