Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 1 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

'Crescimento sinaliza retomada econômica'



03/01/2018 | 07:05


Para Welber Barral, ex-secretário de Comércio Exterior, o superávit de US$ 67 bilhões da balança comercial no ano passado se deve, entre outros fatores, à falta de sobressaltos na política de comércio exterior. Ao Estado, ele disse que a tendência é que as exportações continuem crescendo em 2018 e que as importações também tenham aumento, como reflexo do crescimento esperado para o País este ano.

O que explica o superávit da balança acima do esperado?

Esperava-se um saldo de US$ 60 bilhões para o ano passado e foi ainda maior, porque tivemos aumento das exportações tanto em quantidade quanto em valor dos produtos. E as importações não se recuperaram tanto. Em parte, isso se deve à falta de sobressaltos na política de comércio exterior.

A queda nas importações não mostra que a indústria brasileira enfrentou dificuldades?

O Brasil ainda não superou o slogan do governo militar, que dizia que "exportar é o que importa", mas a economia internacional é muito mais complexa do que isso. O fato de termos importado tão pouco no ano passado quer dizer que a indústria não está funcionando. A maior parte do que compramos do exterior é de insumos industriais. Em 2017 já houve um crescimento ante 2016, o que sinaliza uma retomada econômica.

O aumento das exportações também não se deveu à queda do mercado interno?

Sim. No ano passado, também aumentou a exportação de manufaturados, principalmente de veículos. As empresas se voltaram para exportação no ano passado, para compensar a queda do mercado interno, mas faltam políticas de incentivo para o exportador não abandonar o mercado externo quando o País voltar a crescer.

Que resultados podemos esperar para este ano?

Para 2018, o saldo esperado é de US$ 45 bi a US$ 50 bi, patamar parecido com o de 2016. Não há no horizonte nenhum cenário de crise à vista, o que tende a manter os preços das commodities estáveis. Podemos esperar até uma pequena elevação, mas sem a garantia de que a safra vai ser tão boa quanto a anterior.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;