Fechar
Publicidade

Domingo, 13 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Febre amarela: 2,5 mi serão vacinados

EBC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Corrida aos postos foi iniciada sábado, quando começou vacinação focada em moradores da região



24/10/2017 | 08:05


A Prefeitura de São Paulo pretende vacinar 2,5 milhões de pessoas contra o vírus da febre amarela. A intensificação da imunização ocorrerá na zona norte da capital, onde fica o Horto Florestal. Na segunda-feira, 23, o governo do Estado confirmou que mais quatro macacos foram encontrados mortos no parque, área na qual um animal já havia sido diagnosticado com o tipo silvestre da doença na sexta-feira passada, levando ao fechamento do horto. As autoridades ainda apuram se os macacos foram mortos pela febre.

A corrida aos postos de saúde foi iniciada no sábado, quando começou a vacinação focada em moradores do interior do parque. Na Unidade Básica de Saúde (UBS) do Horto e do Jardim Peri, 4,1 mil pessoas foram vacinadas no primeiro dia. Ontem, a fila era de cerca de duas horas na UBS do Horto (mais informações nesta página), com expectativa de imunização de 6 mil pessoas. A dose única está disponível na rede privada, com o preço médio de R$ 162.

O secretário municipal da Saúde, Wilson Pollara, disse que a situação representa um alerta. "Isso (a morte do macaco) significa um alerta para que a gente programe uma ação de vacinação da população. Inicialmente, vamos fazer essa vacinação em círculos do local que foi encontrado o animal. Vão ser vacinadas 500 mil pessoas dos primeiros 500 metros ao redor do local e, em seguida, nós vamos ampliando esse círculo até completar toda a região norte, que seriam 2,5 milhões de pessoas."

Já o governo do Estado anunciou só a meta de vacinar 1 milhão e não informou sobre a previsão de uma terceira fase de imunização. Há quatro postos oferecendo a vacina - número que deve passar para 57.

Ricardo Barros, ministro da Saúde, disse que as mortes de macacos por febre amarela em São Paulo indicam que um novo ciclo da doença está por vir.

Para atender à demanda da vacinação, a pasta deverá enviar mais 1,5 milhão de doses para a cidade. "É para atender o fluxo da população." Há uma expectativa de que possa ocorrer fenômeno semelhante ao que ocorreu no Rio, quando houve uma corrida para vacinação mesmo em locais onde não era recomendada a vacina.

Dos quatro macacos mortos, dois foram enviados para análises. Os outros dois, em avançado estado de decomposição, não poderão ser avaliados.

Ciclo

"Não temos ciclo urbano da doença desde 1942. Há ocorrências do ciclo silvestre sempre precedidas por casos em macacos. Esse animal é uma importante sentinela para que se faça a sinalização de risco de uma região porque há um medo da reurbanização da doença", explica Carlos Magno Fortaleza, infectologista da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Botucatu. Ele diz que, em casos de confirmação de morte pelo vírus, a imunização da população do entorno é suficiente para evitar surto entre humanos. "Os mosquitos não têm autonomia de voo grande."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Febre amarela: 2,5 mi serão vacinados

Corrida aos postos foi iniciada sábado, quando começou vacinação focada em moradores da região


24/10/2017 | 08:05


A Prefeitura de São Paulo pretende vacinar 2,5 milhões de pessoas contra o vírus da febre amarela. A intensificação da imunização ocorrerá na zona norte da capital, onde fica o Horto Florestal. Na segunda-feira, 23, o governo do Estado confirmou que mais quatro macacos foram encontrados mortos no parque, área na qual um animal já havia sido diagnosticado com o tipo silvestre da doença na sexta-feira passada, levando ao fechamento do horto. As autoridades ainda apuram se os macacos foram mortos pela febre.

A corrida aos postos de saúde foi iniciada no sábado, quando começou a vacinação focada em moradores do interior do parque. Na Unidade Básica de Saúde (UBS) do Horto e do Jardim Peri, 4,1 mil pessoas foram vacinadas no primeiro dia. Ontem, a fila era de cerca de duas horas na UBS do Horto (mais informações nesta página), com expectativa de imunização de 6 mil pessoas. A dose única está disponível na rede privada, com o preço médio de R$ 162.

O secretário municipal da Saúde, Wilson Pollara, disse que a situação representa um alerta. "Isso (a morte do macaco) significa um alerta para que a gente programe uma ação de vacinação da população. Inicialmente, vamos fazer essa vacinação em círculos do local que foi encontrado o animal. Vão ser vacinadas 500 mil pessoas dos primeiros 500 metros ao redor do local e, em seguida, nós vamos ampliando esse círculo até completar toda a região norte, que seriam 2,5 milhões de pessoas."

Já o governo do Estado anunciou só a meta de vacinar 1 milhão e não informou sobre a previsão de uma terceira fase de imunização. Há quatro postos oferecendo a vacina - número que deve passar para 57.

Ricardo Barros, ministro da Saúde, disse que as mortes de macacos por febre amarela em São Paulo indicam que um novo ciclo da doença está por vir.

Para atender à demanda da vacinação, a pasta deverá enviar mais 1,5 milhão de doses para a cidade. "É para atender o fluxo da população." Há uma expectativa de que possa ocorrer fenômeno semelhante ao que ocorreu no Rio, quando houve uma corrida para vacinação mesmo em locais onde não era recomendada a vacina.

Dos quatro macacos mortos, dois foram enviados para análises. Os outros dois, em avançado estado de decomposição, não poderão ser avaliados.

Ciclo

"Não temos ciclo urbano da doença desde 1942. Há ocorrências do ciclo silvestre sempre precedidas por casos em macacos. Esse animal é uma importante sentinela para que se faça a sinalização de risco de uma região porque há um medo da reurbanização da doença", explica Carlos Magno Fortaleza, infectologista da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Botucatu. Ele diz que, em casos de confirmação de morte pelo vírus, a imunização da população do entorno é suficiente para evitar surto entre humanos. "Os mosquitos não têm autonomia de voo grande."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;