Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Campeão de jiu-jítsu largou trabalho para seguir sonho

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Marcelo Argachoy

23/11/2017 | 07:00


Largar um emprego de mais de dez anos para seguir um sonho. Para muitos, isso é considerado ‘loucura’. Em 2003, o então técnico em eletrônica Stéfano Corrêa, de Itu, decidiu arriscar e começou no jiu-jítsu.

Na infância, Stéfano chegou a praticar judô, mas parou para focar nos estudos e no trabalho. Por meio de um amigo, conheceu o jiu-jítsu. “Na primeira aula quase não voltei depois, era muito puxado”, relembrou. “Tive sorte até de ter um lugar para praticar na minha cidade. Naquela época (o jiu-jítsu) não tinha a popularidade de hoje.”

Depois de dois anos conciliando o trabalho com os treinamentos, decidiu abandonar de vez a profissão para se tornar lutador profissional “Minha mãe ficou louca, quase me matou”, brincou Stéfano. “Lembro que minha avó criticou bastante, dizia que era errado e eu ia me machucar muito”, completou.

Quase 15 anos depois, Stéfano levantou títulos estaduais, nacionais e até internacionais no esporte. E as críticas se transformaram em apoio. “Hoje em dia eles me seguem nas competições e sabem o quão bom é o esporte”, declarou Stéfano que, além de faixa preta, é professor de jiu-jítsu.

A modalidade passa por teste na 81ª edição dos Jogos Abertos do Interior – e tem a aprovação de quem participou. “O nível de competitividade está altíssimo, São Paulo é uma potência nacional no jiu-jítsu”. comentou Stéfano, que levou o título na categoria até 88 kg, representando Itu.

“O cenário competitivo do jiu-jítsu agora precisa ser inserido com mais qualidade, para que o público conheça o esporte, a disciplina que existe por trás”, explicou ele. O lutador afirma que ainda existe preconceito com a modalidade.


Ribeirão Pires conta com lutador polivalente na Olimpíada Caipira

Faixa preta no judô, atleta profissional na luta olímpica, e, agora, lutador de jiu-jítsu. Representando a cidade de Ribeirão Pires, Igor Galvão Antunes mostra versatilidade nos tatames dos Jogos Abertos do Interior.

Depois de competir na luta olímpica na segunda-feira, Igor enfrentou adversários maiores e mais experientes ontem, na disputa do jiu-jítsu, chegando até a vencer um oponente faixa preta – Igor é apenas faixa roxa.

“O nível está bem forte. Estou lutando junto de gente graduada, experiência muito boa”, disse ele, que irá focar seu aperfeiçoamento no jiu-jítsu apenas.

Segundo o lutador, a experiência em várias modalidades o tem auxiliado na Olimpíada Caipira. “Esses três esportes se complementam. O judô, por exemplo, ajuda muito na parte “em pé”, do jiu-jítsu. O que muda bastante são as regras”, contou Igor.

Seu primeiro contato com a luta foi no judô, no qual se especializou e, depois, progrediu para a luta olímpica.

“Estava com a cabeça cheia dos desgastes do treino do judô e acabei largando. Agora, meu foco é ficar mais forte e graduar no jiu-jítsu, adquirir a faixa preta”, afirmou Igor.

O lutador de 24 anos treina em São Paulo, mas representa Ribeirão Pires nos Jogos Abertos do Interior a pedido de um amigo. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;