Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 21 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Consórcio cobra R$ 9,1 mi judicialmente de Diadema

Orlando Filho/Arquivo DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Entidade protesta município que deixou o colegiado sem quitar as dívidas pendentes


Humberto Domiciano
Do Diário do Grande ABC

09/02/2018 | 07:00


O Consórcio Intermunicipal do Grande ABC anunciou a abertura de ação de cobrança judicial contra o município de Diadema, por dívidas que alcançam R$ 9,1 milhões. O valor corresponde ao atraso no pagamento de parcelas mensais entre 2014 e 2016, quando a cidade ainda fazia parte do colegiado de prefeitos.

Os débitos relativos ao ano de 2017, que vão até o mês de outubro (data em que a cidade deixou a entidade de maneira oficial), ainda estão sendo calculados e que devem ser feitos separadamente. Por isso, o passivo da Prefeitura de Diadema tende a aumentar e outras ações devem ser impetradas.

Caso não efetue a quitação, o município corre o risco de ser enquadrado na lista de devedores e perder, assim, a certidão negativa de débitos. Sem esse documento, o Paço diademense fica impedido de celebrar convênios com outros entes federativos, como Estado e União.

De acordo com o secretário executivo do Consórcio, Fabio Palacio (PR), o setor de dívida ativa do colegiado dos prefeitos hoje tem apenas a inscrição de Diadema. “Todos os prazos foram respeitados e, após a comunicação, são 30 dias para o início da execução”, explicou.

Em julho do ano passado, a Câmara de Diadema referendou a saída do município do Consórcio, do qual fazia parte desde a fundação, em 1990. Segundo o prefeito Lauro Michels (PV), a saída teve como base a busca de economia de recursos.

Desde então, a cidade foi sendo gradativamente retirada tanto das discussões do bloco de prefeitos como da participação nos grupos de trabalho. O município foi excluído do Plano de Mobilidade Urbana, entregue ao Ministério das Cidades em julho.

A entidade regional já havia desembolsado R$ 32 milhões para confecção dos projetos básico e funcional do plano. Diadema estava contemplada com corredores de ônibus nas principais avenidas da cidade.

PAGAMENTOS
O presidente do Consórcio, o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), afirmou que o volume de dívidas dos municípios com a entidade pode ser zerado até o fim de 2018. “Acredito que sim. Não temos mais inadimplentes. Todas as cidades, se não quitaram, reduziram em 70% suas dívidas”, destacou. A entidade ainda calcula possíveis débitos herdados do exercício passado.

Durante a reunião de ontem, Morando também anunciou que a redução da contribuição mensal dos municípios – de 0,25% para 0,17% da RCL (Receita Corrente Líquida) – deve ser implementada a partir de março.

São Bernardo, que atualmente repassa mensalmente R$ 451 mil (R$ 5,4 milhões por ano), terá o valor reduzido para R$ 307 mil (R$ 3,7 milhões ao fim de 12 meses). Já em Santo André o total anual tende a cair dos R$ 2,8 milhões previstos para 2017 para R$ 1,9 milhão neste ano. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;