Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 7 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

A História de São Bernardo em crônicas

A história da cidade de São Bernardo narrada em crônicas ligeiras, e verdadeiros, por um filho da cidade, Dionízio Pessotti


Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

07/02/2010 | 00:00


A história da cidade de São Bernardo narrada em crônicas ligeiras, e verdadeiros, por um filho da cidade, Dionízio Pessotti. Mais ainda: um livro ilustrado por desenhos do próprio autor que nos levam a São Bernardo de 60, 70, 80 anos atrás. O resultado é um pequeno tesouro, que contribui para a construção da memória local.

A maioria das histórias foi testemunhada por Dionízio Pessotti, muitas acompanhadas bem de perto, outras narradas por são-bernardenses da sua maior confiança.

PÉROLAS
BATATEIRO - O autor oferece uma nova versão para o termo "batateiro". Seu irmão mais velho, o historiador Attílio Pessotti, contara que o apelido nasceu da rivalidade histórica do futebol entre São Bernardo e Santo André no tempo do trenzinho do Pujol, anos 1920; Dionízio, o irmão caçula, acrescenta que a rivalidade política dos anos 1940 consagrou de vez a expressão.

SONS DA VILA - No livro, o malho na bigorna do Gigim Bonini: ouvem-se as batidas ecoadas de uma ferraria em plena Rua Marechal Deodoro.

MOINHOS - A São Bernardo dos móveis e automóveis, do Paço e do Rodoanel, do trólebus e dos fundos de vale embutidos, já teve moinhos de fubá. E mata-burros.

MARECHAL - Todo trânsito entre São Paulo e Santos passava pela Rua Marechal Deodoro: financistas, barítonos, menestréis, jogadores do Santos e do Jabaquara, industriais e empregados, ricaços e pobretões, todos eles passaram defronte à capelinha da Boa Viagem e, muitos, tiraram o chapéu em respeito fazendo o Sinal da Cruz.

FAUNA - A crônica do passarinho é insuperável. O menino Dionízio não acertava nenhum passarinho, que debochava dele. Seu coração não o perdoaria em caso de ferir, mesmo que levemente, um pássaro qualquer.

CENÁRIOS - A venda dos Capassi, o caminhão do Sacilotto, Wallace Simonsen percorrendo a Marechal Deodoro rumo à Prefeitura, o benzedor Visintainer, o alfaiate Dante, três bandas no Largo da Matriz, um clássico das Colônias entre o Vinte de Setembro e o Sossega Leão, dois casais de "batateiros" perdidos em São Paulo.

O AUTOR - Dionízio Pessotti é marceneiro, músico e compositor. Tocou na Corporação Musical Carlos Gomes, cuja sede guarda várias partituras de músicas que ele fez. Ele é casado com Ondina Flutuoso de Campos e tem duas filhas. Lourdes, formada em Comunicação, foi quem editou o primeiro livro do pai.

Paróquia Nossa Senhora da Boa Viagem, de São Bernardo, abriu concurso de composição de música sacra. Os concorrentes devem apresentar composições inéditas para órgão e voz solo, ou órgão e coral misto a quatro vozes. A obra deverá ter no máximo cinco minutos com texto em português. Prazo máximo para a entrega: 31 de maio de 2010. Informações: edital no site da Igreja Matriz: www.pnsbv.com.br .

SANTOS DO DIA
Coleta (religiosa belga: 1381-1447), Eugênia Smet, Ricardo de Toscana (monarca inglês falecido em Luca, Itália, em 722) e Teodoro.

Na estampa, São Romualdo, cuja data é celebrada em 19 de junho. Era italiano (956-1027). Fundou conventos, entre os quais o de Campo Maldoni, na Toscana, que deu origem à Ordem dos Camaldulenses, por ele criada.

Crédito da estampa: acervo: Vangelista Bazani (Gili) e ‘João de Deus Martinez.

DIÁRIO HÁ 30 ANOS
Quinta-feira, 7 de fevereiro de 1980

Manchete - Governo limita os investimentos das empresas estatais

Futebol - Corinthians e Ponte empatam em 0 a 0. Decisão do Paulista de 1979 fica para domingo.

Carnaval 80 - Leopoldina do Samba defende a cultura brasileira nos desfiles da Faria Lima, em São Bernardo.

Economia - São Bernardo promove o quarto encontro de empresários do Grande ABC.

Editorial - Funcionalismo é o termômetro da popularidade

Primeiro Plano (Eduardo Camargo) - Montante da dívida externa assusta.

EM 7 DE FEVEREIRO DE...

1895 - Vereador Luiz Pinto Flaquer Júnior propõe a instalação do primeiro aparelho telefônico na região.

Trabalhadores
Nascem em 7 de fevereiro:

1 - Acácio Augusto. 1898. Natural de Padroim, Portugal. Industriário da J. B. Duarte. Residência: Ribeirão Pires.

2 - João Bianchini. 1903. Natural de Campinas (SP). Destilador da Rhodia Química. Residência: Avenida Antonio Cardoso, 1188, Santo André.

3 - Manoel Rodrigues de Almeida. 1916. Português. Industriário da Rhodia Química. Residência: Rua Dr. Vieira de Carvalho, 61, Vila Santa Terezinha, Santo André.

4 - João Rodrigues Teixeira. 1918. Industriário da Rhodia Química. Residência: Rua Manoel Padre Manoel de Paiva, 160.

5 - Manoel Pereira Fialho. 1919. Natural de Guaratinguetá (SP). Industriário da Rhodia. Residência: Rua Henrique Souza Moraes, 310.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;